Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sábado, 18 de novembro de 2017 - 17h20
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


 
Takoyaki
Prato representativo do Japão, o takoyaki pode ser preparado
em casa e também ser consumido como fast-food
 

(Fotos: Divulgação)

O takoyaki (bolinho assado de polvo) nasceu no Japão da adaptação de vários pratos e tornou-se tão popular, que hoje é considerado um prato representativo do país. A massa do bolinho é feita com farinha, água, ovos, caldo básico (dashi) e temperos, que, depois de derramada em uma chapa especial de ferro com várias cavidades esféricas (takoyaki-ki), é preenchida e assada com ingredientes como polvo cozido, tenkasu (flocos fritos de massa de tempurá), cebolinha picada, benishouga (gengibre vermelho em conserva) e camarões pequenos. Para virar os bolinhos, utiliza-se um palito de metal, e o objetivo é que eles fiquem crocantes por fora e cremosos por dentro. Para finalizar, os bolinhos assados são cobertos com um molho especial (takoyaki sauce), aonori (alga nori verde) e maionese.


PREPARO - Palitos de metal são
usados para virar os bolinhos

Embora o takoyaki possa ser facilmente preparado em casa, normalmente ele é consumido nas ruas, como uma espécie de fast-food. Especialmente popular na região de Kansai (Osaka, Kobe, Quioto, etc.), o takoyaki também é apreciado em todo o Japão e até mesmo internacionalmente, em países como o Brasil.

Como surgiu o
takoyaki no Japão?

Os doces à base de farinha de trigo e água foram trazidos da China e introduzidos no Japão durante a Era Nara (século VIII), mas eram restritos apenas à elite. O funoyaki foi o precursor das iguarias preparadas com massa de farinha de trigo e água e assadas na chapa. Era uma espécie de crepe recheado com missô e enrolado, criado inicialmente por Sen-no-Rikyu (1522-1591) para acompanhar a cerimônia do chá.

No final da Era Meiji, empregando-se a farinha americana (meriken-ko – meriken = americana, ko = farinha) e acrescentando-se camarão e vários legumes, surgiu o monjayaki, assado em chapa de ferro lisa (teppan). Para facilitar o transporte do monjayaki para viagem, criou-se uma versão mais consistente, chamada de dondon’yaki, difundindo-se pelo país inteiro. Na Era Taisho (século XX), o dondon’yaki passou a ser conhecido na região de Kansai como issen yôshoku, significando alimento gostoso e barato. Despejando e assando a massa do issen youshoku em uma chapa especial de ferro com cavidades esféricas, a iguaria transformou-se em pequenos bolinhos, de prático consumo, dando origem ao choboyaki, precursor do takoyaki.

Em Osaka, o choboyaki, originalmente recheado apenas com konnyaku e temperado com um molho depois de assado, foi incrementado, levando dashi diretamente na massa e, como recheio, além do konnyaku, outros ingredientes, como cebolinha e carne, dando origem a um bolinho de tamanho maior, que ficou conhecido como rajuumuyaki ou radioyaki.

Finalmente, em 1935, o fundador da famosa casa de takoyaki Aizuya, Tomekichi Endo, ouviu de um cliente o seguinte comentário sobre o bolinho akashiyaki: “Aqui se coloca carne, é? Em Akashi, coloca-se polvo!”, o que o levou a pesquisar e criar o takoyaki atual.

Com a Segunda Guerra Mundial e o conseqüente racionamento alimentar, os japoneses começaram a reconsiderar o issen youshoku, que passou a ser preparado com mais água na massa, para melhor aproveitamento da farinha de trigo. Assim, por influência, o takoyaki também passou a levar mais água na massa, sendo recheado com mais ingredientes e recebendo uma camada de molho (sauce) por cima. Como o takoyaki geralmente é vendido nas casas de okonomiyaki (espécie de panqueca assada com vários ingredientes), ele começou a ser servido com as mesmas “coberturas”, além do sauce, como maionese, flocos de peixe seco (katsuo bushi) e aonori.

 

Você sabia?


O tamagoyaki da cidade de Akashi, mais conhecido pelo nome de akashiyaki, inspirou a criação do takoyaki de Osaka, mas, apesar de aparentemente muito parecidos, esses bolinhos têm peculiaridades bem distintas:

Em Osaka, o takoyaki é consumido não somente como fast-food nas ruas, mas também como um prato do cardápio cotidiano, servido com arroz. Por isso, dizem que todas as casas de Osaka possuem um takoyaki-ki. No distrito de Sennichi-mae, concentram-se lojas especializadas em utensílios para takoyaki, que se estendem por 160 metros, ocupando os dois lados da rua. Uma delas, a Yamashita Hardware, chega a vender 1.500 takoyaki-ki para uso doméstico todos os anos.

O polvo, ingrediente essencial e que dá o nome ao bolinho, é largamente consumido pelos japoneses, principalmente na região de Kansai. Segundo uma pesquisa do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações do Japão, Kobe ocupa o primeiro lugar em consumo anual de polvo por família, com 2 kg; em segundo vem Osaka, com 1,8 kg; e, em terceiro, Nara, com 1,7 kg.


POLVO - Ingrediente do takoyaki é muito consumido no Japão


Arquivo NippoBrasil - Edição 311 -1º a 7 de junho de 2005
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

122 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases