Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 16 de outubro de 2019 - 0h40
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 293 - 26 de janeiro a 1 de fevereiro de 2005
 
Osechi ryori
No passado, o osechi ryori era o conjunto de iguarias
servidas em celebrações sazonais

(Fotos: Aliança Cultural Brasil-Japão | Arquivo NB)

Osechi ryori é a designação dos pratos do ano-novo (oshogatsu) servidos em um conjunto de caixas de laca sobrepostas (jubako) que variam de três a cinco, contendo pratos para acompanhar bebidas, pratos de entrada, grelhados, frutos do mar e cozidos à base de legumes. Foi na Era Edo que o osechi ryori adquiriu a forma como é conhecido hoje, sendo uma tradição de pouco mais de 200 anos. Entretanto, a celebração do ano-novo acompanhada de oferendas de alimentos é antiga e remonta à Era Yayoi, séculos III a II a.C., quando se intensificou o cultivo do arroz no Japão.

A origem do osechi ryori

Os agradecimentos pelas colheitas obtidas em cada estação, manifestados por meio das celebrações, marcavam o cotidiano das comunidades antigas. As celebrações sazonais, originárias da China, tinham como núcleo a corte e visavam ao afastamento das doenças e dos maus espíritos, com pedidos pela felicidade e longevidade, por uma colheita abundante, prosperidade e pela multiplicação dos descendentes.

As cinco datas principais do calendário lunar – 7 de janeiro, 3 de março, 5 de maio, 7 de julho e 9 de setembro – eram as escolhidas para as celebrações, que aos poucos foram assimiladas pelas camadas populares.

O osechi ryori era o conjunto de iguarias servidas nestas ocasiões, mas que, com o tempo, passou a designar somente os pratos servidos no ano-novo. Osechi também pode ter derivado de osechiku, que, na Era Heian, designava os banquetes servidos na corte em datas importantes.

Características do osechi

Uma das características dos itens que compõem o osechi ryori é o seu preparo antecipado e sua boa conservação. O principal intuito dos rituais do ano-novo era receber as divindades e, por esta razão, não seria conveniente realizar serviços domésticos durante o período, dando descanso às mulheres. Assim, cozinhava-se uma quantidade suficiente para os três primeiros dias do ano, escolhendo alimentos de melhor conservação.

Os ingredientes são escolhidos pela beleza de suas cores e por serem considerados símbolos de bom agouro, envolvendo um interessante jogo de palavras (goroawase). Como iguarias, procura-se selecionar elementos do mar e da montanha.

 

Você sabia?


Iguarias que compõem o osechi ryori

As iguarias que compõem o osechi ryori variam de acordo com a região e a tradição de cada família, mas as três principais na região de Kanto (Tóquio e arredores) são o kuromame (feijão preto de soja), o kazunoko (ovas de arenque) e o tazukuri ou gomame (um tipo de sardinha desidratada). Na região de Kansai (Quioto e Osaka), temos também o kuromame e o kazunoko, mas o terceiro alimento principal é o tatakigobo (bardana cozida). A seguir, alguns dos itens mais comuns e seu significado:

1• Kuromame (feijão preto de soja) – Consumido para garantir a saúde. A palavra mame (grão) tem o mesmo som da palavra “diligência” e “dedicação”.

2 • Kazunoko (ovas de arenque) – Garantiria a reprodução da família e a linhagem.

3 • Tazukuri ou Gomame (sardinha desidratada) – Para garantir uma colheita abundante. Seu nome deriva de um adubo valioso feito à base de sardinha.

4 • Konbumaki (tipo de alga) – Relaciona-se o nome da alga ao termo yorokobu (alegrar-se).

5* • Kachiguri (castanha descascada e seca) – Associa-se o nome da castanha ao termo katsu (vencer, sair vitorioso).

6 • Tai (pargo) – Este peixe é sempre associado ao termo omedetai (feliz, venturoso) e liga-se ao culto das sete divindades da sorte iniciado na Era Edo. O deus Ebisu aparece segurando um pargo.

7 • Daidai (um tipo de laranja) – O nome da fruta lembra a expressão “de geração em geração”, ligada à multiplicação da linhagem.

8* • Nishikitamago (prato à base de ovo) – As duas cores (nishoku) do ovo assemelham-se à palavra nishiki: “esplendor, glória e riqueza”.

9* • Kimpiragobo (prato à base de bardana) – Este prato surgiu na Era Edo, derivando do nome de uma peça do teatro joruri (recital com acompanhamento do shamisen). Simboliza força e saúde.

10 • Satoimo (inhame) – Por ser uma batata que se multiplica em abundância, seu significado liga-se aos filhos, considerados tesouros.

11* • Kohaku namasu (salada de peixe, nabo e cenoura) – Suas formas lembrariam as fitas usadas para enfeitar envelopes contendo dinheiro presenteados em ocasiões especiais.

12 • Kohaku kamaboko (massa de peixe) – Elemento indispensável pelas suas cores, vermelho e branco, consideradas de bom agouro.

13 • Kurikinton (prato feito com castanha e batata-doce) – Seu nome significa “bolinhas de ouro”, remetendo à fortuna.

14 • Datemaki (espécie de omelete) – Sua cor remete ao luxo, à pompa e ao brilho.

* itens sem ilustração
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 353
Hambaagu
Arquivo Nippo - Edição 351
Omuraisu
Arquivo Nippo - Edição 315
Yakiimo
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 293
Osechi ryori
Arquivo Nippo - Edição 291
Ozouni
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 249
O famoso Sushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

222 usuários online