Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 20 de outubro de 2021 - 3h07
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 314 - 22 a 28 de junho de 2005
 
• Era Edo – parte 7
Os revolucionários e a queda do xogunato Tokugawa
Ao perceber as falhas de seu governo, Tokugawa devolveu o poder à corte imperial


TRANSIÇÃO - Sakamoto Ryôma elaborou os ideais do novo governo imperialista

Arquivo Jornal NippoBrasil

Por volta de 1850, os EUA e os países da Europa que tinham passado pelo processo da Revolução Industrial viam nos países da Ásia uma oportunidade de expandir seu mercado. Assim, tentaram forçar a abertura dos portos em um momento que coincidiu com o deterioramento do poder do xogunato Tokugawa, que vinha perdurando por mais de 260 anos. Pressionado pelos imperialistas, que aspiravam um novo sistema liderado pelo imperador, o xogunato também enfrentava os camponeses insatisfeitos, que provocavam motins em várias regiões, desencadeando uma onda de revoltas por todo o país.

No início, o motivo da indignação foi o preço do arroz, mas o movimento foi crescendo e, no fim, o povo desejava a renovação do arquipélago. Muitos jovens que souberam da situação do país vizinho, a China, totalmente dominado por europeus e americanos, protestaram para que o Japão não tomasse o mesmo rumo. Em sua maioria, eram jovens oriundos da classe baixa dos samurais, filhos de camponeses e comerciantes. Os primeiros passos para a construção de um novo país foram dados por esses jovens, que, inclusive, impediram a colonização do país pelas nações do Ocidente.

Sakamoto Ryôma (1835~1867)

Nascido em Tosa (atual província de Kôchi), Sakamoto era o segundo filho de um samurai “reformado” (gôshi) que vivia no campo. Durante a infância, não foi um aluno muito aplicado, mas, ao presenciar a falta de disciplina do xogunato Tokugawa diante da chegada da esquadra americana comandada pelo almirante Perry, Sakamoto passou a se dedicar aos estudos, pensando no futuro do país.

Em 1862, Sakamoto desertou do feudo de Tosa e tornou-se discípulo de Katsu Kaishu (1823~1899), um homem de grande visão, e dedicou-se à fundação do quartel da Marinha. Com o apoio do feudo de Satsuma (atual província de Kagoshima), ele organizou o regimento da Marinha (kaihei-tai) e também dedicou-se ao transporte marítimo.

Graças aos esforços de Sakamoto, os feudos de Satsuma e de Chôshu tornaram-se aliados na luta para derrubar o xogunato Tokugawa. Ele ainda elaborou o seu ideal de novo governo, conhecido pelo nome de senchu hassaku, que era: 1) a devolução do poder ao imperador; 2) o governo da corte imperial ouvindo a maioria e instalando um parlamento; 3) a admissão em larga escala de pessoas capacitadas; 4) a condução da política externa ouvindo a maioria; 5) a criação de uma constituição; 6) a ampliação do poder da marinha; 7) a formação de uma força armada do governo; 8) o estabelecimento de um câmbio com a moeda estrangeira.

Sakamoto mostrou o senchu hassaku a Gotô Shôjirô (1838~1897), do feudo de Kôchi, que, por sua vez, convenceu Yamauchi Toyoshige (1827~1872), do mesmo feudo, a levar as premissas do novo governo ao conhecimento do décimo quinto e último xogum, Tokugawa Yoshinobu. Ao perceber a falha de sua administração, Tokugawa assinou o tratado que devolvia o poder à corte imperial.

Sakamoto Ryôma sofreu vários atentados e foi assassinado aos 33 anos, durante um encontro sigiloso com Nakaoka Shintarô, outro revolucionário, dez meses antes da Restauração Meiji.

Shinsengumi

O povo japonês sempre demonstrou mais simpatia pelos perdedores. Um desses exemplos, símbolo de grande simpatia, é o Shinsengumi, um grupo de jovens que dedicaram fidelidade ao xogunato Tokugawa até o último momento. Embora todas as dramatizações sobre a história do Shinsengumi no teatro, no cinema e em telenovelas conquistem grande audiência, mesmo nos tempos atuais, sua trajetória não consta nos livros didáticos de história do Japão.

Inicialmente formado por Kiyokawa Hachirô (1830~1863), o grupo chamava-se Rôshigumi e tinha como objetivo controlar os samurais desocupados que viviam na cidade de Edo (atual Tóquio), em fins de 1862. Porém, quando o grupo de jovens chegou a Quioto para os preparativos da viagem do xogum a esta cidade, Kiyokawa declarou que o verdadeiro objetivo do grupo era apoiar os imperialistas. O xogunato ordenou a volta do grupo para Edo, mas alguns de seus membros eram contrários à conduta de Kiyokawa e permaneceram em Quioto, formando, assim, o Shinsengumi, liderado por Kondô Isami (1834~1868), filho de camponeses.

O grupo, então, passou a pertencer ao feudo de Aizu, com a intermediação do governador de Quioto, Matsudaira Katamori (1835~1893), e consolidou-se pela postura antiimperialista de seus componentes. Em nome da paz, o Shinsengumi assassinou muitas pessoas em Quioto e dedicou fidelidade a Matsudaira Katamori, que foi contra a devolução do poder à corte imperial.

Em 1864, o grupo conseguiu vencer a tropa do feudo de Chôshu, mas foi derrotado na batalha de Toba e Fushimi, em 1868. Os sobreviventes foram presos e decapitados. A batalha ainda se alastrou por um ano e meio entre os partidários do xogunato Tokugawa e o novo goveno, conhecido como boshin sensô.

Após a Restauração Meiji, Matsudaira Katamori tornou-se sacerdote-mor do Templo Nikko Toshogu, jazigo de Tokugawa Ieyasu. O último xogun, Tokugawa Yoshinobu, retirou-se para Mito (província de Ibaraki), após deixar o castelo de Edo, recebendo, posteriormente, o título de duque.

Muitos dos jovens imperialistas que foram contemplados com algum título após a Restauração Meiji eram de origem humilde, em sua maioria dos feudos de Satsuma, Chôshu e Tosa.

 
História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 314
Era Edo (Parte 7) - Os revolucionários e a queda do xogunato Tokugawa
Arquivo Nippo - Edição 312
Era Edo (Parte 6) - Popularizacao de algumas formas de arte
Arquivo Nippo - Edição 310
Era Edo (Parte 5) - As três fases culturais
Arquivo Nippo - Edição 308
Era Edo (Parte 4) - Os grandes impérios do
Ocidente invadem o Oriente
Arquivo Nippo - Edição 306
Era Edo (Parte 3) - Fome, revoltas e novas políticas
Arquivo Nippo - Edição 304
Era Edo (Parte 2) - Proibição do cristianismo e fechamento dos portos
Arquivo Nippo - Edição 302
Era Edo (Parte 1) - O início do isolamento japonês
Arquivo Nippo - Edição 300
Era Azuchi-Momoyama (Parte 4) - As mulheres que viveram na era das guerras
Arquivo Nippo - Edição 298
Era Azuchi-Momoyama (Parte 3) - Batalha de Sekigahara
Arquivo Nippo - Edição 296
Era Azuchi-Momoyama (Parte 2) - Nanban Bôeki
Arquivo Nippo - Edição 294
Era Azuchi-Momoyama (Parte 1) - O início da unificação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios
Arquivo Nippo - Edição 268
Era Nara - Parte 2
O despontar das literaturas
Arquivo Nippo - Edição 266
Era Nara - Parte 1


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados