Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 7h42
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 080 - 23 a 29 de novembro de 2000
 
A Serpente Encantada - Parte 1
A Lenda da Origem da Cobra Cega e do soar dos sinos nas montanhas japonesas

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

Dizem os japoneses que nem sempre a cobra cega foi cega. Antigamente ela tinha olhos e enxergava muito bem. Mas tudo começou há muitos e muitos anos, antes mesmo dos sinos das montanhas passarem a ser tocados, todos os dias, ao amanhecer e ao entardecer no Japão. Havia naquele tempo, um jovem lenhador de nome Kihei. Ele era muito solitário, pois desde que seus pais morreram vivia sozinho numa pobre choupana no meio da floresta. Semanalmente ia até a aldeia mais próxima entregar as lenhas pedidas pelos moradores e aproveitava para comprar alguns mantimentos para sua sobrevivência.

Certa tarde de inverno, após um dia de duro trabalho, quando voltava para casa carregando um fardo de lenha nas costas, numa paisagem coberta de neve, ouviu um gemido entre os arbusto e parou para ver o que era. Empurrando as folhas para os lados, o lenhador deparou com uma linda donzela desmaiada. Kihei levou um grande susto ao ver seus longos cabelos enroscados nos galhos e tratou de ajudá-la, tirando-a apressadamente do local, pois ela já estava quase congelando naquela posição. Tomou-a em seus braços e carregou-a correndo entre as grandes árvores até chegar em sua casa.

O lenhador deitou a moça cuidadosamente no tablado, acendeu o fogo para esquentá-la, ferveu a água e limpou a testa dela que ainda conservava uns flocos de neve. Kihei preparou também um chá de ervas medicinais e serviu à ela fazendo de tudo para reanimá-la. Aos poucos a donzela foi recuperando os sentidos, mas continuou pálida e enfraquecida. Mesmo assim ela olhou para ele e esboçou um sorriso de agradecimento. O jovem ficou muito feliz em ver que ela estava melhor. Cobriu-a com uma colcha e disse com voz sussurrante:

- Descanse bastante, vai se sentir bem melhor amanhã.
No dia seguinte, Kihei, levantou mais cedo que de costume, pois estava preocupado com a saúde da moça desconhecida. Ficou surpreendido ao constatar que ela já estava de pé fazendo faxina por toda casa.

- Puxa, nem parece a minha casa! Tudo está limpo, sem bagunças nem poeiras!
A moça olhou para ele, ajoelhou-se e agradeceu abaixando a cabeça:
-Graças a você estou viva. Se você não passasse por lá naquele momento, com certeza a esta hora, eu estaria sem vida e congelada. Muito obrigada mesmo.
-Ora, não exagere, o que fiz qualquer pessoa faria.

Pouco depois ela preparou o almoço e os dois comeram sentados em torno de uma mesinha baixa. Kihei estava muito feliz. Pela primeira vez desde que sua mãe falecera há quase 7 anos, comia uma refeição preparada por outra pessoa. A presença da jovem deixava o lenhador ao mesmo tempo feliz e envergonhado. Nenhuma garota jamais tinha entrado naquela solitária cabana no meio da floresta. Os olhos dos jovens se cruzavam à todo momento e um sorriso feliz brotava nos lábios dos dois.
Kihei estava curioso para saber tudo a respeito dela e fez várias perguntas ao mesmo tempo.
- Qual é o seu nome? Onde você mora? Para onde estava indo?

O sorriso se apagou dos lábios da donzela que baixando os olhos ficou quieta. O lenhador percebeu por algum motivo que ela não podia responder suas perguntas. A julgar pela beleza, talvez fosse princesa de um castelo derrotado na guerra e precisava manter em sigilo sua identidade para não ser descoberta pelos soldados inimigos.

- Ora não fique chateada. Não precisa responder. Perguntei por perguntar. Só peço que volte a sorrir, pois você tem o sorriso mais lindo que já vi.
Os dois se deram muito bem e ela foi ficando na casa de Kihei cuidando de todos os afazeres domésticos. Kihei estava completamente apaixonado por ela e pediu-a em casamento. A moça concordou com a condição de que ele jamais perguntasse nada a seu respeito.

Os dias que se seguiram foi de muita felicidade para o casal. A floresta que até há poucos dias parecia triste e solitária para Kihei, como por encanto se transformou num paraíso. Eles corriam pela mata apanhando frutos silvestres, subindo em árvores e nadando nos riachos. Eles se tornaram inseparáveis, ela o ajudava a cortar e carregar a lenha e em todos os trabalhos que ele precisasse executar. Ela realmente era muito trabalhadeira, dormia muito pouco e mesmo quando Kihei estava descansando, ela continuava fazendo os serviços do lar.

O tempo passou e um dia ela confidenciou ao marido que estava grávida. Kihei ficou muito contente. Uma criança viria para completar a felicidade daquele lar no meio da floresta. Meses depois, próximo da data prevista para o nascimento do bebê, ela fez um pedido estranho.
- Quero dar a luz no depósito de lenha. Peço que levante paredes bem fechadas para deixar o local escuro.

Como havia prometido não questionar nada à respeito dela, Kihei atendeu prontamente o pedido e fechou o depósito da melhor maneira possível. Sete dias depois, ela disse:

- O momento está bem próximo, quero ter a criança sozinha, prometa que não irá ao depósito, nem que seja apenas para dar uma espiadinha.

Kihei achou estranhíssimo o pedido dela, porém prometeu que não iria ver, pois amava-a demais para contrariar seus desejos. Assim ela se internou no depósito.

Continua...

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados