Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 0h04
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 301 - 23 a 29 de março de 2005
 
Obentô, a marmita japonesa
Prática refeição está presente em muitas atividades do cotidiano dos japoneses
 

(Fotos: Divulgação e IPC JAPAN)

Desde a Era Kofun (séc. IV d.C.), os viajantes e os agricultores que saíam para trabalhar levavam consigo um alimento portátil que recebia o nome de hoshii. O hoshii consistia em arroz integral ou arroz branco cozido ou no vapor e posto ao sol para secar. Após este processo, o arroz transformava-se num alimento não perecível, de fácil transporte. Na hora das refeições, bastava mergulhar este arroz seco em um pouco de água que ele amolecia e estava pronto para ser consumido. Não havendo água, era só mastigá-lo diversas vezes para torná-lo comestível.

O hoshii era embrulhado em folhas que possuíam poder desinfetante, juntamente com alguns frutos e peixes secos.

O obentô bako (caixa para obentô) surgiu na Era Azuchi Momoyama (1573~1598). Os senhores feudais e as famílias poderosas desta época levavam o obentô para consumi-lo durante a apreciação das flores de cerejeira (hanami), ou das folhas das árvores no outono (momiji). Esse obentô era disposto num riquíssimo conjunto de peças que incluíam o jubako (conjunto de caixas de laca pintadas com esmero), ozen (tabuleiro com pernas que servia como mesinhas individuais), obon (bandejas), owan (tigelas) e porta hashi (par de palitos). Este obentô ficou conhecido como yusanbentô.

Um exemplo de obentô simples é o koshibentô, que recebe este nome por ser transportado na região lombar (koshi) do corpo humano. Este koshibentô é um punhado de arroz embrulhado em kouri (obentô bako feito de casca de bambu ou de galhos de salgueiro trançado). Este era embrulhado num furoshiki (pano quadrado próprio para embrulhar) e preso aos ombros ou à região lombar. Dizem que este é o início do famoso ekiben (obentô vendido nas estações de trem para ser consumido durante a viagem), que surgiu na Era Meiji, junto com a implantação da rede ferroviária (1872). Inicialmente, era composto por onigiri recheado com umeboshi (ameixa azeda em conserva) e takuan (conserva de nabo). Atualmente, o ekiben é preparado com ingredientes típicos de cada região.

Na Era Edo (1600~1867), o obentô popularizou-se. O obentô bako feito de cedro e hinoki (cipreste japonês) chamados de magemono e os kouri foram amplamente usados. O obentô das camadas populares consistia geralmente em onigiri recheado com umeboshi.

No mesmo período, surgiu o makunouchi (literalmente, intervalo entre atos de uma peça teatral). Os espectadores de teatro levavam este obentô – composto de onigiri (bolinho de arroz), omelete, legumes cozidos, todos dispostos dentro do jubako – para consumi-lo nos intervalos das apresentações. O costume de comer obentô nos intervalos de peças teatrais ainda acontece hoje, principalmente nas apresentações de kabuki.

Na Era Showa (1926~1989), surgiram os obentô bako feitos de alumínio. Em seguida, surgiram os de plástico. Resistentes e leves, com cores e formatos diferentes, eles impedem o vazamento de caldos e ainda podem ser levados ao microondas.

 

Você sabia?


Um dos obentô mais famosos é o hinomaru bentô, composto somente de arroz branco e um único umeboshi no centro, lembrando a bandeira nacional japonesa.No pós-guerra, quando havia racionamento de alimentos, esta era a única opção de obentô.

Seis estações ferroviárias reivindicam o pioneirismo da venda do ekiben: Utsunomiya (Tochigi), Osaka, Kobe, Ueno, Kumagaya e Koyama. A mais provável é a estação Utsunomiya, que teria iniciado as vendas em 10 de julho de 1885.

Variedade



COMÉRCIO - Obentô são vendidos em diversas lojas

É grande o número de obentô prontos vendidos nas lojas de conveniência, mas alguns preferem prepará-lo em suas casas, preocupando-se com a variedade dos acompanhamentos, com a higiene, com a aparência do obentô e também com o equilíbrio nutritivo.

O conteúdo do obentô varia de acordo com o gosto das pessoas, mas os preferidos são omelete, frango frito, hambúrger caseiro, salsicha, peixe grelhado, bolinho de carne, salmão grelhado, onigiri, carne grelhada, cozidos em geral, camarão frito, carne de porco à milanesa e salada de maionese.

No Japão, as mães costumam seguir a lei das cinco cores (vermelho, amarelo, verde, preto e marrom) para preparar o obentô de seus filhos, dividindo os alimentos em cinco grupos por proximidade de cor. Isso permite compor uma refeição mais vistosa, além de proporcionar um balanço nutricional.


ARTE - Mães capricham no preparo de obentô atraentes para toda a família
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

157 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases