Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 7h50
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 164 - 17 a 23 de julho de 2002
 
Bunbuku Chagama: A chaleira encantada

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

Há muitos e muitos anos, no mosteiro budista Morin-ji, na província de Gunma, residiam um pacato monge, que todos o chamavam de Osho-san, e vários discípulos.

Certa ocasião, um sucateiro de nome Jimbei passou pelo mosteiro, acompanhado de sua filhinha, para mostrar alguns artigos que tinha para vender.

- Bom dia, Osho-san, vejo que está cuidando de bonsais floridos!
- Bom dia, as azaléias satsuki estão se abrindo para esse maravilho sol! Qual novidade o traz até aqui, Jimbei?

- Lembra-se que me pediu para conseguir uma boa chaleira de ferro? Pois veja, Osho-san, que linda chaleira caiu em minhas mãos. Não acha ideal para a cerimônia do chá? Gostaria de ter sua opinião sincera a respeito dessa bela peça.

- É realmente uma bela e sólida chaleira. Não precisa gastar saliva de vendedor que a peça fala por si só. Diga o preço e a chaleira fica para o mosteiro.

O monge comprou a chaleira e ficou muito satisfeito com a aquisição:
- Incrível, quanto mais vejo, mais gosto desta chaleira. Ela tem uma aura inexplicável.

O monge não cansava de apreciar o objeto, olhando de frente, de cima e por todos os lados. Resolveu, então, ferver água para preparar um chá. Encheu a chaleira de água e colocou sobre o braseiro (irori) que ficava no meio da sala.

Enquanto esperava a água ferver acabou cochilando, sentado. Passado um tempo, a água começou a querer ferver e de algum lugar soou uma voz estranha:
- Ai, está quente Osho-san! Está quente!

Osho estava dormindo e não ouviu nada, porém os meninos aprendizes que passavam pelo corredor ficaram curiosos ao ouvir aquela voz desconhecida. Resolveram, então, espiar para ver quem estava conversando com o monge e abriram devagarzinho a porta corrediça.

Quando botaram suas cabeças raspadas para dentro da sala levaram um tremendo susto. A chaleira estava com quatro patas, um rabo felpudo e além do mais movia-se desesperadamente para sair de cima das brasas.

- Nossa, uma chaleira assombrada!
- É coisa do demônio. Acorda Osho-san!

Ao despertar assustado com a gritaria de seus discípulos, deparou-se com uma cena inusitada que o deixou boquiaberto. A chaleira tinha cabeça de texugo e saltou fora do braseiro, espalhando brasa por toda a sala. Saiu correndo pelos corredores do mosteiro a gritar:

- Aiii, está quente! Me queimou!
O monge, refazendo-se do susto, também gritava:
- Chaleira encantada é ilusão provocada por um texugo.

Ao ouvir que se tratava de um texugo, os aprendizes de monge correram atrás da chaleira com vassouras para pegá-lo. Nessa época era comum raposas e texugos se transformarem ilusoriamente em gente ou objetos para enganar os homens.

O templo virou uma bagunça, era correria pra lá e pra cá atrás do texugo. Até que certa hora o bicho desapareceu.

- Perdemos de vista, acho que fugiu para a mata. Vamos dormir, ele nos deu uma canseira danada.
Na manhã seguinte, quando o monge acordou, percebeu que a chaleira, tal como comprou, estava na estante onde ele deixara.

- Será que foi um sonho? Ou essa chaleira é um texugo encantado?
Porém, olhando de vários ângulos parecia uma chaleira normal.

Nesse momento o sucateiro Jimbei chegou ao mosteiro apavorado.
- Desculpe-me por te enganar, Osho-san. A chaleira que vendi ontem para o senhor não é uma chaleira e, sim, um texugo encantado.

- Oh, então não foi um sonho. Quando a coloquei sobre a brasa o bicho saiu esperneando feito um doido.

- Pobre texugo, deve estar todo queimado. Minha culpa, fui duplamente irresponsável.
- Calma Jimbei, conte-me o que aconteceu.

Continua...

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados