Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 03 de julho de 2022 - 5h19
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 095 - 15 a 21 de março de 2001
 
O Fantasma de Sakura no Sogorô

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

No início do Período de Edo (1615-1868), com a unificação do Japão, iniciava-se finalmente uma época de paz, após 100 anos de guerra contínua entre feudos.

No pequeno feudo de Shimosa, os lavradores se sentiram aliviados, pois terminada as sucessivas batalhas, acreditavam que os impostos elevados à pretexto da manutenção do exército e compra de materiais bélicos, finalmente baixariam. Passado o tempo, como isso não aconteceu, em 1655, os lavradores de 200 aldeias se reuniram e elegeram um delegado para representá-los. Sogorô, um lavrador de meia idade, chefe da aldeia de Sakura (hoje prefeitura de Chiba) foi o indicado para apresentar petição ao daimyo (senhor feudal) local, Hotta Masanobu (1629-1677), solicitando a diminuição de impostos excessivos.

O apelo foi rejeitado pelo jovem senhor. Sogorô resolveu dar então um passo sem precedentes na história do cooperativismo rural japonês e viajou até Edo para expor o caso ao então shogun, Tokugawa Iemitsu, o ditador militar do Japão.

Isto teve como resultado o desmascarar do nobre avarento daimyo Masanobu, que se viu obrigado a cancelar os impostos. Furioso por ter perdido o seu domínio sobre esse assunto, que passou a ser controlado pelo shogunato Tokugawa, Masanobu acusou Sogorô de conspiração e traição por estar praticando o cristianismo – que estava proibido pelo governo Tokugawa desde 1639.

A ira do daimyo recaiu sobre a família do líder rural. Os três filhos foram decapitados na sua presença, Sogorô e sua mulher foram crucificados. Porém, antes de morrer, diante da multidão que veio assistir sua execução, Sogorô jurou em voz alta que seu espírito haveria de exigir vingança pela injustiça cometida à sua família.

Desde então, aparições fantasmagóricas começaram a assombrar o castelo do daimyo. Ocorreram mortes trágicas dos soldados que forjaram falsas provas de cristão imputados à Sogorô. Depois, os soldados que participaram da execução de seus filhos e os da crucificação de sua mulher também tiveram morte misteriosa O pânico tomou conta do castelo. As noites tornaram-se horríveis para Masanobu que deparava a todo instante com o fantasma de Sogorô. Já não conseguia dormir e estava enlouquecendo. Nessa época sua mulher e o filho também morreram. Houve uma paranóia geral no feudo, todos diziam ter visto a aparição de Sogorô e o medo tomou conta de tudo. Completamente louco, o damyo Hotta Masanobu perdeu seus domínios e foi banido para Tokushima.

Mesmo assim não cessou a aparição de Sogorô pelos corredores do castelo. Enfim construíram um santuário e começaram a rezar para apaziguamento do espírito vingador, que então, finalmente, deixou de assombrar a localidade. FIM

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 330
Uri sennin
Arquivo Nippo - Edição 328
A moça e o pinheiro
Arquivo Nippo - Edição 326
Takarabashi, a ponte do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 324
O guardião do tesouro
Arquivo Nippo - Edição 322
O Buda de madeira
Arquivo Nippo - Edição 320
O Tengu Azul e o Tengu Vermelho
Arquivo Nippo - Edição 318
O cúmulo da cortesia
Arquivo Nippo - Edição 316
O desejo de visitar o Grande Santuário de Ise e morrer
Arquivo Nippo - Edição 314
Hachizuke, o deus Inari
Arquivo Nippo - Edição 312
Kin no kamikazari
Arquivo Nippo - Edição 310
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 308
Shizuka-gozen e Sato Tadanobu - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 306
O incêndio de furisode
Arquivo Nippo - Edição 304
Um lírio de 33 flores
Arquivo Nippo - Edição 302
Ôoka Tadasuke e o caso do cheiro roubado
Arquivo Nippo - Edição 300
Zashiki Warashi
Arquivo Nippo - Edição 298
A Tartaruga e a Garça (Kame-san to Tsuru-san)
Arquivo Nippo - Edição 296
O Kozo e a Yamanbá
(parte final)
Arquivo Nippo - Edição 294
O Kozo e a Yamanbá
(parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 292
A história de Shiro (Parte final)
Arquivo Nippo - Edição 290
A história de Shiro (Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 288
A bela mulher do desenho
(Parte Final)
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
(Parte 1)
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados