Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 16 de outubro de 2019 - 0h38
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Curry (Karê no Japão)
Nutricionalmente completo e de fácil preparo, o karê ajuda a suprir as necessidades diárias e, desde 1982, integra o cardápio escolar do arquipélago

INFLUÊNCIA - Prato originalmente indiano foi incorporado à culinária tradicional japonesa
 

(Fotos: Divulgação)

Karê no Japão

Karê é a pronúncia japonesa de curry, um alimento de origem indiana que, depois de introduzido, adaptado e difundido no Japão, tornou-se um dos pratos mais apreciados no país com o passar do tempo. Ele consiste de um ensopado encorpado de carnes e legumes, como cebola, cenoura, batata e outros, temperado com curry e servido com arroz branco.

O primeiro contato dos japoneses com o karê ocorreu em 1863, durante a Era Edo (sécs. XVII a XIX). Uma comissão de 34 governadores japoneses foi enviada à França para solucionar problemas diplomáticos entre os dois países. Dentro do navio, a comitiva viu alguns indianos comendo algo parecido com o karê. No diário do japonês Shusei Miyake, consta a seguinte anotação: “(...) sobre o arroz, os indianos colocavam uma mistura grossa e picante, com batatas, misturando e comendo tudo com as mãos”.

Na época em que a Índia foi colônia da Inglaterra, o curry foi assimilado e adaptado pelos ingleses como uma espécie de cozido (stew). Esse prato, reinventado pelos britânicos, foi então transmitido ao Japão por meio de comerciantes, após a abertura do comércio exterior pelo governo japonês na Era Meiji (sécs. XIX e XX).


MODERNIDADE - Instant curry dá mais rapidez ao preparo dos pratos

Popularização

Em 1872, o consumo da carne – proibido por muito tempo – foi liberado. Assim, pratos com esse ingrediente representavam um avanço da civilização. Em 1877, o restaurante Fuugetsudou, especializado em youshoku (literalmente, comida ocidental), começou a oferecer o karê raisu, um prato considerado de elite na época, pois chegava a custar oito vezes mais que o soba (macarrão de trigo sarraceno).

Até aproximadamente 1890, o karê era feito no Japão apenas com cebolinha verde, pois a cebola e a batata eram alimentos raros na região. As carnes usadas eram apenas a bovina e a de frango. A popularização do karê raisu ocorreu em 1900, nos restaurantes de youshoku, agregando também ingredientes como cebola e leite e empregando até utensílios de cozinha europeus.

Por se tratar de um prato completo – com arroz (alimento básico da dieta japonesa), carnes, legumes, além de fácil preparo – a difusão do karê foi rápida. Durante a guerra contra a China (Nisshin-sensou, 1894~1895) e contra a Rússia (Nichiro-sensou, 1904~1905), enlatados de carne bovina eram enviados para os locais da guerra, encarecendo o produto no Japão. Nesse período, o karê raisu com carne de porco tornou-se popular. Além disso, por seu valor nutritivo, o pó de curry enlatado também foi enviado aos soldados durante a guerra. O pó de curry da marca C&B, produzido na Inglaterra, ainda era o favorito dos chefes de cozinha de youshoku.

O racionamento de provisões ocasionado pela Segunda Guerra Mundial, em 1941, a produção de curry foi proibida.

A indústria de karê reiniciou suas atividades em 1946, depois do término da Segunda Guerra. Em 1949, a HOUSE Shokuhin, a mais conhecida empresa de karê, iniciou a produção do instant curry (karê instantâneo em tablete, pronto para ser utilizado). A proliferação de TVs e a veiculação de comerciais por todo o arquipélago durante a década de 50 provocaram o karê boom. Em 1969, foi lançado o retort-curry (karê pronto para ser consumido), atendendo às necessidades de um cotidiano cada vez mais atribulado. No dia 22 de janeiro de 1982, o karê raisu foi escolhido para entrar no primeiro cardápio unificado para a merenda escolar de todo o país, demonstrando ser um dos pratos prediletos das crianças.

 

Você sabia?


• No Japão, há inúmeras variações de karê. A maior rede japonesa de restaurantes de karê, CoCo Ichiban-ya, por exemplo, oferece opções como tonkatsu karê (karê com carne de porco à milanesa), hambaagu karê (com hambúrguer), ebi fry karê (com camarão empanado), etc. O karê pan (pão frito com recheio de karê) e o karê udon (macarrão udon com caldo de karê) também são muito apreciados pelos japoneses.

• Originalmente picante, no Japão, o sabor do karê pode ser classificado em três níveis: karakuchi (picante), chuukara (meio picante) e amakuchi (suave), este último preferencialmente para crianças.

• Normalmente, serve-se o karê raisu acompanhado de conservas como fukujinzuke (picles de cor vermelha) ou rakkyo (cebolinha curtida).

• O curry em pó utilizado para preparar o karê é uma mistura de várias especiarias, com significativas propriedades medicinais. Dentre elas, segundo um estudo desenvolvido pela Universidade da Califórnia, a cúrcuma, pigmento amarelo presente no curry, possui propriedades capazes de prevenir o mal de Alzheimer, doença degenerativa que provoca sérios prejuízos à memória.


BENEFÍCIOS - Especiarias fazem bem à saúde


Arquivo NippoBrasil - Edição 307 - 4 a 10 de maio de 2005
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 353
Hambaagu
Arquivo Nippo - Edição 351
Omuraisu
Arquivo Nippo - Edição 315
Yakiimo
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 293
Osechi ryori
Arquivo Nippo - Edição 291
Ozouni
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 249
O famoso Sushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

221 usuários online