Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 10h38
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 081 - 30 de novembro a 6 de dezembro de 2000
 
Ubirajara Tarô. O outro pescador

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

Era uma vez, um pescador que morava no litoral paranaense. Seu nome, Ubirajara Tarô um jovem que vivia numa deliciosa preguiça vendo a vida passar, sem se preocupar em ter sucesso financeiro. Andava meio desgostoso da profissão é verdade, porque os turistas tinham espantado todos os peixes daquela localidade.

Um dia, caminhando tranqüilamente pela praia, viu três pestinhas judiando de uma tartaruga. Tarô deu uma bronca na molecada e mandou que deixassem a tartaruga em paz.

Mas, as crianças não concordaram porque estavam adorando aquela brincadeira. Ver a tartaruga esperneando desesperada, com o casco da barriga virada para o céu, era melhor que ficar em casa assistindo o programa da Xuxa pela tevê, ou desenho dos Tartarugas Ninjas.

Como a lenda tem tema aquático, Taro pensou em dar uns cascudos nos meninos, mas notando que por perto haviam dois grandalhões, verdadeiros bois marinhos, que bem podia ser os pais dos garotos, pensou em outra saída, não tão honrosa, mas usual até em Brasília, para salvar tartarugas.

- Eu compro essa tartaruga, -disse Tarô, num gesto humanitário.
- Tá vendido. Passa a grana!
Foi uma negociação tão rápida, que Tarô sequer teve tempo para pechinchar. Então acariciando a tartaruguinha, soltou-a no mar, desejando-lhe mais sorte da próxima vez, até porque, sua grana andava curta e não daria para comprar novamente a liberdade do animalzinho.

A tartaruguinha que normalmente é vagarosa, saiu correndo feito carro de fórmula 1 e mergulhou apressadamente no mar. Enquanto via sua protegida desaparecer no meio das ondas, Taro pensou em ter notado um tchauzinho de agradecimento por parte da tartaruga.

No dia seguinte quando Ubirajara Tarô pescava solitário numa praia deserta, de repente, ouviu uma voz chamando-o. Então pegou o celular e respondeu:
- Alô!, alô!. Mas o telefone dava apenas sinal de linha. - Gozado... pensei ter ouvido uma voz...acho que estou ficando pirado. Preciso parar de assistir novelas na televisão. - Assim pensando continuou pescando.

Nisso ouviu novamente, aquela a voz que chamava por ele:
- Tarô-san, Tarô-san, sou eu. Estou aqui na água
O Ubirajara ficou perplexo ao ouvir aquele modo de chamá-lo. “Tarô-san”, era o modo como sua avó japonesa o chamava quando criança. Havia mais de 20 anos que ninguém se dirigia a ele daquele modo. Isso encheu o seu lado japones de seu sangue de emoção. O pescador ficou contente e disse em direção da voz:

- Obaatian onde está a senhora ?
- Obaatian é sua vovozinha, - respondeu a voz.
Taro ficou mais perplexo ainda, ao perceber que estava conversando com uma tartaruga.
- Espera aí, tem coisa errada nessa história, tartaruga não fala ! - Disse o pescador assustado.
- Como não, isso aqui é uma lenda, e nas lendas não existem preconceitos verbais contra os animais - disse a tartaruga, que perguntou logo em seguida:

- Está lembrado de mim?
- Devo?
- Sim sou aquela tartaruga que você salvou nesta praia dias atrás.
- Mas como cresceu tão de repente, de um dia para outro? Você está enorme !

- Não confunda, eu não cresci nada. Sou a voz que você está ouvindo, o que você está vendo é uma tarataruga-robô made in Japan. Minha voz está sendo transmitida através dela daqui do Palácio de Dragão. Aliás, contei para a Deusa do Mar como você salvou a minha vida, e ela pediu para convidá-lo à visitar seu palácio, pois quer lhe agradecer pessoalmente.

Aquilo despertou grande curiosidade ao pescador, porque sua avó japonesa, contava uma lenda nipônica a respeito desse palácio.
- Então o Palácio do Dragão realmente existe?, -perguntou Tarô entusiasmado.
- Existe sim, mas você é o primeiro brasileiro convidado a vir aqui, os outros preferem o paraíso fiscal. Suba nas costas do robô- tartaruga que ele vai trazê-lo para cá.

Assim que Ubirajara Tarô montou no casco da tartaruga atômica, iniciou uma suave viagem ao alto mar. Depois, a voz pediu para ele abrir um pequeno compartimento nas costas do robô e tomar a pílula de respirar dentro dágua. Assim, a tartaruga atômica mergulhou ao fundo do mar. Foi uma viagem inusitada e maravilhosa. Um caminho sem leito, mas cheio de peixinhos coloridos e estrelas do mar. Pouco depois, Ubirajara chegava a uma enorme e iluminada redoma de vidro que abrigava uma cidade futurista, tendo ao centro um lindo palácio.

Na entrada do palácio o pescador foi recebido por uma linda deusa.
- Você é a Iemanjá ? - Perguntou Taro.
- Não. Meu nome é Toyotama Hime, bem vindo a Ryugyu (Castelo do Dragão) - respondeu a bela divindade de traços orientais.

Tarô sentiu-se no paraíso. Tudo ali era lindo e maravilhoso e muito mais moderno do que os cenários da lenda que sua avó contava. A deusa agradecida por ter salvo a vida de um dos seus súditos submarinos, disse que ele poderia ficar como hóspede quanto tempo quisesse.

No palácio havia festa a toda hora e Tarô encantado com tudo aquilo foi ficando. Em compania da princesa conheceu toda beleza do fundo do mar, em longos passeios à dois, nadando entre corais, plantas e peixes das mais exóticas cores. Assim, Tarô esqueceu-se completamente de sua casa e do local onde nasceu e cresceu.

Passado algum tempo, Taro começou a ficar enjoado daquela vida de festas e mais festas. Sentiu que apesar de maravilhoso, não tinha muito sentido como modo de vida. Em sua praia, apesar de pobre, podia pelo menos praticar uma boa ação, como salvar uma tartaruguinha e outros bichinhos.

Despediu-se da deusa, alegando que apesar das praias paranaenses não serem aquelas coisas, estava com saudade delas. Ao agradeceu a hospedagem maravilhosa, recebeu da Deusa do Mar, várias moedas de ouro e uma caixinha chamada Tamatebako, com a seguinte recomendação:

- Ubirajara Tarô, como você quer viver entre os humanos, leve estas moedas de ouro, que vai lhe garantir uma vida tranqüila. Leve também essa caixinha, mas nunca a abra. Se o fizer, mesmo que queira, jamais poderá voltar aqui. Adeus.

Com as moedas num saquinho e a caixinha debaixo dos braços, sentado no casco da tartaruga, Ubirajara Taro, rapidamente retornou a praia onde morava. Assim que se desceu do robô-tartaruga, foi embora em direção da sua casa.

Continua...

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados