Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 05 de dezembro de 2021 - 4h10
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 316 - 6 a 12 de julho de 2005
 
• Era Meiji – parte 1
O imperador assume o poder
Que nação o novo governo tentou construir, diante das pressões e do perigo de se tornar uma colônia das nações européias e americana?


PODER - Almirante Perry comandou a reabertura dos portos japoneses

Arquivo Jornal NippoBrasil

Quatorze anos após a delegação do almirante Matthew Calbraith Perry exigir a abertura dos portos, em 1853, o xogunato Tokugawa, que durou cerca de 260 anos, solicitou a devolução do poder político à corte, na chamada Taiseihôkan (restituição do poder à corte imperial).

O imperador Meiji, então com 16 anos, assumiu o trono como o 122º imperador, marcando o fim do sistema feudal e da política da classe militar, que durou 700 anos, desde o xogunato Kamakura. Que tipo de nação o novo governo tentou construir, diante das pressões e da sensação de perigo geradas pelo risco de se tornar uma colônia das nações européias e americana, que visavam ao mercado econômico do continente asiático?

Para o estabelecimento de um moderno Estado, nos moldes das nações ocidentais, o novo governo lançou inúmeras políticas, que serão tratadas a seguir. É chamada de Restauração Meiji a grande reforma que abrangeu aspectos políticos, econômicos, militares e educacionais. A expressão “revolução” foi evitada, porque a reforma foi realizada por militares, samurais do sistema feudal pertencentes a categorias inferiores, e não pelas camadas populares.

A devolução dos feudos à coroa (Hansekihôkan), a abolição dos clãs e a criação das províncias (Haihanchiken)

Em 1869, a corte impôs a devolução dos territórios (hanto) sob domínio dos senhores feudais (hanshu, da categoria dos daimiôs), bem como da população e de seus registros (koseki). Os 261 feudos (han) foram transformados em 3 províncias metropolitanas (fu) e 302 províncias (ken), além de Hokkaido. Depois, foram reduzidas a 72 províncias. No início, não houve muitas mudanças, pois manteve-se a figura do hanshu da Era Tokugawa. Por esta razão, em 1871, extinguiu-se os han, mudando-se a denominação para ken. Os governadores das províncias metropolitanas (fuchiji) e os governadores das demais províncias (kenrei) eram enviados pelo poder central. Consolidou-se, então, a base de uma nação com poder centralizado, que teve o imperador como vértice.

O pilar do governo era composto pelos feudos monarquistas de Chôshû (atual Yamaguchi), Satsuma (atual Kagoshima), Tosa (Kochi) e Hizen (Saga).

Igualdade entre as classes (shimin byôdô)

O novo governo extinguiu a divisão das quatro classes sociais (shinôkôshô) existente na Era Edo, porém manteve a figura do imperador (tennô), das classes dos nobres da corte (kizoku) e dos daimiôs, formando a aristocracia (kazoku), que recebia tributos (hôroku) em arroz ou moeda. No entanto, devido às dificuldades financeiras, esses pagamentos foram cortados em 1876 e foram substituídos por pagamentos anuais dos juros sobre o valor nominal dos tributos correspondentes a um certo número de anos. Mas esse valor não era suficiente para a manutenção da classe dos samurais (shizoku). Isto fez com que essas classes fossem desfeitas, com exceção da família imperial, dando início à proletarização da população.

Os samurais das classes inferiores (kakyuu bushi), os camponeses (nômin) e os pequenos comerciantes (chônin) formavam a classe do povo comum, heimin. Aos párias, chamados de eta e himin, foi concedida legalmente a emancipação em 1871, sendo reconhecidos como pertencentes à categoria dos heimin.

Revisão dos impostos sobre as terras e incremento da produção

O novo governo, para corrigir a situação de dificuldade do tesouro público, permitiu a compra e a venda de terras, revisou o valor das terras com base na produção anual, determinando um novo preço, impondo uma lei segundo a qual 3% desse valor deveria ser pago em dinheiro como imposto. Como resultado, os camponeses que não podiam pagá-lo renunciavam às terras.

Por outro lado, a cobrança por parte dos proprietários em relação ao rendeiro, que lhes levava metade da produção de arroz em espécie, tornou a vida dos camponeses mais difícil do que foi no final da Era Edo, acarrretando freqüentes revoltas (nômin ikki).

Com o auxílio financeiro dos países ocidentais, o governo construiu fábricas sob administração estatal, ampliando suas atividades para os ramos da indústria de fiação, ferrovia e comunicação. Em 1880, já havia fábricas e manufaturas de capital privado, afirmando o sucesso do projeto de transformar o país numa nação rica.

Serviço militar obrigatório (Chôheiseido)

Visando a tornar-se um país rico e militarmente forte, o novo governo tomou como modelo a organização militar do ocidente europeu – Alemanha, França e Inglaterra –, formando um exército nos moldes ocidentais, instituindo, em 1873, o serviço militar obrigatório. Ele foi imposto à população masculina adulta, inicialmente isentos o chefe de família, os herdeiros, os funcionários públicos e os indivíduos que pagassem um determinado valor ao governo. Entre os alistados, os mais numerosos eram os segundos e os terceiros filhos das famílias camponesas. Temendo perder seus trabalhadores, os camponeses organizaram revoltas contrárias ao serviço militar em vários lugares.

O xintoísmo como religião nacional

A política de se congregar o xintoísmo e o budismo, existente desde a Era Edo, resultou no xintoísmo estatal (kokka shintô). Por isso, os adeptos do budismo foram perseguidos, inúmeros templos incendiados ou destruídos e imagens búdicas históricas danificadas ou vendidas. Por outro lado, estes acontecimentos proporcionaram uma chance de o budismo renascer como uma religião moderna, livrando-se de um sincretismo religioso simplista. Especialmente a partir de 1873, com o fim da proibição do cristianismo, e de 1889, com a liberdade religiosa reconhecida legalmente, muitas religiões se empenharam em sua modernização.

 

Importantes fatos históricos mundiais

1869 - Fim da Guerra do Paraguai

1869 - Abertura do Canal de Suez

1889 - Exposição Internacional de Paris, cujo símbolo foi a Torre Eiffel

1894 a 1895 - Guerra sino-japonesa

1904 a 1905 - Guerra russo-japonesa

1908 - Início da imigração japonesa ao Brasil. Chegada da navio Kasato Maru

1912 - Tragédia do navio Titanic

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 316
Era Meiji (Parte 1) - O imperador assume o poder
Arquivo Nippo - Edição 314
Era Edo (Parte 7) - Os revolucionários e a queda do xogunato Tokugawa
Arquivo Nippo - Edição 312
Era Edo (Parte 6) - Popularizacao de algumas formas de arte
Arquivo Nippo - Edição 310
Era Edo (Parte 5) - As três fases culturais
Arquivo Nippo - Edição 308
Era Edo (Parte 4) - Os grandes impérios do
Ocidente invadem o Oriente
Arquivo Nippo - Edição 306
Era Edo (Parte 3) - Fome, revoltas e novas políticas
Arquivo Nippo - Edição 304
Era Edo (Parte 2) - Proibição do cristianismo e fechamento dos portos
Arquivo Nippo - Edição 302
Era Edo (Parte 1) - O início do isolamento japonês
Arquivo Nippo - Edição 300
Era Azuchi-Momoyama (Parte 4) - As mulheres que viveram na era das guerras
Arquivo Nippo - Edição 298
Era Azuchi-Momoyama (Parte 3) - Batalha de Sekigahara
Arquivo Nippo - Edição 296
Era Azuchi-Momoyama (Parte 2) - Nanban Bôeki
Arquivo Nippo - Edição 294
Era Azuchi-Momoyama (Parte 1) - O início da unificação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios
Arquivo Nippo - Edição 268
Era Nara - Parte 2
O despontar das literaturas
Arquivo Nippo - Edição 266
Era Nara - Parte 1


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados