Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 18 de setembro de 2021 - 20h46
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 310 - 25 a 31 de maio de 2005
 
• Era Edo – parte 5
As três fases culturais
Período histórico inspirou o surgimento de grandes expoentes
de várias áreas da cultura japonesa


UKIYOYE - Pintura retrata a vida do povo da época

Arquivo Jornal NippoBrasil

A Era Edo teve três fases distintas, sob o ponto de vista cultural. A primeira delas, denominada Cultura Keichô-Kan’ei, abrangeu a primeira metade do século XVII; a segunda fase, chamada de Cultura Genroku, foi de meados do século XVII até o início do século XVIII; a terceira fase, denominada Cultura Kasei, começou em fins do século XVIII e terminou no início do século XIX.

A Cultura Keichô-Kan’ei é representada por obras suntuosas e luxuosas, como segmento da Era Azuchi-Momoyama, observando-se também a influência da cultura ocidental. A cultura dessa fase foi sustentada por samurais e nobres.

Como obra representativa dessa época, há o Templo Toshogu, construído em homenagem a Tokugawa Ieyasu, na província de Tochigi, cidade de Nikko. Ao falecer, Ieyasu foi enterrado primeiro no Monte Kunôzan, na província de Shizuoka, em 1616, porém, no ano seguinte, sob conselho do monge Tenkai (1536~1643), seu filho e segundo xogum, Hidetada, transferiu o corpo de Ieyasu para Nikko. O templo foi reformado e ampliado pelo terceiro xogum, Iemitsu, entre 1634 e 1636. Fazendo contraste com o suntuoso Templo Toshogu, encontra-se em Quioto a vila imperial Katsura-Rikyu, construída entre 1620 e 1624, despojada de luxo, porém denotando refinamento ímpar.

A Cultura Genroku floresceu, principalmente, em Osaka, sustentada por grandes comerciantes e samurais. Nas obras desse período, observam-se a ideologia pragmática e realista. Os artistas representativos dessa época são: no campo da pintura, Ogata Kôrin (1658~1716) e Hishikawa Moronobu (1618~1694), conhecido como criador das xilogravuras ukiyoye; e, no campo da literatura, Matsuo Basho (1644~1694), que sublimou o haicai; Ihara Saikaku (1642~1693), que descreveu a vida do povo com vivacidade; e Chikamatsu Monzaemon (1653~1724), que compôs peças para Jôruri e para teatro Kabuki.

A Cultura Kasei, última da Era Edo, foi criada por samurais e pelo povo de Edo, que adquiriu estabilidade econômica e política. Nas obras dessa época, transparecem o gosto pelo prazer mundano, refletindo a política degenerada e corrupta. Destacaram-se nessa época muitos pintores de ukiyoye, tais como: Utamaro (1753~1806) e Sharaku (?~fins do século XVIII) – que pintaram muitos artistas do teatro Kabuki e mulheres consideradas bonitas na época –, Hokusai (1760~1849) e Hiroshige (1797~1858), que pintaram paisagens. Na literatura, tivemos Jippen Shaikku (1765~1831), autor da comédia Tôkaidô Hizakurige, o romancista Takizawa Bakin, e os poetas de haicai Yosa Buson (1716~1783) e Kobayashi Issa (1763~1827).


Ukiyoye

Um dos fatores que impulsionou o surgimento da japonologia – estudos sobre a cultura japonesa –, na Europa, durante o século XIX, foi a descoberta do ukiyoye pelos europeus. A influência do ukiyoye é observada, por exemplo, nas obras do pintor Vincent van Gogh (1853~1890).

Ukiyoye é a denominação da pintura que retrata a vida do povo da época. Eram quadros pintados com o próprio punho, bastante caros, adquiridos apenas por senhores feudais ou grandes comerciantes. Com o desenvolvimento de técnica de xilogravuras, o ukiyoye popularizou-se. No início, era empregado como ilustração de romances populares e eram figuras monocromáticas, que se tornaram coloridas com o tempo. O ukiyoye era idealizado primeiro pelo editor; depois, o pintor desenhava conforme o pedido; a seguir, ele era esculpido nas pranchas de madeira, conforme as cores; e, por último, passado para o impressor, que tirava as cópias. À medida que aumentava o número de publicações e a técnica de impressão também avançava, o ukiyoye tornava-se acessível ao povo também, que o adquiria para apreciá-lo, ou para levá-lo como lembrança de viagem.

Sharaku, que criou um estilo próprio de homens caricaturados, conseguindo transmitir os sentimentos humanos, não foi muito apreciado na época. Suas obras passaram a ser valorizadas apenas na Era Meiji, quando Ernest Francisco Fenollosa (1853~1908), que apresentou as obras de arte japonesa nos Estados Unidos, reconheceu o seu valor artístico.


Literatura – yomihon

Os romances lidos pelo povo na Era Edo eram conhecidos pelo nome de yomihon e existiam em diversos gêneros, para todos os gostos: kana-zôshi escrito em hiragana (fonogramas); ukiyo-zôshi, sobre amores e vida do povo; share-bon, que retrata a vida dos prostíbulos; kokkei-bon, romance que aborda o lado cômico do povo; ninjô-bon, histórias de amor; kusa-zôshi, contos ilustrados para o público infantil e o feminino; e kibyôshi, romance ilustrado para adultos. Todos esses livros eram muito lidos pelo povo, mas, nessa época, em vez de comprá-los, o povo alugava-os nas livrarias de aluguel.

O xogunato interferia até mesmo nos conteúdos desses romances, proibindo a publicação daqueles que poderiam atentar contra os bons costumes da época, ou aqueles que continham teor de crítica ao sistema vigente, punindo os editores e autores que, no início, eram samurais de baixo escalão, pois ainda não conseguiam sobreviver somente como escritores.

Kokugaku (Estudos Clássicos Japoneses) e Yôgaku (Estudos das Ciências Ocidentais)

Após o oitavo xogum, Yoshimune, ter liberado a importação das literaturas ocidentais traduzidas para o chinês, o número daqueles que estudavam as ciências do Ocidente aumentou.

O médico alemão Siebold (1796~1866), que chegou ao Japão no ano de 1823, para trabalhar como médico da Casa Comercial Holandesa (Horanda-Shôkan), fundou, na periferia da cidade de Nagasaki, no ano seguinte à sua chegada, a escola Narutaki-juku, formando vários estudiosos de Yôgaku.

Nessa época, surgiu também um movimento para pesquisar os pensamentos do povo japonês, remetendo aos tempos primordiais, que antecederam a introdução do budismo e do confucionismo. Esse movimento recebeu o nome de Kokugaku. Entre os estudiosos de Kokugaku, destacaram-se Kamo-no-Mabuchi (1697~1769) e Motoori Norinaga (1730~1801). O Kokugaku difundiu-se mesmo entre os camponeses e o povo, encontrando seu seguidor na figura de Hirata Atsutane (1776~1843), que remeteu a sua linha de pensamento até o xintoísmo – filosofia essa que foi adotada pelos imperialistas em fins de xogunato Tokugawa.

 
História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 310
Era Edo (Parte 5) - As três fases culturais
Arquivo Nippo - Edição 308
Era Edo (Parte 4) - Os grandes impérios do
Ocidente invadem o Oriente
Arquivo Nippo - Edição 306
Era Edo (Parte 3) - Fome, revoltas e novas políticas
Arquivo Nippo - Edição 304
Era Edo (Parte 2) - Proibição do cristianismo e fechamento dos portos
Arquivo Nippo - Edição 302
Era Edo (Parte 1) - O início do isolamento japonês
Arquivo Nippo - Edição 300
Era Azuchi-Momoyama (Parte 4) - As mulheres que viveram na era das guerras
Arquivo Nippo - Edição 298
Era Azuchi-Momoyama (Parte 3) - Batalha de Sekigahara
Arquivo Nippo - Edição 296
Era Azuchi-Momoyama (Parte 2) - Nanban Bôeki
Arquivo Nippo - Edição 294
Era Azuchi-Momoyama (Parte 1) - O início da unificação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios
Arquivo Nippo - Edição 268
Era Nara - Parte 2
O despontar das literaturas
Arquivo Nippo - Edição 266
Era Nara - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 264
Príncipe Shôtoku
Arquivo Nippo - Edição 262
Era Asuka
Arquivo Nippo - Edição 260
Era Kofun - Tumbas: símbolos de poder
Arquivo Nippo - Edição 258
Rainha Himiko
A lendária rainha de Yamatai
Arquivo Nippo - Edição 256
Era Yayoi - Desenvolvimento japonês
Arquivo Nippo - Edição 254
A criação do mundo segundo a mitologia japonesa
Arquivo Nippo - Edição 252
O Alvorecer do Japão
Arquivo Nippo - Edição 250
Cronologia: As eras no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados