Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 03 de julho de 2022 - 6h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Espelho de Matsuyama - Parte 1

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

No imaginário japonês o espelho tem forte teor místico e faz parte da mitologia e do folclore deste milenar país insular. O espelho que na pré-história japonesa a Augusta Deusa Sol, Amaterassu Omikami, contemplou seu rosto ao deixar seu refúgio na gruta celeste, foi guardado no primeiro santuário construído no Japão, em Ise. Ainda hoje ele faz parte dos “Três Tesouros Sagrados do Japão”, juntamente com a espada e a jóia Magatama.

No Japão existem dois provérbios bastante conhecidos. O primeiro diz que “quando o espelho é escuro a alma do dono está impura”. A outra diz: “A espada é a alma do guerreiro, e o espelho da mulher”. e de acordo com Kojiki, o mais antigo livro do Japão, deus Izanagui deu para seus filhos um disco de metal prateado, altamente polido e lhes disse que se ajoelhassem humildemente diante do objeto a cada manhã ao despertar e cada noite antes de dormir. Para que com esse gesto de humildade pudessem subjugar as paixões e pensamentos negativos e maldosos, de tal forma que o espelho de bronze pudesse refletir, somente a pureza do espírito de cada um.

O espelho é assim parte da tradição antiga japonesa. Existe uma lenda famosa conhecida como “O Espelho de Matsuyama”. Trata-se de uma história de amor materno. Acredita-se que Matsuyama (montanha de pinheiros) apesar de ser sobrenome de família, nesse caso refere se a região onde ocorreu a história. Vamos a lenda:

Há muitos e muitos anos atrás, quando de viagem à Kyoto, antiga capital do Japão, um homem trouxe de presente para sua esposa, um espelho de bronze, com decorações em baixo relevo na parte de trás, tendo como motivos símbolos de longa vida e fidelidade no casamento: Um pinheiro (matsu) e um par de garça tsuru. Acredita-se que a garça tsuru assim como o pato mandarim, tem apenas um (a) companheiro (a) na vida. Quando um morre o outro permanece sozinho o resto de sua vida.

Nessa época espelho era feito de bronze polido e tratava-se de um objeto raro que somente as pessoas de muita posse podiam adquirir. A esposa que nunca tinha se visto em um espelho, ficou envergonha e ao mesmo tempo feliz, ao ver sua bela imagem ali refletida.

O casal tinha uma filha pequena que com o passar do tempo foi crescendo e ficando cada vez mais parecida com a mãe. Quando ela transformou-se numa bela garota, a mãe foi vitimada por uma doença atroz. Então a mocinha cuidava dos afazeres da casa e dava comida para a mãe que estava enfraquecida no leito. A bela garota fez de tudo para que a mãe melhorasse, porém dia a dia ela foi piorando.

Certo dia percebendo que estava morrendo, chamou a filha para perto do leito e disse:

-Quando eu partir, quero que cuide bem de seu pai e sejam felizes.
-Jamais poderemos ser feliz sem você mamãe. Disse a menina a chorar.

-Por favor não chore. Estarei sempre perto de você, quando você quiser encontrar comigo olhe para dentro desta caixa que dou para você. Essa caixa foi um presente que seu pai trouxe da capital, quando você ainda era um bebe. Dizendo isso a mãe passou a caixa que continha o espelho de bronze para a filha. No dia seguinte ela veio a falecer.

A menina chorou muito, pois não era caixa de presente que ela queria, mas sim que sua mãe melhorasse e continuasse vivendo com ela. O pai e a filha já não sabiam o que fazer, pouco conversavam e a casa caiu numa profunda tristeza.

Continua...

 
Adaptação livre de Claudio Seto

Arquivo NippoBrasil - Edição 220 - 20 a 26 de agosto de 2003
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 330
Uri sennin
Arquivo Nippo - Edição 328
A moça e o pinheiro
Arquivo Nippo - Edição 326
Takarabashi, a ponte do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 324
O guardião do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 322
O Buda de madeira
Arquivo Nippo - Edição 320
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
Arquivo Nippo - Edição 318
O cúmulo da cortesia
Arquivo Nippo - Edição 316
O desejo de visitar o Grande Santuário de Ise e morrer
Arquivo Nippo - Edição 314
Hachizuke, o deus Inari
Arquivo Nippo - Edição 312
Kin no kamikazari
Arquivo Nippo - Edição 310
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 308
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 306
O incêndio de furisode
Arquivo Nippo - Edição 304
Um lírio de 33 flores
Arquivo Nippo - Edição 302
Ôoka Tadasuke e o caso do cheiro roubado
Arquivo Nippo - Edição 300
Zashiki Warashi
Arquivo Nippo - Edição 298
A Tartaruga e a Garça (Kame-san to Tsuru-san)
Arquivo Nippo - Edição 296
O Kozo e a Yamanbá
(parte final)
Arquivo Nippo - Edição 294
O Kozo e a Yamanbá
(parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 292
A história de Shiro (Parte final)
Arquivo Nippo - Edição 290
A história de Shiro (Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 288
A bela mulher do desenho
(Parte Final)
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
(Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados