Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 16 de outubro de 2019 - 0h33
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 102 - 3 a 9 de maio de 2001
 
Moti - Parte 2

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

O divino sabor do moti

Em 713, no início do Período Nara (710-93), a corte imperial mandou que os oficiais provincianos fizessem descrições de suas respectivas regiões. Um desses registros é o Bungo fudo-ki, ou a descrição da região Bungo, que contém as primeiras pinturas do moti. No início de um texto de uma história bem conhecida sobre um homem rico, que por seu orgulho é lavado à ruína, observa-se a presença do moti. “Ele estava quase perdendo a flecha e percebeu que não havia um alvo conveniente. Então usou um moti como alvo. Quando a flecha o atingiu, entretanto, o moti transformou-se em um pássaro branco e voou para bem longe.”

Para servir como alvo apropriado à flecha, o moti devia ser redondo e plano e, através da cor do pássaro, pode-se deduzir facilmente que o bolinho de arroz era extremamente branco. Então o moti do século VIII, como o descrito no Bungo fudo-ki, já aparece como ele é nos dias de hoje.

Mais tarde, durante o Período Heian (794-1191), observa-se que o moti também era, na maioria dos casos, redondo. Com o tempo, essa iguaria japonesa passou a ser um privilégio do governo e havia até um ministro especial encarregado da produção.


Moti e o Ano-Novo

O Moti está bastante presente nas celebrações do ano-novo, muito comemorado pelos japoneses. O ano-novo japonês é muito mais do que um simples festival do Moti. A prática de comemorar o ano-novo começou na Corte Imperial durante do Período Heian e, ao longo dos anos, foi difundida para a população. Mas o que contribuiu para a popularização do moti?

Um das causas dessa popularidade é que os japoneses contam sua idade não pelo dia do aniversário, mas pelo dia 1º de janeiro. O ano-novo era símbolo da transição da vida e também das responsabilidades assumidas pela idade. Hoje, esses símbolos já perderam muito de sua força, e o feriado passou a ser visto como um tempo em que todas as formas de vida são revitalizadas. Talvez isso seja um motivo que fez o moti tão popular.

A quantidade de moti preparado no ano-novo varia de acordo com a região e com a família, mas em todo lugar é costume que o primeiro monte seja feito grosso e redondo. Esses bolinhos especiais são chamados kagami moti. Um par de kagami moti é oferecido à divindade dos grãos e cereais, acompanhado de uma prece que pede por segurança no ano que se inicia.

Um pequeno bolinho é colocado sobre um maior e juntos são colocados em uma mesinha chamada sambo. Eles são decorados com castanhas secas, fatias de caqui secos e uma pequena laranja de sabor amargo. Diz-se que o kagami moti oferecido dessa forma é símbolo do sol e da lua, ou de um homem e uma mulher.

O nome kagami moti data do Período Kamakura (1192-1333), e é uma inversão do termo do Período Heian, moti kagami. As pessoas do Período Heian acreditavam que os espelhos (kagami) tinham poderes mágicos, e, dessa maneira, colocavam o moti nos altares xintoístas.

Mas a crença no poder do espelho diminuiu, e as pessoas começaram a ver a massa redonda e grossa como mais comestível do que um talismã. Conseqüentemente, a ordem das palavras foi invertida, kagami (espelho) passou a ser adjetivo, e moti, o substantivo.

A sambo (mesinha), juntamente com o kagami moti, permanece no altar xintoísta até o dia 11 de janeiro, quando os bolinhos de arroz são divididos em pequenos pedaços e, por fim, consumidos. Os bolinhos devem ser “abertos” e não cortados. Normalmente são partidos com as mãos num ritual chamado kagami-biraki (literalmente abrir o espelho).

Kagami-biraki data do Período Heian e, originalmente, era feito no dia 20 de janeiro. Entretanto, quando o terceiro Tokugawa Shogun Iemitsu morreu em 20 de abril de 1651, o dia 20 de cada mês foi guardado para luto. Conseqüentemente, a data do kagami-biraki foi transferida para o dia 11 de janeiro.

História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 353
Hambaagu
Arquivo Nippo - Edição 351
Omuraisu
Arquivo Nippo - Edição 315
Yakiimo
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 293
Osechi ryori
Arquivo Nippo - Edição 291
Ozouni
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 249
O famoso Sushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

230 usuários online