Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 27 de outubro de 2021 - 20h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
No mar da província de Kanagawa, o tratado de comércio e amizade entre Japão e Estados Unidos foi assinado

Navio da frota de Perry impressionava os japoneses (acima); Ii Naosuke, o homem mais poderoso de seu tempo e o último defensor do xogunato de Tokugawa (a baixo)

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

No dia 3 de março de 1860, coincidindo com o dia da festa sazonal das bonecas, aproximadamente às 9 horas de uma manhã de nevasca, um tiro de revólver ecoou nas proximidades do Portão Sakurada, área externa do Castelo de Edo. A emboscada conhecida como Sakuradamon gai no hen foi fruto da ação de 18 samurais errantes contra uma liteira protegida por 60 seguranças, num atentado que tirou a vida do homem mais poderoso do governo feudal de Tokugawa, o ministro-chefe Ii Naosuke. Para eles, acostumados desde o início da Era Edo com a política de isolamento do país, era inimaginável que, com a abertura dos portos ao estrangeiro, estrangeiros passassem a ingressar no Japão para fins de comércio.

Qual foi o contexto do acontecimento?
Em 3 de junho de 1853, ancoraram no alto mar de Uraga (atual província de Kanagawa) os navios a vapor Susquehanna (2.450 t e 300 tripulantes) e Mississippi, juntamente com navios a vela Plymouth e Saratoga, da frota Índico-Oriental dos Estados Unidos, sob comando do almirante Matthew Calbraith Perry. As autoridades da magistratura de Uraga solicitou que a frota se dirigisse ao Porto de Nagasaki, o que foi recusado por Perry, que pretendia entregar a carta autógrafa do presidente norte-americamo Millard Fillmore, ameaçando um bombardeio com canhões, se não fosse atendido. O povo de Edo sentiu-se acuado, como está expresso neste poema: “somente quatro navios a vapor destroem o sonho da grande paz; não é possível sequer dormir”. A frota, enorme e negra, parecia-lhes como um dragão atravessando o oceano. Por fim, no dia 9 de junho, o governo feudal Tokugawa recebeu a carta autógrafa do presidente dos Estados Unidos. Perry prometeu aguardar a resposta na primavera seguinte, seguindo rumo aos Estados Unidos, após fazer uma demonstração de poder pela Baía de Edo.

A assinatura do tratado de comércio e amizade com os países
O mundo buscava, na época, após passar pela Revolução Industrial, a ampliação do mercado para o comércio exterior. Especialmente o governo feudal de Edo, que sabia da situação humilhante por que passavam a Índia e a China, espoliadas como colônias da Inglaterra, pretendia adotar a postura de abrir os portos e manter a independência. Por isso, em 19 de junho de 1857, a bordo do navio Powhatan, no alto mar da província de Kanagawa, o tratado de comércio e amizade entre Japão e Estados Unidos foi assinado pelo cônsul-geral dos Estados Unidos, Townsend Harris, e pelo magistrado Inoue Kiyonao, responsável pelos assuntos exteriores do governo feudal. Infelizmente, até mesmo no tocante aos impostos alfandegários, a vantagem recaiu sobre os Estados Unidos. Posteriormente, o tratado foi firmado também com Holanda, Rússia, Inglaterra e França.

O imperador e o contra-ataque dos defensores do isolamento
O imperador Komei recusou-se a sancionar estes tratados de comércio. Com relação a isso, o ministro-chefe Ii prendeu e executou 75 pessoas, dentre eles ideologistas que defendiam a manutenção do isolamento do país. Este ato foi denominado “execução em massa da Era Ansei”. Muitos grupos agiram em retaliação a esse ato, ocorrendo divisão e uma situação de guerra civil entre os que defendiam a abertura e os que queriam o isolamento. Isso levou à queda o governo feudal de Tokugawa e a história caminhou para restauração do regime imperial (restauração de Meiji). Após a restauração de Meiji, optou-se por igualar-se às grandes potências mundiais por motivos de sobrevivência.

Yoshida Shoin
Yoshida Shoin, um patriota dos fins do governo feudal pertencente ao feudo de Choshu, foi a Edo para estudar sobre o Ocidente junto com Sakuma Shozan. Quando a frota de Perry aportou em Shimoda, ele tentou sem sucesso empreender um embarque clandestino. Foi preso, mas posteriormente abriu em sua terra natal a escola Shokasonjuku, para orientar jovens. Sempre com visão voltada para a situação mundial, Yoshida considerou que, para a independência do Japão, seria necessário abrir os portos e estabelecer relacionamentos comerciais internacionais. Posteriormente, foi executado na prisão. Mishima Yukio, conhecido mundialmente por praticar suicídio partindo o próprio abdômen no exército de autodefesa, preocupando-se com o futuro do Japão, teria encarado Yoshida Shoin como um modelo.


Arquivo NippoBrasil - Edição 299 - 9 a 15 de março de 2005
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados