Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 03 de julho de 2022 - 4h44
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 121 - 13 a 19 de setembro de 2001
 
O Fantasma e o mizuame - Parte 2

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

Assim que a mulher saiu andando pela rua, o comerciante chamou seu amigo:
- Vamos atrás dessa raposa!

Nisso, percebeu que seu amigo estava aterrorizado e tremendo de medo.
- O que foi? Parece que viu um fantasma.

- Exatamente, aquela é a mulher que faleceu na minha cidade no começo do mês.
- O quê!? Então não é uma raposa e sim um fantasma!? Bem que eu estava achando-a muito pálida...e, pensando bem, o único lugar próximo daqui em que existe a árvore momiji é no cemitério.

- Isso é muito misterioso. Para que um fantasma vem buscar melado?
- Vamos perguntar ao monge. Quem sabe ele tem uma explicação.

Os dois amigos foram até o templo e contaram a história para o monge local. Os três resolveram, então, ir até o pé de momiji no cemitério. Lá chegando, realmente existia uma sepultura nova com a inscrição do nome da mulher que havia morrido na cidade vizinha.

- Vamos orar para que a alma dela descanse em paz - disse o monge ajoelhando-se diante do túmulo, e os três começaram a rezar. Nesse exato momento ouviram o choro de uma criança. Apesar de arrepiados de susto e de medo, procuraram perto do túmulo de onde vinha o choro.

Havia um cesto com um bebê dentro. Ao lado da criança, um bilhete e uma tigela. O comerciante imediatamente reconheceu a tigela como sendo aquela que a mulher levava todas as noites para comprar melado.

O monge levantou o tyotin (lanterna) e leu o bilhete.
- Uma mulher abandonou o filho porque está em péssima condição financeira e não tem como criá-lo. Meu Deus, pela data esta criança foi abandonada há uma semana. Como terá sobrevivido até hoje?

Olhando para a tigela vazia os três entenderam a resposta.
- Acho que o instinto materno é algo que sobrevive à morte física – disse o monge. Mesmo morta, essa bondosa mulher ajudou o bebê a sobreviver, trazendo melado todos os dias para a criança.
Comovidos pela bondade do fantasma, os três rezaram para que a alma dela pudesse descansar em paz. O monge prometeu diante do túmulo que cuidaria da criança no templo.

O comerciante disse ao monge que, se precisasse de melado, poderia ir buscar quanto quisesse. A partir desse dia o fantasma da mulher não apareceu mais para comprar mizuame.

Fim.

 






COMENTÁRIO

Outra versão desta história conta que a mulher foi enterrada com seis moedas. Conforme o costume da época, acreditavam que depois de a pessoa morrer a alma tinha que cruzar o Rio das Almas Perdidas, para chegar ao Mundo dos Mortos. Portanto, era costume levar seis moedas para pagar a balsa que fazia a travessia do rio. Essa versão diz que o fantasma da mulher tinha gastado exatamente essas seis moedas. Caso o comerciante, seu amigo e o monge não tivessem se dirigido ao cemitério naquela noite, a criança abandonada teria morrido de fome.

 
 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 330
Uri sennin
Arquivo Nippo - Edição 328
A moça e o pinheiro
Arquivo Nippo - Edição 326
Takarabashi, a ponte do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 324
O guardião do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 322
O Buda de madeira
Arquivo Nippo - Edição 320
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
Arquivo Nippo - Edição 318
O cúmulo da cortesia
Arquivo Nippo - Edição 316
O desejo de visitar o Grande Santuário de Ise e morrer
Arquivo Nippo - Edição 314
Hachizuke, o deus Inari
Arquivo Nippo - Edição 312
Kin no kamikazari
Arquivo Nippo - Edição 310
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 308
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 306
O incêndio de furisode
Arquivo Nippo - Edição 304
Um lírio de 33 flores
Arquivo Nippo - Edição 302
Ôoka Tadasuke e o caso do cheiro roubado
Arquivo Nippo - Edição 300
Zashiki Warashi
Arquivo Nippo - Edição 298
A Tartaruga e a Garça (Kame-san to Tsuru-san)
Arquivo Nippo - Edição 296
O Kozo e a Yamanbá
(parte final)
Arquivo Nippo - Edição 294
O Kozo e a Yamanbá
(parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 292
A história de Shiro (Parte final)
Arquivo Nippo - Edição 290
A história de Shiro (Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 288
A bela mulher do desenho
(Parte Final)
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
(Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados