Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 7h02
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 075 - 19 a 25 de outubro de 2000
 
Urashima Tarô. A Lenda do Pescador

Adaptação livre de Claudio Seto
(
Texto e desenhos: Claudio Seto)

Tarô era um jovem pescador que amava a natureza. Levava uma vida tranqüila numa pequena ilha, que pelo fato de estar atrás de outra ilha em relação a antiga capital do Japão, Heian Kyo, era chamada de Urashima (a Ilha do Fundo). Na época os pescadores japoneses e pessoas comuns não tinham sobrenome, mas como a história de Tarô ficou famosa em todo Japão, passaram a chamá-lo de Urashima Tarô .

Certa ocasião Tarô caminhava pela praia e encontrou três meninos que na maior algazarra judiavam de uma pequena tartaruga. Um puxava o bicho pelo rabo enquanto outra cutucava com um pedaço de pau e um terceiro chutava o casco do pobre animal. Com a barriga virada para cima, o indefeso bichinho esperneava atormentado.

- Não maltratem esse ser tão inofensivo. Ele fez algum mal a vocês?
- O que você tem a ver com isso? Não se meta onde não é chamado – responderam os moleques – Essa tartaruga é nossa, fomos nós que a encontramos.

Assim, sem se importar com a reclamação do pescador, continuaram a judiar do bichinho.
Percebendo que as palavras eram inúteis e não suportando mais ver o animalzinho ser maltratado, o pescador sacou as únicas moedas que tinha no bolso e ofereceu aos meninos.
- Quero comprar essa tartaruga. É tudo que tenho – disse Tarô estendendo o dinheiro.
Os moleques entregaram a tartaruga sem pestanejar, apanharam o dinheiro e saíram correndo felizes da vida.

O pescador acariciou o casco do bichinho, colocou-o na areia e aconselhou:
- Agora está tudo bem, mas da próxima vez que vir a praia, cuidado para não se aproximar muito do povoado. Ao soltar na areia molhada, a tartaruga saiu apressada em direção das ondas e desapareceu mergulhando.

Sete dias depois, quando Tarô pescava como de costume em seu barco, ouviu uma voz que o chamava:
- Tarô-san, Tarô-san, Urashima no Tarô-san!
O pescador levou um susto ao ouvir vozes na solidão do alto mar e olhou para todos os lados para ver se havia mais algum barco de pesca nas proximidades. Como só havia em seu redor céu e mar, Tarô pensou que estava imaginado coisas e voltou a pescar calmamente.
Novamente ouviu a voz que o chamava:
-Tarô-san, Tarô-san, Urashima no Tarô-san!

Desta vez a voz estava mais próxima e nítida. O bom som dava conta que não se tratava de imaginação. Mas por incrível que possa parecer, vinha de uma enorme tartaruga que se aproximava do barco. Como não havia ninguém além dele e da tartaruga, o pescador perguntou:
- Só para ter certeza de que não estou ficando louco, foi você que me chamou?

- Sim. Não está me reconhecendo? Sou a tartaruga que você salvou daqueles meninos malvados. Quero lhe agradecer por tudo que fez por mim.
- Ora não é necessário agradecer, se você está bem fico feliz. Só quero saber como você cresceu tanto em apenas 7 dias, você está enorme !

- No lugar de onde venho o tempo não existe. Você é ou torna aquilo que sente. Aliás, contei para Toyotama Hime (Princesa Alma Luxuriante), filha de Shiyozuchi no Kami, o deus do mar, como você salvou a minha vida , e ela mandou convidá-lo para visitar o palácio de seu pai, pois quer lhe agradecer pessoalmente por ter salvado este súdito do Palácio do Dragão (Ryugu).
- Já ouvi falar desse palácio, dizem que é muito bonito, todos os pescadores tem a curiosidade de conhecê-lo um dia.

- Então suba nas minhas costas e vamos ao Palácio do Dragão.

Tarô montou no casco da tartaruga um tanto temeroso e deixou se levar entre as ondas do mar. Nadando suavemente a tartaruga chegou ao alto mar e começou a mergulhar para as profundezas. O mundo marítimo que descortinou diante dos olhos do pescador era maravilhoso. Peixinhos coloridos, e riquíssimas algas marinhas formavam uma bela e inusitada paisagem. Entre as pedras, exóticas flores e estrelas do mar davam um toque de mágica e beleza. Pouco depois, Tarô avistou um enorme clarão de luz. Ao aproximar mais um pouco, o pescador pode visualizar um enorme palácio, cercado de corais brilhantes e com lindos telhados pontiagudos. A entrada era enfeitada de pérolas cintilantes e as paredes cobertas de ágatas e pedras preciosas de todos os tipos.

 
Continua ...
 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados