Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 10h53
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 057 - 15 a 21 de junho de 2000
 
Hanasaka jiji, o velhinho da primavera - Parte 1
 

Adaptação livre de Claudio Seto
(
Texto e desenhos: Claudio Seto)

Você já ouviu falar em Papai Noel não é mesmo? Pois bem, Papai Noel é o “Velhinho do Natal”. Assim como ele, nas lendas japonesas existe o “Velhinho da Primavera” que é o Hanasaka Jiji, literalmente significa Velhinho Floração, um personagem que todos os nipônicos conhecem e gostam. Sempre que a vida de uma pessoa está triste e solitária como galhos secos de uma árvore, os japoneses exclamam: Ah! preciso da ajuda do Velhinho da Primavera, quero florir minha vida.

Tudo começou do seguinte modo: há muitos e muitos anos, viviam numa pequena aldeia, um casal de velhinhos, pobre e sem filhos. Para amenizar a solidão, tratavam Shirô como se fosse um filho. Shirô, era uma cachorro branco e tinha esse nome óbvio, porque shirô em japonês significa branco.

Certo dia, quando o velhinho trabalhava em sua horta, Shiro começou a latir e a cavar insistentemente um determinado local, como quem indica a existência de ossos ali enterrados. O velhinho então resolveu dar uma mãozinha e cavou o local indicado. Buraco feito, para surpresa do ancião, haviam moedas de ouro, que uma vez desenterradas, brilharam com grande intensidade.

O velhinho encheu uma cesta com o reluzente achado e levou para casa feliz da vida. Do dia para a noite o casal ficou rico e consideraram o achado uma dádiva Divina. Pois com o avanço da idade, a labuta diária na roça havia se tornado muito pesada e o rico achado veio então a calhar. Nem é preciso dizer que com essa nova situação financeira da família, o esperto Shirô passou à comer do bom e do melhor e levar uma vida nada canina.

Acontece que na casa vizinha morava outro casal de velhinhos, com fama de gananciosos. Quando este segundo casal percebeu a considerável melhora no padrão de vida dos vizinhos, e um cãozinho idiota sendo tratado como rei, não tiveram dúvidas. Concluiram que o faro do quadrúpede detectava fortunas.

Dirigindo-se para a casa ao lado, o velho ganancioso foi logo pedindo o cachorro emprestado. Alegou que todos eram filhos de Deus, portanto todos tinham também o direito de ficar ricos, inclusive ele e sua mulher. Diante do velho argumento, o bondoso velhinho concordou plenamente em emprestar o animal de estimação. Acontece que Shiro não queria acompanhar o vizinho. Então, este amarrou uma corda no seu pescoço e levou-o arrastando para a roça.

Lá chegando, como o cachorro não indicava lugar nenhum, o velho malvado o arrastou por toda horta. Num sufoco terrível, Shiro se debatia, esperneava, grunhia e fazia das patas freios de mãos e pés. Mesmo assim, o impiedoso homem continuava puxado a corda com toda sua força.

- Seu cachorro teimoso, mostre-me onde tem ouro ou lhe mostro o que é bom pra tosse.
Existem situações que nem cachorro agüenta. Por isso revoltado, Shirô latiu contra o tirano com todo ar de seus pulmões. Porém, cego pela ganância, o latido soou como música nos ouvidos do malvado. Pois ele entendeu que Shirô estava indicando o local do tesouro

Com os olhos estalados de ambição, o vizinho começou a cavar feito um doido. Depois de muito esforço e suor, só encontrou pedras e cacos de telhas na escavação. Quando já estava a ponto de desistir, viu algo que brilhou em meio as terras. O ganancioso então, certo de que fosse ouro, atirou-se de corpo e alma ao fundo do buraco. Cavou apressadamente com as mão o restante das terras. Nisso o buraco cedeu aos seus pés, e o velho do vizinho se viu atolado em monte de fezes. O coitado havia encontrado um antigo e soterrado fosso.

Em meio a toda aquela melequeira ele entendeu então, porque dizem que “nem tudo que reluz é ouro”.

Shirô deu boas gargalhadas como fazem os cachorros da lendas. Porém, ao sair enfurecido do fosso, o velho malvado com a enxada deu um golpe fatal na cabeça do cachorro.

Notificado do ocorrido, o velhinho bondoso, sentiu-se culpado pôr ter emprestado seu estimado cão a um vizinho de má fama. Ao recolher o cadáver, pediu perdão a Shirô, pois filho não se empresta. Chorando, o casal enterrou o pobre cachorro no canteiro principal do jardim de seu quintal. Sobre a cova do bichinho plantou uma semente de pinheiro.

Diariamente o casal de velhinhos chorava na sepultura do filho (cachorro) e as lágrimas regavam a terra. Assim, como que pôr magia, o pinheiro cresceu rigorosamente, tornando-se em pouco tempo uma enorme árvore.

Então, o velho, consultando seu coração, disse à mulher:
- Minha velha, essa arvore é um milagre do nosso Shirô. Creio com muita fé que seu espírito está dentro desse tronco.

A velhinha, que concordava com o ponto de vista do marido, sugeriu:
- Shiro gostava tanto de moti, que tal fazer deste tronco um ussu (pilão) assim o espírito de Shiro ficará sempre perto de seu prato predileto.

Certo de que Shiro iria aprovar a idéia, resolveram cortar a árvore e fazer um belo pilão. Quando foram testar o pilão socando nele o arroz glutinoso, a cada batida do malhete, mais e mais aumentava a quantidade de moti, e com apenas um punhado de arroz, fizeram uma montanha de bolinhos.

O casal vizinho que a tudo assistiu do buraco da cerca, veio imediatamente pedir emprestado o pilão. Sem ter coragem de dizer não, mais uma vez o bondoso velhinho atendeu o pedido. Ao chegar em casa, a dupla gananciosa, começou a socar o arroz no pilão, esperando o milagre da multiplicação de moti. Mas para surpresa e desgosto da dupla gananciosa, o arroz transformou-se numa tremenda meleca de mal cheiro. O pior de tudo é que a sujeira não parava de aumentar e a cozinha transformou-se numa lagoa de imundices.

 
Adaptação livre de Claudio Seto
 
Veja na semana que vem, o que acontece com o vizinho ganacioso
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados