Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 24 de junho de 2018 - 17h39
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


 
Yakiimo
Macias e doces, apesar de não chamarem atenção hoje, as batatas assadas ainda são apreciadas e consideradas um oyatsu tradicional dos japoneses

(Fotos: Divulgação)

Yakiimo (yaki = assada e imo = batata) é a batata-doce assada, vendida no Japão principalmente no outono e no inverno, em parques e conjuntos habitacionais, isto é, locais com grande concentração de pessoas. Normalmente, ela é vendida em caminhonetes especiais, com todo o equipamento acoplado (forno, pedras, etc.), que circulam ao som de uma gravação cantarolada peculiar, que anuncia: “yakiimo... ishiyakiimo” (Olha a batata assada... batata assada na pedra). Embora atualmente tenha se tornado uma prática rara, antigamente, em muitas casas, quando se juntavam e queimavam as folhas caídas das árvores, colocavam-se batatas-doces para assar sob as cinzas, para depois comê-las quentinhas. Muito macias e doces, apesar de não chamarem muito a atenção nos dias de hoje, as batatas assadas ainda são muito apreciadas e consideradas um oyatsu (lanche) tradicional dos japoneses. No inverno, elas são vendidas até nas lojas de conveniência do Japão.

Introdução da batata-doce no Japão

Originária das Américas do Sul e Central, a batata-doce, matéria-prima da yakiimo e conhecida no Japão como satsumaimo, foi introduzida na Europa no século XV, depois da descoberta do continente americano. O navegador e descobridor da América, Cristóvão Colombo, levou batatas-doces à Espanha, para presentear a rainha Isabel de Castela e, assim, os tubérculos chegaram ao Marrocos e às Filipinas, colônias da Espanha na época. A batata-doce introduzida no Sudeste Asiático chegou então à China e, em 1597, às ilhas do reino de Ryukyu (atual Okinawa). Em 1609, Iehisa Shimazu, líder do clã de Satsuma (atual Kagoshima, região de Kyushu, sul do Japão), invadiu Ryukyu, subjugando o reino até então independente. Assim, o clã de Satsuma retornou às suas terras, levando a batata-doce de Ryukyu, que passou a ser cultivada na região de Kyushu. Depois disso, a batata-doce foi gradualmente se propagando para o norte, ficando conhecida como um alimento de emergência contra a fome, por ser nutritiva e de fácil cultivo no campo. Ao chegar a Nagasaki, chamou a atenção dos sábios versados em estudos holandeses (rangakusha), que publicaram livros sobre o seu cultivo. No xogunato de Tokugawa, também foi publicado um livro sobre a batata-doce que inspirou o magistrado de Iwami (atual província de Tottori), Masaaki Ido, a promover o cultivo do tubérculo, salvando milhares de pessoas da fome. Ao saber do trabalho de Ido, Yoshimune Tokugawa incentivou o cultivo da batata-doce em todo o país. Assim, por ordem do xogunato, o rangakusha Kon’you Aoki estudou e cultivou a batata-doce da região de Satsuma – daí o nome satsumaimo (batata de Satsuma) – que passou a ser produzida nacionalmente.

Comércio de yakiimo


COMÉRCIO - Yakiimo também
é bem vendida no Brasil

A batata-doce assada, yakiimo, surgiu em meados da Era Edo em Quioto e, em Edo (atual Tóquio), somente no final da era. Naquela época, a maioria dos agricultores cultivava a batata-doce, havendo muita reserva. Os vendedores de batata assada adquiriam essa reserva diretamente dos produtores, para então vender o produto final. A yakiimo tornou-se tão popular e bem-aceita em Edo, que logo faltou matéria-prima para a sua comercialização. Por isso, plantações para yakiimo começaram a aumentar próximo a Edo, especialmente em Chiba e Kawakoshi.

Mesmo depois da mudança de Edo para Tóquio, com a Restauração Meiji, o comércio de yakiimo prosperava. A batata assada era um dos lanches favoritos em Tóquio. Na época, a yakiimo era vendida em pontos fixos, assada em fornos de barro, e também por ambulantes, no estilo atual. Depois do grande terremoto de Kanto, em 1923, as casas fixas de yakiimo foram diminuindo. A batata-doce, que salvou muitas pessoas da fome no Japão feudal, desempenhou o mesmo papel durante a 2ª Guerra Mundial, mas, com a gradual estabilização do país e a mudança de hábitos alimentares, a produção de batata-doce caiu acentuadamente. Por conseqüência, o comércio de yakiimo sofreu uma queda significativa.

 

Você sabia?


Atualmente, no Japão, é costume assar e comer a batata-doce inteira, em seu formato original, mas, antigamente, costumava-se cortá-la em pedaços grandes, assando-os em chapa de ferro e salpicando sal e gergelim.


PREPARO - Assada lentamente, a batata torna-se mais doce ao paladar

• Apesar de aparentemente calórica, 100 g de batata-doce fornecem cerca de 115 kcal, apenas 1/3 das calorias encontradas em 100 g de arroz cru. Além disso, o seu consumo traz inúmeros benefícios à saúde, por ser rica nos seguintes nutrientes:

Fibras alimentares – Ajudam no combate ao colesterol e no bom funcionamento do intestino, prevenindo a prisão de ventre e o câncer do intestino grosso

Vitamina C, vitamina E, potássio, betacaroteno e ferro – Uma batata doce grande fornece a quantidade diária necessária de vitamina C e betacaroteno e mais que o dobro das necessidades de vitamina E, fornecendo ainda metade da quantidade de potássio recomendada para um adulto e 25% das necessidades diárias de ferro.

• Quanto mais lentamente a batata-doce for assada, mais ativa-se a amilase (um tipo de enzima) contida nela, tornando-a mais doce ao paladar. É exatamente essa característica que os vendedores de yakiimo procuram aproveitar.

• Modo de fazer yakiimo em casa: Em uma chaleira velha, coloque pequenas pedras e sobreponha as batatas inteiras, assando-as em fogo baixo por aproximadamente 40 minutos, ou até que estejam macias por dentro.


SAUDÁVEL - Alimento tem propriedades nutritivas e fibras


Arquivo NippoBrasil - Edição 315 - 29 de junho a 5 de julho de 2005
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 353
Hambaagu
Arquivo Nippo - Edição 351
Omuraisu
Arquivo Nippo - Edição 315
Yakiimo
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 249
O famoso Sushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

177 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases