Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 18 de setembro de 2021 - 20h29
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 306 - 27 de abril a 3 de maio de 2005
 
• Era Edo – parte 3
Fome, revoltas e novas políticas
Aumento de rônin, ordem social conservadora e instabilidade emocional fizeram o xogunato mudar a diretriz do governo


Após provocação, Asano ataca Kira com uma espada no Castelo de Edo

 

Arquivo NippoBrasil

A administração política do Japão foi desenvolvida com base em um gigantesco poderio militar do momento em que Tokugawa Ieyasu (1542~1616) implantou seu xogunato e se estabeleceu na cidade de Edo (atual Tóquio), até a atuação do terceiro xogum, Tokugawa Iemitsu (1604~1651). Por causa de um rigoroso controle e vigilância, muitos senhores feudais tiveram suas terras confiscadas e muitos clãs foram extintos, aumentando, dessa forma, o número de samurais errantes (rônin), que ficaram sem um senhor a quem servir. Em 1651, a insatisfação de muitos desses samurais, que chegaram ao número de 400 mil, deu início a um plano para a derrubada do xogunato.

Em janeiro de 1657, mais um acontecimento contribuiu para o descontentamento geral. O Furisode Kaji (literalmente, incêndio de furisode) destruiu grande parte da cidade de Edo e foi provocado por um furisode, ou seja, um quimono luxuoso de donzelas, que estava sendo queimado em um templo, em razão de suas três últimas donas terem falecido em seqüência. A roupa foi carregada pelo vento ainda em chamas, causando o incêndio.

O aumento do número de rônin, somado à insatisfação com uma ordem social conservadora, que não permitia a promoção ou a ascensão das pessoas conforme sua capacidade, bem como a instabilidade emocional provocada pelo grande incêndio fizeram com que o xogunato Tokugawa mudasse a diretriz do governo – norteada pela força militar –, implantando uma política baseada na doutrina do filósofo chinês Confúcio. Essa alteração foi responsável pela época áurea do xogunato Tokugawa e sustentou a manutenção do quarto ao sétimo xogum de Edo, embora a política adotada pendesse para o idealismo, tornando-se a causa dos conflitos sociais posteriores.

“Inu xogum” (xogum cachorro) – o quinto xogum:
Tokugawa Tsunayoshi (1646~1709)

Inicialmente, Tsunayoshi foi um bom governante, mas, depois de outorgar, em 1685, a primeira “lei de misericórdia a todos os seres viventes”, seguida de mais 60 determinações semelhantes durante os seus 24 anos de poder, perdeu o prestígio e ganhou o apelido de “inu xogum”, ou seja, xogum cachorro.

Tudo começou com a perda de seu herdeiro, em 1683. Depois disso, o xogum não conseguia mais ter outros filhos homens. Um famoso monge, entretanto, disse que o fato era devido ao xogum ter matado animais em sua vida anterior e que, se ele desejava ter um herdeiro, deveria dedicar mais amor aos animais. Assim, como Tsunayoshi havia nascido no ano do cachorro, de acordo com o horóscopo chinês, passou a proteger, principalmente, esses animais.

Para proteger cachorros abandonados, Tsunayoshi chegou a criar 80 mil desses animais em um terreno imenso, alimentando-os com arroz, quando o povo morria de fome. Uma de suas leis determinava que quem matasse um cachorro seria exilado em ilhas longínquas. O “inu xogum” desejou, em seu leito de morte, que as leis de proteção aos animais perdurassem por mais cem anos, mas o seu sucessor, o sexto xogum, suspendeu as leis antes mesmo de terminar o funeral de Tsunayoshi.

O sexto xogum, Tokugawa Ienobu (1663~1712) restabeleceu a ordem empregando o filósofo confucionista Arai Hakuseki. Seu filho Ietsugu (1709~1716) tornou-se o sétimo xogum aos 4 anos, assessorado por Arai Hakuseki, mas morreu aos 8 anos. O oitavo xogum foi Tokugawa Yoshimune, do clã de Kii-Tokugawa.

A vingança dos Akô-rôshi

Atualmente, todos os anos no mês de dezembro, tornou-se quase que obrigatória a encenação da história dos Akô-rôshi na televisão e em vários palcos de teatro.

No dia 15 de dezembro de 1702, os 47 conjurados, ex-vassalos do extinto feudo Akô atacaram a residência de Kira Kozukenosuke Yoshinaka e, após duas horas de batalha, conseguiram a cabeça de Kira, retiraram-se do local e dirigiram-se até o túmulo de seu antigo senhor feudal, Asano Takuminokami, para presenteá-lo com a cabeça do inimigo que o fez cair em desgraça. O xogunato vacilou ao punir os 47 conjurados, mas, no final, todos foram sentenciados com a pena de haraquiri.

Tudo começou em março de 1701, quando Asano Takuminokami atacou repentinamente Kira, no corredor do Castelo de Edo, onde era proibido desembainhar a espada. Não há nenhum registro do motivo que levou Asano a cometer um ato tão insano, mas tudo indica que o incidente foi provocado por Kira, que sempre dirigia palavras mordazes aos seus desafetos. Kira não deve ter poupado palavras para criticá-lo pelas supostas falhas cometidas ao recepcionar o mensageiro do imperador. Asano Takuminokami foi condenado a praticar o haraquiri, e seu feudo foi extinto.

Mesmo a doutrina confucionista da China pregava a vingança dos vassalos e familiares como uma obrigação. O xogunato Tokugawa emitia a licença de vingança, e os senhores feudais costumavam pagar um custo de vida aos familiares dos seus vassalos até conseguirem vingar a morte dos seus entes queridos. Após a vindicação dos conjurados de Akô, esse hábito se estendeu até a classe dos plebeus. Os que conseguiam seu objetivo, tornavam-se heróis aos olhos do povo.

O oitavo xogum, Tokugawa Yoshimune (1684~1751)

Yoshimune restaurou e desenvolveu o xogunato. Suas medidas ficaram conhecidas como a Reforma de Kyôho, em virtude de o xogum ter assumido o poder e iniciado a reforma no primeiro ano da era Kyôho, ou seja, em 1716. Yoshimune seguia a política de Tokugawa Ieyasu e recomendou uma vida austera a camponeses e civis, além do incentivo aos treinos de artes marciais, para elevar o moral dos samurais.

O oitavo xogum explorou arrozais e valeu-se do poder financeiro dos comerciantes para aumentar a taxa da carga tributária. Ele ainda criou um sistema de promoção aos funcionários do baixo escalão conforme sua capacidade. No entanto, a carga tributária era pesada, e o campo foi assolado sucessivas vezes por um clima traiçoeiro, provocando muitos motins de camponeses. Muitos feudos tomaram medidas para a sobrevivência, tais como diminuir o pagamento de seus vassalos, monopolizar a venda de seus produtos e emitir moedas de circulação apenas interna, mas os samurais tiveram de enfrentar uma vida difícil. Muitos feudos contraíram dívidas vultosas de grandes comerciantes das metrópoles.

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 310
Era Edo (Parte 5) - As três fases culturais
Arquivo Nippo - Edição 308
Era Edo (Parte 4) - Os grandes impérios do
Ocidente invadem o Oriente
Arquivo Nippo - Edição 306
Era Edo (Parte 3) - Fome, revoltas e novas políticas
Arquivo Nippo - Edição 304
Era Edo (Parte 2) - Proibição do cristianismo e fechamento dos portos
Arquivo Nippo - Edição 302
Era Edo (Parte 1) - O início do isolamento japonês
Arquivo Nippo - Edição 300
Era Azuchi-Momoyama (Parte 4) - As mulheres que viveram na era das guerras
Arquivo Nippo - Edição 298
Era Azuchi-Momoyama (Parte 3) - Batalha de Sekigahara
Arquivo Nippo - Edição 296
Era Azuchi-Momoyama (Parte 2) - Nanban Bôeki
Arquivo Nippo - Edição 294
Era Azuchi-Momoyama (Parte 1) - O início da unificação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios
Arquivo Nippo - Edição 268
Era Nara - Parte 2
O despontar das literaturas
Arquivo Nippo - Edição 266
Era Nara - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 264
Príncipe Shôtoku
Arquivo Nippo - Edição 262
Era Asuka
Arquivo Nippo - Edição 260
Era Kofun - Tumbas: símbolos de poder
Arquivo Nippo - Edição 258
Rainha Himiko
A lendária rainha de Yamatai
Arquivo Nippo - Edição 256
Era Yayoi - Desenvolvimento japonês
Arquivo Nippo - Edição 254
A criação do mundo segundo a mitologia japonesa
Arquivo Nippo - Edição 252
O Alvorecer do Japão
Arquivo Nippo - Edição 250
Cronologia: As eras no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados