Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 25 de julho de 2017 - 13h34
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 287 - 8 a 14 de dezembro de 2004
Soba
Macarrão de alto teor nutritivo e muito popular no Japão
deu origem a tradições que persistem até os dias de hoje

SOBA - trigo-sarraceno dá coloração escura à massa
 

(Fotos: Fernando Takahashi | Ricardo Hara/RH Fotografias)


SOBAKIRI - Sua origem é
controversa e contestada até hoje

O soba (trigo-sarraceno ou mouro) chegou ao Japão juntamente com o Budismo. Com o intuito de ampliar esta religião, muitos templos foram construídos em várias regiões do país. Como conseqüência, a alimentação dos religiosos também se tornou popular, propiciando o surgimento de diversos pratos à base de soba. Os antigos japoneses usavam o soba debulhado para fazer uma espécie de ojiya (sopa grossa), comendo-o ora misturado a outros cereais, ora sovando-o com água quente (sobagaki), ou como moti (sobamochi), obtido depois de sovar a massa até que esta ficasse com a consistência de moti. Todos estes pratos acabaram caindo no esquecimento e hoje, basicamente, come-se o soba em forma de macarrão, conhecido como sobakiri (literalmente soba cortado), ou simplesmente soba, que surgiu somente na Era Edo (1600 –1867).

O macarrão é feito com soba e farinha de trigo e, sovado com água, resulta em uma massa escura, cortada depois em fios. Precisar a data do nascimento do sobakiri é impossível, mas o mais antigo registro desta palavra data de 1614, constando no diário do monge Jisho do Templo Oomitaga (atual província de Shiga). O monge relata que foi servida uma iguaria denominada sobakiri durante uma refeição no Templo Joumyou em Edo (atual Tóquio). Atualmente, este registro é contestado por alguns pesquisadores que descobriram, através de um documento encontrado no Templo Joushou, província de Nagano, que, em 1574, fora ofertado o sobakiri em comemoração à reconstrução do templo.

O soba servido quente, com caldo à base de missô, na Era Edo era conhecido como mushisoba (soba cozido ao vapor). Este prato foi apreciado até o final do século XVII, mais precisamente até o fim do período Genroku (1688–1704). É sabido que, até então, usava-se somente o trigo-sarraceno para fazer a massa, conhecida como kisoba, que desmanchava na água durante o cozimento. Por este motivo, passou-se a usar a farinha de trigo como liga para a massa. O soba e a farinha eram misturados na proporção de 8 para 2, dando origem ao nihachisoba (ni = 2 e hachi = 8). Este, mais resistente, poderia ser cozido sem problemas, popularizando-se tanto que, no fim da Era Edo (1860), a cidade de Edo contava com mais de 3.763 casas que serviam soba. Neste número, não estão inclusas as barracas que serviam soba durante a noite. Tamanha popularidade deu origem a algumas tradições que persistem até hoje, como o ômisokasoba (ômisoka = véspera de ano-novo) ou toshikoshisoba (toshikoshi = passagem de ano) e ao hikkoshisoba (hikkoshi = mudança).

 

Você sabia?


O soba possui um teor nutritivo superior ao do arroz e ao do próprio trigo, pois não sofre o processo de purificação. Rico em proteína, aminoácidos, vitamina B1 e B2, ele contém também um nutriente conhecido como rutina, que promove o fortalecimento das veias capilares, evitando a ocorrência de hemorragias internas, além de combater a pressão alta e diminuir a taxa de açúcar no sangue, ativando as funções do pâncreas.

Os maiores produtores de trigo soba no Japão são as províncias de Hokkaido, Nagano e Fukushima. Porém, o Japão importa grande parte do soba consumido internamente, principalmente da China, Estados Unidos e Canadá.

Atualmente, as formas mais comuns de se apreciar o macarrão de soba são:

Zarusoba – é um prato servido frio, num recipiente de bambu (zaru). É consumido juntamente com um molho à base de shoyu, dashi (caldo básico) e saquê.
Tempura soba – é uma variação do tempura udon
Kitsune soba – é uma variação do kitsune udon


VARIAÇÃO - Zarusoba é servido frio em recipiente de bambu


Toshikoshi e hikkoshisoba

Come-se o toshikoshisoba na passagem do ano, existindo duas versões principais para explicar sua origem. Uma delas relata que um ourives usava a massa do soba para recolher o ouro em pó que se espalhava durante o seu trabalho. Daí a crença de que o soba atrairia o ouro (riqueza). A outra versão faz referência à grande elasticidade e ao comprimento do macarrão de soba, que remeteria ao desejo de longa vida, felicidade contínua e crescimento.

O hikkoshisoba é distribuído entre os novos vizinhos no momento da mudança. Serve como uma espécie de saudação, “mudamos para perto de você”, pois a palavra soba, em japonês, também pode significar “perto, próximo”.

 
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

135 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases