Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 05 de dezembro de 2021 - 5h32
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Opinião - 02/12/2021 - NippoBrasil
Tá caro, né?

Juliano Abe*

Um dia, já foi R$ 3,00. Em 2018, chegou aos R$ 4,00, quase R$ 5,00 e, com isso, estourou uma greve que parou o País. Do ano passado aos dias de hoje, escondidinho nos mais variados pretextos que a pandemia pôde oferecer, o preço chegou a R$ 6,00, quase R$ 7,00. O litro da gasolina em alguns Estados brasileiros já está em R$ 8,00. Aliás, a pandemia tem sido pródiga em gerar justificativas. Minha desculpa para a esposa por chegar tarde da noite em casa era a pandemia; minhas crianças iam mal nas provas e a desculpa usada por elas também era a pandemia; estava difícil pagar o carnê da máquina de lavar? Óbvio que era por conta da pandemia!

Sim, o preço do combustível está impraticável no mundo e não apenas no Brasil. Podemos criticar o prefeito que cobra altos Impostos Prediais e Territoriais Urbanos (IPTUs), e isso impacta no preço final do combustível nas bombas. Podemos censurar o governador do Estado; afinal, o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) é o imposto com maior peso na composição de preços. Podemos igualmente crucificar o presidente por errar na política de importação ou não fomentar uma política sustentada em combustíveis alternativos, como carros elétricos e a ampliação da produção do nosso já conhecido etanol. Podemos responsabilizar uma cadeia gigantesca de políticos nacionais e internacionais, empresas, países controladores da produção do petróleo, culpar a China – que, por sinal, virou sinônimo de desculpas, assim como a pandemia, pelos mais variados eventos perversos –, enfim, culpados, cada um tem o seu.

Mas, a saída para tudo isso sempre esteve em nossas próprias mãos. E não falo da escolha feita nas cabines de votação a cada dois anos. Falo dos nossos comportamentos do dia a dia. Falo em como uma cadeia de profissionais conseguiu parar o Brasil com uma greve, e falo de como o comportamento de uma grande maioria, no mundo, durante a pandemia, evitou milhares de milhões de mortes pela Covid-19.

Carona solidária, transportes alternativos, caminhadas, bicicletas, escolhas de lazer na sua cidade, preferência ao comércio local ou ao digital.

No final da década de 1980 e começo da de 1990, eu ia ao supermercado com minha mãe. Era o período em que a carne bovina, assim como hoje, tinha preços inacessíveis. Minha mãe reclamava: "Tá caro, né? Não vou levar!" Simplesmente, trocávamos por aves, porco, ovo, vegetais. Aliás, com a cultura vegana, o consumo alimentar focado em hortaliças e frutas é uma alternativa.

Podemos colocar a culpa em qualquer um, mas a solução é sempre nossa!




*Juliano Abe, advogado e
Diretor Adjunto de Ações Regionais
da FIESP – Federação das Indústrias
do Estado de São Paulo

 Coluna: Opinião
02/12/2021 - Por Juliano Abe
Tá caro, né?
03/04/2020 - Por Hatiro Shimomoto
Crise na saúde
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados