Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 06 de agosto de 2020 - 7h03
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 053 - 18 a 24 de maio de 2000
 
Momotarô - Parte 1
Mais fantástico que a ovelha Dolly. Criança nasce de um pêssego no Japão.
 

Adaptação livre de Claudio Seto
(Ilustração: Claudio Seto)

Há muitos, muitos, muitos e muitos anos antes das pessoas pensarem em inseminação artificial, bebê de proveta e clonagem de ovelha, no Japão, um casal de velhinhos ao tentar fatiar um enorme pêssego para saborear até o caroço, surpreendido constatou que no lugar da semente, havia uma criança humana de sexo masculino, forte e sadia. Embora o objetivo inicial desse fenômeno não fosse exatamente o que se prega agora, atualmente os clones desse lendário garotinho são usados na tevê japonesa, em comerciais de iogurtes, fortificantes e vitaminas.

Tudo começou quando o velhinho foi à floresta cortar lenhas e a velhinha lavar roupas no riacho. De repente um som estranho que fazia “donburakô, donburakô, donburakô” chamou a atenção da anciã. Ao levantar a cabeça, ela viu um objeto-estranho-não-identificado flutuando correnteza a baixo. Como a tal coisa estava longe da margem, a velhinha começou a cantarolar uma canção-simpatia usada no Japão para atrair vaga-lumes: Ati no mizu wa karai yô / koti no mizu wa amai yô... (A água de lá é salgada, a água de cá é doce...). Logo ela percebeu que se tratava de um enorme pêssego.

Para provar que fruta também gosta de música, o pessegão veio rolando, rolando, rolando em direção da velhinha - donburakô, donburakô, donburakô (isso é uma onomatopéia nipônica, não confundir com Don Buraco, essa é uma outra história). A anciã mais que depressa o apanhou o pêssego. Como era muito grande precisou carregá-lo com enorme esforço para casa.

Tão logo o velhinho retornou da floresta, os dois resolveram saborear a enorme fruta. O achado iria garantir o rango (goran de trás pra frente) de uma semana. Quando o velhinho pegou a faca para cortar o pêssego, a fruta dividiu-se em duas partes e, de dentro dela um garotão pelado, abriu os braços para a fama da carreira lendária que estava para começar. Era um lindo e saudável menino, tipo bebê Jonhson de olhos puxadinhos.

A velhinha e o velhinho ficaram pasmos com aquela angelical presença e sentiram-se extremamente felizes, pois não tinham filhos, e consideraram o baixinho uma dádiva dos kami (deuses).

O menino recebeu o nome de Momotarô, porque Momo significa pêssego e Taro é um nome popular entre meninos japoneses. A criança foi tratada com muito carinho pelos bons velhinhos e crescia à olhos vistos. Cada tigela de kibi (milhete - uma espécie de milho de grão miúdo) que comia, tornava maior na mesma proporção. Sendo um comilão assumido e como tudo que comia era revertido em crescimento, logo tornou-se um robusto menino, cuja força não encontrava páreo na vizinhança.

Naquela época, contavam que surgiu numa das ilhas de Setonaikai (Mar de Seto) seres demoníacos que os japoneses chamavam de oni. Esses indivíduos saqueavam as aldeias próximas e raptavam as donzelas, causando temor e sofrimento ao povo da região. Como os oni eram grandes, fortes e impiedosos, além da aparências medonhas, com peles vermelhas e outras cores mais, os aldeões ficavam apavorados só de pensarem que de uma hora para outra, eles invadiriam suas casas. Os moradores locais, não tinham coragem de combatê-los com medo de levar uma boa chifrada, pois os tais demônios eram dotados de belos par de cornos nas cabeças louras e cacheadas.

Certo dia, Momotarô ajoelhou-se polidamente à frente dos anciões e inclinou a cabeça em profundo respeito e pediu: “Quero ir a Onigashima (Ilha dos oni) para acabar de vez com os demônios que tanto atemorizavam o povo. Por favor, deixem-me ir”. Os velhinhos ficaram preocupados com medo que acontecesse algo ao filho, porém, como este tinha idéia fixa e insistia tanto que acabaram concordando, afinal “o ideal de salvar o povo era algo nobre e irrecusável”.

A velhinha preparou uma porção de bolinhos de milhete (kibidangô), e colocou na bolsa de Momotarô, para ele levar de lanche na épica viagem. Momotarô em traje impecável partiu animado sob muitas recomendações dos preocupados velhinhos...

 
Adaptação livre de Claudio Seto
 
Não perca na próxima edição a grande batalha de Momotarô e os Oni
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 286
A bela mulher do desenho
Arquivo Nippo - Edição 284
A lenda do Nobre Galo
Arquivo Nippo - Edição 282
O rei das trutas iwana
Arquivo Nippo - Edição 280
O gato assombrado de Nabeshima
Arquivo Nippo - Edição 278
Tanokyu e a serpente gigante
Arquivo Nippo - Edição 276
Anchin e Kiyohime
Arquivo Nippo - Edição 274
O legendário Hidesato
Arquivo Nippo - Edição 272
A princesa Peônia
- Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 270
A princesa Peônia
- Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 268
A tennin e o pescador
Arquivo Nippo - Edição 266
Kitsune Tokoya
Arquivo Nippo - Edição 264
A Gata Encantada
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados