Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 03 de julho de 2022 - 6h08
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 196 - 5 a 11 de março de 2003
 
A origem da cigarra Chibahime

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

O Japão por ser uma civilização milenar, para tudo existe uma lenda que tenta justificar costumes, nomes, formatos, cores, tamanhos, de animais, árvores, cereais, frutas, verduras, objetos e acidentes geográficos. Muito destas lendas de origem das coisas é atribuído aos milagres do monge Kukai, mais conhecido atualmente como Kobo Daishi, fundador da seita Shingon, ou budismo esotérico.

Conta a história de tradição oral do povo, que durante sua peregrinação pelo País, que durou cerca de 10 anos, o monge Kukai passava pelo feudo de Hitachi (hoje província de Ibaragui) durante um verão muito quente. Na época, os monges andarilhos, tanto pelas longas e demoradas caminhadas, tinham uma única peça de roupa aos trapos e mendigavam para exercer o voto de humildade. Em uma aldeia rural, vendo uma casa junto aos arrozais, pediu pousada por uma noite, para descansar seus pés que estavam doloridos.

O lavrador que o atendeu, vendo a condição miserável de sua vestimenta, recusou terminantemente a lhe conceder hospedagem, com duras palavras:

- Nesta casa temos por norma não dar comida ou pousada para monges vagabundos. Caia fora da minha propriedade.

Monge Kukai com sua calma habitual baixou a cabeça, pediu desculpas pelo incômodo e seguiu seu caminho.

O dono da casa estranhou o comportamento do andarilho, pois geralmente os monges mendigos, reagiam resmungando ou rogando pragas, diante da sua recusa em dar auxílio aos pedintes que por lá passavam. Então ficou pensando com seus botões:

- Que monge-mendigo diferente... Além de não ficar zangado com minha recusa, ainda desculpou-se pelo incômodo fazendo educada reverência e se foi calmamente...

Naquele momento o lavrador lembrou que quando esteve na cidade, ouviu dizer que o famoso monge Kukai estava peregrinando pela região e ajudando muitas pessoas com seus ensinamentos. Então concluiu que aquele mendigo era Kukai e que seria uma honra ter como hóspede alguém a quem o imperador Saga confiou a direção do templo Tôji, em Kyotô, considerado o santuário principal na proteção à nação.

O homem saiu correndo pela estrada atrás de Kukai, mas não conseguiu avista-lo. Correu por vários trechos até o sopé da montanha, onde a estrada se dividia em várias trilhas, mas nada. Então subiu numa árvore alta e começou a gritar repetidamente o nome de Kukai.

O monge tinha recebido hospedagem na casa vizinha e naquele momento estava tomando um gostoso banho quente de ofurô (banho por emersão). Como o lavrador estava chamando por ele lá longe, perto da montanha, Kukai não ouviu os gritos. Dizem que o homem em cima da árvore ficou gritando, gritando, gritando, e como por encanto se transformou em uma cigarra.

Essa história teria ocorrido nos anos 800, mas ainda hoje, quando chega o dia 23 de julho, milhares de cigarras chamadas Chibahime, cantam o dia inteiro na região, como se estivessem chamando Kukai.

A origem da batata pedra

Certa ocasião, o monge Kukai peregrinava pela região nordeste do Japão e sentindo fome, resolveu pedir uma tigela de arroz numa casa à beira da estrada. Vendo uma senhora na cozinha, aproximou-se da porta e sentiu o cheiro gostoso de batata cozida, que vinha de uma grande panela que estava no fogo.

- Sei que é um atrevimento, mas gostaria pedir uma batata que a senhora está cozinhando. O cheiro gostoso faz minha barriga roncar.

A dona de casa não gostou nem um pouco da presença do maltrapilho monge pedinte e fazendo cara feia respondeu:

- Apesar de parece uma batata comum, ter o cheiro de uma batata comum, esta não é uma batata comum. Trata-se de batata-pedra, impossível comer de tão dura. A não ser que o senhor tenha dom especial de comer pedra, nesse caso na estrada está cheia, sirva-se à vontade.

Diante a irônica negativa, Kukai continuou sua caminhada. A dona de casa, vendo o monge desaparecer na curva da estrada, correu para a panela, tirou-a do fogo, para comer a batata que já estaria cozida.

Quando pôs uma batata na boca, quebrou os dentes da frente, pois ela estava tão dura quanto uma pedra. Mesmo assim experimentou as outras e constatou que todas estavam duras e impossíveis de comer. Conta o folclore que desde então, as batatas que nascem espontaneamente na região, são chamadas batata-pedra (ishi-imô) porque é tão dura que ninguém consegue comê-las.

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 330
Uri sennin
Arquivo Nippo - Edição 328
A moça e o pinheiro
Arquivo Nippo - Edição 326
Takarabashi, a ponte do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 324
O guardião do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 322
O Buda de madeira
Arquivo Nippo - Edição 320
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
Arquivo Nippo - Edição 318
O cúmulo da cortesia
Arquivo Nippo - Edição 316
O desejo de visitar o Grande Santuário de Ise e morrer
Arquivo Nippo - Edição 314
Hachizuke, o deus Inari
Arquivo Nippo - Edição 312
Kin no kamikazari
Arquivo Nippo - Edição 310
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 308
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 306
O incêndio de furisode
Arquivo Nippo - Edição 304
Um lírio de 33 flores
Arquivo Nippo - Edição 302
Ôoka Tadasuke e o caso do cheiro roubado
Arquivo Nippo - Edição 300
Zashiki Warashi
Arquivo Nippo - Edição 298
A Tartaruga e a Garça (Kame-san to Tsuru-san)
Arquivo Nippo - Edição 296
O Kozo e a Yamanbá
(parte final)
Arquivo Nippo - Edição 294
O Kozo e a Yamanbá
(parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 292
A história de Shiro (Parte final)
Arquivo Nippo - Edição 290
A história de Shiro (Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 288
A bela mulher do desenho
(Parte Final)
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
(Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados