Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de outubro de 2020 - 23h08
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 290 - 29 de dezembro de 2004 a 12 de janeiro de 2005
 
• Era Muromachi (parte 3)
Cultura Kitayama e Higashiyama
Arte japonesa tradicional foi sedimentada nessa fase da história do Japão; manifestações foram levadas a várias regiões por nobres e monges
 

ARTE - Teatro Nô é o mais antigo do mundo e é um misto de dança, drama e musical

Arquivo NippoBrasil

A consolidação e a elevação da qualidade da arte em muitas de suas formas ocorreu na Era Muromachi. Manifestações culturais praticadas por nobres, samurais e pelo povo de uma forma geral sobreviveram ao longo do tempo e podem ser apreciadas até hoje. A cultura japonesa dita tradicional – cerimônia do chá (cha-no-yu), arranjo de flores (ikebana), pintura a nanquim (suiboku-ga ou sumiê), teatro Nô, etc. – sedimentou suas bases nessa fase da história do Japão.
O suntuoso edifício dourado Kinkaku (pavilhão de ouro), construído pelo terceiro xogum, Ashikaga Yoshimitsu, em fins do século XIV, em Kitayama, ao norte de Quioto, simboliza a glória do clã Ashikaga. Assim, as manifestações culturais dessa época são conhecidas como cultura Kitayama. Enquanto intermináveis batalhas aconteciam em Quioto, o oitavo xogum, Yoshimasa, construiu, em Higashiyama, a luxuosa casa de campo Ginkaku (pavilhão de prata), indiferente ao sofrimento do povo. A cultura representada pelo edifício Ginkaku é conhecida como Higashiyama-bunka.

Kinkaku (pavilhão de ouro) e Ginkaku (pavilhão de prata)
O Kinkaku, construído pelo xogum Yoshimitsu em 1397, com a fortuna adquirida através do comércio com a China (Dinastia Ming), era totalmente folheado a ouro. Construção de três andares, sendo o piso térreo e o primeiro andar destinados à moradia e o segundo andar para culto religioso, possui uma estética simétrica harmoniosa. Após a morte de Yoshimitsu, segundo sua vontade, a construção foi convertida em um templo budista denominado Rokuon-ji, embora seja popularmente conhecido pelo nome de Templo Kinkaku. Em 1950, o templo foi totalmente destruído pelo fogo, sendo reconstruído em 1955. O incêndio foi provocado por um jovem monge lunático, obcecado pela beleza arquitetônica do templo, fato que inspirou o romance O templo do Pavilhão Dourado, escrito por Yukio Mishima, em 1956.

Por sua vez, o Ginkaku (pavilhão de prata), como diz o próprio nome, era para ser folheado a prata, o que não se concretizou por falta de verbas. Sua construção foi ordenada pelo oitavo xogum do clã Ashikaga em 1460, completando-se, porém, somente em 1482, devido à Revolta de Onin. O seu estilo arquitetônico, com o piso inteiramente forrado de tatami, presença de shôji (divisórias corrediças com caixilhos de madeira forrados com papel) e tokonoma (uma espécie de nicho com prateleiras para enfeitar com obras de arte), é o que há de mais representativo na construção tradicional japonesa da atualidade. As obras de arte para adornar o tokonoma fizeram florescer o suiboku-ga (mais conhecido por nós como sumiê) e o ikebana (arranjo de flores).

Após a morte do xogum Yoshimasa, o pavilhão transformou-se no Templo Jishô-ji, porém é conhecido popularmente como o Templo Ginkaku.

Suiboku-ga (Sumiê)
Pintura em austero estilo monocromático, criada na China e introduzida no Japão durante a Dinastia Song (960~1279) e Yuan (1279~1368), encontrou grandes adeptos entre os monges da seita zen dos templos de Kamakura e Quioto.

No século XV, o pintor Sesshu Toyo (1420~1506) criou um estilo japonês próprio, inspirado na pintura monocromática da China. A sua obra mais representativa é Ama-no-hashidate (1501, acervo do Kyoto National Museum).

No fim da Era Muromachi, um novo gênero de suiboku-ga foi desenvolvido por artistas da escola Kanô. A escola Kanô foi iniciada por Kanô Masanobu (1434~1530) – pintor oficial do xogunato Muromachi – e continuada por seu filho Kanô Motonobu (1476~1559). O seu estilo mais decorativo e a sua sensibilidade plástica tiveram grande influência nos pintores das épocas posteriores.

Ikebana
Chamado também de kadô, ou seja, caminho das flores, teve origem nos arranjos de flores oferecidos durante a cerimônia budista. No século XV, desenvolveu-se a ponto de se tornar uma arte com estilo próprio. A seleção apurada das flores e vasos, a disposição dos galhos e a simetria entre eles e as flores têm distinguido esta arte da utilização das flores com simples intuito decorativo.

Atualmente, no Japão, há cerca de 3 mil estilos, sendo os mais populares o Ikenobô, o Ohara e o Sogetsu.

Teatro Nô
Dos teatros exibidos até os dias de hoje, o Nô é o mais antigo do mundo. Nascido no século XIV, o teatro Nô preserva o que outros importantes teatros perderam: a origem ritualista, refletindo a visão do budismo. Normalmente, os personagens são fantasmas que completaram o seu ciclo de existência terrena e intermedeiam o outro mundo, o mundo divino, com o terreno. É um teatro misto de dança, drama e musical, cujo ator principal usa máscara.

A transformação para os moldes existentes atualmente ocorreu na Era Muromachi, com o surgimento de Kan’ami (1333~1384) e seu filho Zeami (1363~1443), que tiveram a proteção do xogum Ashikaga Yoshimitsu. A filosofia de Zeami sobre os vários aspectos do teatro é seguido até hoje pelos atores do teatro Nô.

O Kyôgen, comédia representada entre os atos de teatro Nô, também surgiu no início da Era Muromachi.

Outras manifestações culturais
Renga, poema criado em grupo, ou seja, uma primeira pessoa cria os versos formados por 17 sílabas (5, 7 e 5 sílabas) e a seguinte prossegue, com versos de 14 sílabas (2 versos com 7 sílabas cada), e assim sucessivamente até criar cem versos, foi transformado em uma arte literária de alto nível pelo mestre Sôgi (1421~1502), que criou uma série de regras complexas.

Da Era Muromachi até início da Era Edo, foram escritos contos denominados otogi-zôshi (literalmente, coletânea de contos de fadas), popularizando cada vez mais a cultura. Entre esses contos, existem muitos que são conhecidos até os dias de hoje, como por exemplo, o Issun-bôshi, no qual um rapaz do tamanho de um polegar salva uma princesa dos demônios e cresce graças ao mágico uchide-no-kozuchi (martelo encantado), versão oriental do condão de fada, casa-se com a princesa e vivem felizes para sempre. Este conto mostra bem os anseios do povo que nunca mudam nem no tempo, nem no espaço.

As manifestações culturais dessa época foram levadas a várias regiões do Japão pelos nobres e monges que procuraram abrigo entre os clãs regionais para se refugiarem da Revolta de Onin, que devastou a cidade de Quioto.

 
História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios
Arquivo Nippo - Edição 268
Era Nara - Parte 2
O despontar das literaturas
Arquivo Nippo - Edição 266
Era Nara - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 264
Príncipe Shôtoku
Arquivo Nippo - Edição 262
Era Asuka
Arquivo Nippo - Edição 260
Era Kofun - Tumbas: símbolos de poder
Arquivo Nippo - Edição 258
Rainha Himiko
A lendária rainha de Yamatai
Arquivo Nippo - Edição 256
Era Yayoi - Desenvolvimento japonês
Arquivo Nippo - Edição 254
A criação do mundo segundo a mitologia japonesa
Arquivo Nippo - Edição 252
O Alvorecer do Japão
Arquivo Nippo - Edição 250
Cronologia: As eras no Japão
Mitologia
Arquivo Nippo - Edição 106
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 105
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Caminhar sobre as águas
Arquivo Nippo - Edição 95
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 94
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Haruyama e Akiyama
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 95
Haruyama e Akiyama
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 94
Haruyama e Akiyama
Prólogo
Arquivo Nippo - Edição 93
O chapéu ouvidor


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados