Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 29 de novembro de 2021 - 19h57
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
 

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

Antigamente as florestas japonesas eram habitadas por criaturas chamadas tengu. Eram gênios da montanha com aparência humana. Uma de suas características era que tinham um leque mágico e à medida que abanava, seu nariz ia crescendo.

Nessa época, morava no alto da montanha um tengu vermelho chamado Vermelhão e um tengu azul chamado Azulão.

Certa ocasião, os dois sentados em cima de um enorme pinheiro, no pico da montanha, conversavam na maior descontração.

- Sabe amigo Vermelhão, estive pensando... Nós ficamos todos os dias daqui de cima, observando os seres humanos lá embaixo.

- É verdade amigo Azulão.

- Será que nós tengu gostamos de observar os seres humanos, amigo Vermelhão?

- Sei lá amigo Azulão, nunca pensei nisso. Observamos os humanos porque todos os tengu fazem isso.

- É verdade amigo Vermelhão.

- Amigo Azulão, quanto tempo faz que observamos eles daqui de cima?

- Acho que uns quinhentos anos, amigo Vermelhão.

- Os homens mudaram muito durante esse tempo, mas nós não mudamos nada - observou o tengu vermelho.

- Vira e mexe, eles constróem cidades, depois brigam e destróem. Depois constróem de novo, um pouco diferente, depois brigam e destróem. Vale dizer que de guerra em guerra, eles vão mudando um pouco e hoje estão completamente diferentes de quinhentos anos atrás - comentou o tengu azul.

- Acho que já sei amigo Azulão, temos que brigar e xingar. Nós nunca brigamos nestes quinhentos anos de convivência, por isso que nós estamos sempre na mesmice.

- Mas brigar para que se somos bons amigos? Para nós tengu, briga e guerra são coisas totalmente desnecessárias.

- Pois é, nunca brigamos, por isso nunca progredimos!

- Está bem, vamos brigar então. Assim, imitando os humanos, um passou a xingar o outro e ficaram de mal.

Certo dia Azulão estava, como de costume, observando as pessoas. De repente, viu alguma coisa muito bonita lá embaixo no castelo. Como ficou com vontade de tocar no belo objeto que via ao longe, começou a fazer vento no nariz com seu abanador mágico. O nariz começou a crescer, a crescer e foi crescendo na direção do castelo. O nariz atravessou rios, montes, ruas e muros do castelo, e passou em um quintal, onde uma criada estava estendendo formosos quimonos de uma princesa para secar. Distraída, a criada pendurou o quimono no nariz do tengu, pensando que era a vara de secar roupas.

Assustado com o repentino peso sobre seu nariz, o tengu recolheu seu nariz, abanando ao contrário. Como os quimonos estavam presos por grampos, foram levados para as copas das árvores. O tengu vermelho chegou no local para observar e perguntou:

- Quantos quimonos bonitos, como conseguiu?

- Alonguei meu nariz até o castelo, aí penduraram vários presentes. Vou te dar a metade.

- Não quero, estamos de mal, lembra-se? - dizendo isso Vermelhão foi para outro lugar.

Na verdade o tengu vermelho ficou com inveja de Azulão e resolveu fazer o mesmo.

- Eu também quero roupas bonitas. Vou alongar meu nariz até o castelo!

E assim, Vermelhão foi abanando e abanando seu nariz, até que esse atingisse o castelo. Alguns samurais praticavam kenjutsu, a arte do manejo da espada. Vendo aquele nariz avançando na direção deles, não tiveram dúvida, cortaram aquela coisa estranha que mais parecia uma cobra cega.

Vermelhão ao sentir uma dor aguda, recolheu o nariz mais do que depressa.

Azulão se aproximou do colega e perguntou o que havia acontecido. Vermelhão chorando de dor contou a tragédia.

Azulão penalizado disse novamente para Vermelhão não chorar mais e deu metade dos quimonos para ele. Assim os dois viveram em harmonia por mais quinhentos anos.

 
Adaptação livre de Claudio Seto

Arquivo NippoBrasil - Edição 318 - 3 a 9 de agosto de 2005
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 320
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
Arquivo Nippo - Edição 318
O cúmulo da cortesia
Arquivo Nippo - Edição 316
O desejo de visitar o Grande Santuário de Ise e morrer
Arquivo Nippo - Edição 314
Hachizuke, o deus Inari
Arquivo Nippo - Edição 312
Kin no kamikazari
Arquivo Nippo - Edição 310
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 308
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 306
O incêndio de furisode
Arquivo Nippo - Edição 304
Um lírio de 33 flores
Arquivo Nippo - Edição 302
Ôoka Tadasuke e o caso do cheiro roubado
Arquivo Nippo - Edição 300
Zashiki Warashi
Arquivo Nippo - Edição 298
A Tartaruga e a Garça (Kame-san to Tsuru-san)
Arquivo Nippo - Edição 296
O Kozo e a Yamanbá
(parte final)
Arquivo Nippo - Edição 294
O Kozo e a Yamanbá
(parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 292
A história de Shiro (Parte final)
Arquivo Nippo - Edição 290
A história de Shiro (Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 288
A bela mulher do desenho
(Parte Final)
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
(Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados