Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sábado, 15 de dezembro de 2018 - 8h30
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


 
Hanafuda

As cartas de hanafuda datam do Período Edo e retratam as estações do ano através das plantas e animais típicos
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Quando chega o mês de fevereiro, flores de ameixeira que se abrem de uma só vez exalando um delicioso perfume e o canto do rouxinol são acontecimentos que marcam esta estação do ano. Em haikai, ume (ameixeira) simboliza a primavera e uguisu (rouxinol) o verão. Dizem também que entre estes dois elementos não há relação de simbiose.

Em Hanafuda, um jogo que foi muito praticado no período Edo, também figuram na ilustração do mês de fevereiro a ameixeira e o rouxinol. Mesmo nos jogos, podemos observar conjuntos ou pares da natureza como “ameixeira e rouxinol”, “lua cheia e susuki (espécie de gramínea)” ou “pinheiro e grou”.


A HISTÓRIA DE KARUTA

Considera-se que o karuta (baralho) japonês provém de duas correntes originais. A primeira corrente seria a de kaiooi (jogo de juntar duas conchas que tenham o mesmo desenho ou o mesmo poema) praticado no palácio do período Heian e utaawase (jogo de juntar poemas). A outra corrente seria a das cartas retangulares (versão primitiva dos baralhos ocidentais de hoje) trazidas pelos portugueses nos meados do século 16. A primeira tratava-se de um jogo praticado por princesas e pessoas nobres, e a segunda, por ser leve e de fácil transporte, dizem que foi muito utilizada pela classe dos guerreiros como forma de entretenimento nas frentes de batalhas. Também no Período Edo difunde-se entre os populares o “kacho awase karuta” (cartas para juntar figuras de flores e pássaros), o “kokinshuu eiri karuta”(cartas ilustradas de kokinshu - coletânea de poemas elaborada no século 10 a mando do imperador), entre outros.


A HISTÓRIA DE HANAFUDA

Este tipo de cartas são chamadas de hanafuda (cartas de flores) porque as cartas são ilustradas com 12 espécies de plantas desde janeiro até dezembro. São plantas representativas do Japão como pinheiro, ameixeira, cerejeira, glicínia, íris, peônia, hagi (lespedeza bicolor), susuki (miscanthus sinensis), crisântemo, folhas coloridas de outono, salgueiro e paulóvnia. Os animais que combinam com elas são: grou, rouxinol, hototogisu (cuculus poliocephalus), borboleta, javali, ganso selvagem, cervo, andorinha e fênix (pássaro imaginário da antiga China, que traz sorte). São quatro cartas da mesma espécie num total de 48 cartas, sendo a pontuação diferente conforme a carta. O jogo é praticado por 3 ou 4 participantes, que determinam quem vai ser o “pai”, e este coloca no campo 6 cartas com lado direito para cima e distribui para cada participante 7 cartas. O restante das cartas é deixado num único monte. Na seqüência, vai-se formando conjuntos de cartas colocadas no campo com as que tem em mãos, até que acabem as cartas do campo. Então, passa a pegar as cartas do monte reservado e o jogo termina quando se esgotarem as cartas do monte. Ganham mais pontos aqueles que conseguiram juntar mais cartas do mesmo mês ou que ficarem com maior número de cartas. O jogo é parecido com Twenty-one poker.

Entretanto, por ser um jogo que depende de sorte e que portanto oferece a excitação do risco de perda, o hanafuda foi muito utilizado para apostas e jogos de azar. Devido a isso, logo em 1597 já ficou proibido por lei. Dizem também que entre 1830 a 1844 houve períodos em que a venda de hanafuda ficou proibido. Dizem inclusive que o “Kokinshu karuta”, também considerada a forma anterior de hanafuda, continham poemas para disfarçar o seu uso para fins de apostas e jogos de azar. Parece que havia vários “jeitinhos” de se livrar dos olhos dos fiscais. Mesmo atualmente, a venda de karuta é tributada.


Arquivo NippoBrasil - Edição 191 - 29 de janeiro a 4 de fevereiro de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas
Arquivo Nippo - Edição 125
Kodo - A arte de apreciar fragrâncias
Arquivo Nippo - Edição 123
Noshi - Mizuhiki
Arquivo Nippo - Edição 121
Nihon Buyou
Arquivo Nippo - Edição 119
Hashi
Arquivo Nippo - Edição 117
Karakuri Ningyou
Arquivo Nippo - Edição 115
Dia do Boi
Arquivo Nippo - Edição 113
Hinomaru
Arquivo Nippo - Edição 111
Origami: dobradura de papel
Arquivo Nippo - Edição 109
Parto

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

162 usuários online