Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 17 de dezembro de 2017 - 13h45
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 303 - 6 a 12 de abril de 2005
 
Tsukemono
Os registros referentes ao tsukemono j apareciam
em muitas obras que vo da Era Nara Era Heian
 

(Fotos: Divulgação e IPC JAPAN)

Conserva de vegetais, verduras ou legumes, o tsukemono é um acompanhamento, mas pode ser consumido como petisco junto com bebidas alcoólicas, ou com chá, e pode ser um dos pratos principais ao lado do arroz. A maioria leva meses – ou até anos – para ser preparado.


MUDANÇAS - Tsukemono sofreu variações ao longo dos tempos

Um pouco da história do tsukemono

Pode-se dizer que essa conserva, que pode facilmente ser preparada com sal, é um dos alimentos processados mais antigos do mundo. Os registros referentes ao tsukemono aparecem em obras que vão da Era Nara (séc. VIII) à Era Heian (sécs. VIII a XII). Após o século XII, a forma de preparo consolidou-se, e os ingredientes foram diversificados. Na Era Muromachi (sécs. XIV a XVI), as técnicas desenvolveram-se ainda mais e, na Era Edo (sécs. XVII a XIX), surgiu o nukazuke (à base de farelo de arroz).


TRADIÇÃO - Tsukemono é um dos alimentos mais antigos do mundo

Nessa época, o tsukemono sofreu variações, incluindo em seu preparo saquê, missô, shoyu ou vinagre, dando origem ao missozuke (à base de missô), kasuzuke (à base de resíduos da fermentação do saquê). O takuan (o mais popular tsukemono, de nabo) surgiu também no mesmo período e teria recebido o nome por ter sido preparado pela primeira vez pelo monge Takuan. Assim, definiu-se a forma da refeição típica dos japoneses, que combina arroz, missoshiru, tsukemono e mais um prato.

Pensa-se que o tsukemono seja um alimento surgido espontaneamente. O Japão, que não possui sal extraído das rochas, descobriu essa substância ao consumir o peixe fresco com a água do mar e também ao observar o sal que se formava na superfície, quando se grelhava os frutos do mar.

Os peixes deixados à beira da praia tornavam-se saborosos alimentos desidratados, por causa da água do mar que continham. E logo descobriram que as verduras ganhavam mais sabor quando guardadas salgadas, além de se conservarem por mais tempo. Após estabelecer a relação entre o sal e a conservação dos alimentos, inventou-se o molho de peixe e também o shoyu, o missô e outros alimentos fermentados.

 

Você sabia?


• Existem no mercado temperos líquidos prontos em embalagem pet para o preparo de tsukemono do tipo asazuke.

• O proprietário do “Odawaraya”, estabelecimento especializado na venda de tsukemono, escreveu, em 1836, um livro registrando 64 maneiras diferentes de se preparar o tsukemono.


INGREDIENTES - Processo de preparo inclui muitas verduras e legumes


Os tipos de tsukemono

São inúmeros os tipos de tsukemono, seus ingredientes, temperos e modo de preparo. Esse processo geralmente inclui verduras e legumes, mas existem tsukemono de melancia e de melão. Os temperos tradicionais são o sal, o farelo de arroz, o shoyu, o missô, o saquê ou os resíduos de seu preparo, mas alguns tsukemono levam mel, açúcar, caqui e outros ingredientes.

Senmaizuke
Típico de Quioto, tradicionalmente feito com a parte da raiz do shoogoin (um tipo de nabo, que pode ser substituído pelo rabanete branco) finamente fatiada, acrescida de konbu (alga marinha, laminaria) e pimenta vermelha, e temperada com sal, mirin (saquê adocicado) e kooji (arroz fermentado). Sen significa mil, e mai é sufixo para contagem de objetos finos, como lâminas, folhas de papel, etc.

Narazuke
Teria sido criado em Nara, daí o seu nome. Designa vários tsukemono preparados com uri, espécie de pepino – acrescido de berinjela, nabo e raiz de lótus – e temperado com sakekasu (resíduo do preparo do saquê).

Shibazuke
Típico de Quioto, o shibazuke é feito com berinjela fatiada misturada com broto de myooga (espécie de gengibre), pimenta vermelha, folha de shiso (perila) e salpicada com sal.

Fukujinzuke
Preparado com nabo, berinjela, cogumelo nametake, shirouri (tipo de pepino), raíz de lótus, gengibre e frutos do shiso, de modo a completar sete ingredientes, evocando os sete deuses da sorte (shichifukujin). Os ingredientes picados e prensados são mergulhados numa mistura líquida de missô e shoyu. Esse tsukemono foi lançado como produto em 1885.

Asazuke
Nesta conserva, os vegetais são colocados para descansar por um período mais curto (asai significa pouco, superficial ou pouco tempo), com menor quantidade de sal e farelo de arroz. Este tipo tem sido preferido ultimamente ao nukazuke, pelo menor teor de sal e por ser possível prepará-lo rapidamente.

História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

110 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases