Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 18 de maio de 2022 - 0h13
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 056 - 8 a 14 de junho de 2000
 
O fantasma que assombrou o Japão
A vingança póstuma de Sugawara no Michizane – Parte 2
Acompanhe a conclusão da trajetória de um dos mais importantes personagens da história japonesa. Sugawara no Michizane foi um respeitado intelectual que no período feudal (século 10) tentou tomar o poder do clã Fujiwara. Impotente diante da força política de Fujiwara, Sugawara foi derrotado e relegado a ilha de Kyushu, um duro castigo
para quem acopara um dos cargos mais altos do governo.
Mesmo assim, exerceu a obediência até morrer bem depressa e sem barulho.
Era o que queriam. Teve até a discrição de não se matar - definhou.
 

(Por Claudio Seto)

A vingança do defunto

Foi então que se vingou! Seu inimigo Fujiwara no Tokihira que tramou a calúnia, morreu logo depois, no auge do poder. E mais tarde seu neto com a idade de vinte anos e seu bisneto de quatro anos, que possivelmente seriam levados ao trono também morreram. “Vingança de Michizane”, foi a interpretação sugerida por seus amigos, pelo inimigos de seus inimigos, talvez até também pelo sentimento tardio de culpa de seus caluniadores. Interpretação imediatamente confirmada pela superstição do povo, sempre disposto a imputar os malefícios do acaso à malignidade de uma intenção oculta. Numa época sem luz elétrica e cheio de enormes mosteiros e palácios com corredores sem fim, a idéia de que um inimigo poderia ser mais perigoso morto que vivo, era pensamento corrente. Quando se tratava de vingança de um defunto, o medo era maior, pois espada de samurai, por mais afiada que fosse, não cortava assombração.

O pânico tomou conta do poder. Qualquer barulho na calada noite era atribuído à Michizane. Dessa paranóia geral, uma sucessão de casos surgiram e viam o fantasma do ministro por toda parte. Muitas mulheres do clã Fujiwara chegaram a ficar dementes e outras se refugiaram em mosteiros, sob proteção de monges nada santos. Valentes guerreiros foram convocados para enfrentar a aparição e religiosos budistas realizaram longas cerimônias místicas para exorcizar o espírito do defunto. O que num primeiro momento pareceu satisfatório, se mostrou ineficiente na seqüência. De 909 a 911, houve epidemias, inundações e incêndios, cujo autor ninguém tinha dúvidas: Michizane! Ele tinha morrido há trinta anos, mas continuavam a lhe atribuir todas espécies de represálias.

Depois de ter sido o mais submisso dos súditos, mostrou-se o defunto mais turbulento. Contradição cheia de sentido: sob a moral de Estado, que impunha obediência sem reservas à autoridade imperial, subsistia a moral do clã, que fazia da vingança uma virtude. Solução de compromisso: podia-se tirar vingança, mas com uma condição - devia-se estar pronto para morrer, consentir em expiar com a vida as rivalidades que ameaçavam o repouso do Império.

Michizane tinha quitado esse pagamento antecipadamente: sua submissão, sua morte silenciosa, se não voluntária, pelo menos consentida, davam-lhe o direito de perseguir os inimigos.

Finalmente deram conta de que era preciso apaziguar a cólera póstuma de Michizane que estava fazendo do país o caos. A corte e a aristocracia foram unanimes em decretar reparações solenes ao defunto injustiçado. Era cerimônia atrás de cerimônia: ele foi reabilitado, reconheceram publicamente sua inocência e lealdade, restituíram-lhe seus títulos, conferiram-lhe novos e nomearam o morto Ministro dos Negócios Supremos - um braço direito do imperador.

Como se tudo isso não bastasse ao célebre defunto, no ano 947, foi nomeado kami das letras (deus das Letras). Construíram em sua homenagem e culto, o santuário de Kitano, ao norte da capital - depois muitos outros, por toda parte do Japão. Seu destino de obediência e de vingança, na interseção de duas éticas em perpétuo diálogo, pareceu tão exemplar que ele se tornou uma das divindades mais populares do país, e assim, o Japão voltou aos bons tempos de paz e prosperidade.

 

Comentários:
Não se brinca com os fantasmas no Japão. Nem outrora nem agora. Numerosos são ainda os programas de televisão que, todo ano, com testemunhos e fotografias como prova, colocam e recolocam a questão. Em todas as épocas histórias de fantasmas e aparições insólitas (kaidan) fizeram parte da vida dos japoneses tementes da vingança dos mortos (tatari), dos espíritos enraivecidos (onryo) e todos aqueles que resolveram dar uma volta no além para melhor acertar as contas. Como mostra a história de Michizane, só se realiza uma boa vingança depois de morto, bem à vontade e sem nenhum risco.

A verdade seja dita a esse mundo tão cruel em sua indiferença: faz-se justiça depois de tantas injustiças suportadas em silêncio.

(Cláudio Seto)

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 324
Era Meiji (Parte 5) - Gakumon no susume Era Meiji (Convite ao saber)
Arquivo Nippo - Edição 322
Era Meiji (Parte 4) - Trabalho e sociedade
Arquivo Nippo - Edição 320
Era Meiji (Parte 3) - Coréia: muralha de proteção
Arquivo Nippo - Edição 318
Era Meiji (Parte 2) - O despertar da modernidade
Arquivo Nippo - Edição 316
Era Meiji (Parte 1) - O imperador assume o poder
Arquivo Nippo - Edição 314
Era Edo (Parte 7) - Os revolucionários e a queda do xogunato Tokugawa
Arquivo Nippo - Edição 312
Era Edo (Parte 6) - Popularizacao de algumas formas de arte
Arquivo Nippo - Edição 310
Era Edo (Parte 5) - As três fases culturais
Arquivo Nippo - Edição 308
Era Edo (Parte 4) - Os grandes impérios do
Ocidente invadem o Oriente
Arquivo Nippo - Edição 306
Era Edo (Parte 3) - Fome, revoltas e novas políticas
Arquivo Nippo - Edição 304
Era Edo (Parte 2) - Proibição do cristianismo e fechamento dos portos
Arquivo Nippo - Edição 302
Era Edo (Parte 1) - O início do isolamento japonês
Arquivo Nippo - Edição 300
Era Azuchi-Momoyama (Parte 4) - As mulheres que viveram na era das guerras
Arquivo Nippo - Edição 298
Era Azuchi-Momoyama (Parte 3) - Batalha de Sekigahara
Arquivo Nippo - Edição 296
Era Azuchi-Momoyama (Parte 2) - Nanban Bôeki
Arquivo Nippo - Edição 294
Era Azuchi-Momoyama (Parte 1) - O início da unificação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 292
Era Muromachi (parte 4) - Tempos de piratas, comércio e expansão
Arquivo Nippo - Edição 290
Era Muromachi (parte 3) - Cultura Kitayama e Higashiyama
Arquivo Nippo - Edição 288
Era Muromachi (parte 2) - A era dos países em guerra
Arquivo Nippo - Edição 286
Era Muromachi (parte 1) - Era de duas cortes e “Restauração Kenmu”
Arquivo Nippo - Edição 284
Era Kamakura (parte 4) - Novo budismo em Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 282
Era Kamakura (parte 3) - Habitações da cidade medieval de Kamakura
Arquivo Nippo - Edição 280
Era Kamakura (parte 2) - Yoshitsune, Benkei e Shizuka-gozen
Arquivo Nippo - Edição 278
Era Kamakura (parte 1) - Consolidação da política dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 276
Era Heian - Parte 4
Era Heian e o budismo
Arquivo Nippo - Edição 274
Era Heian - Parte 3
Hiragana e a literatura
Arquivo Nippo - Edição 272
Era Heian - Parte 2
O surgimento dos samurais
Arquivo Nippo - Edição 270
Era Heian - Parte 1
Os grandes latifúndios


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados