Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 07 de março de 2021 - 0h33
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Tatuagem – Irezumi


Tatuagem manual pode levar de seis meses a um ano para ser feita

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

A tatuagem é uma moda que atrai jovens de grandes metrópoles do mundo todo. Entretanto, atualmente, a preferência é pela tatuagem não definitiva. A tatuagem genuína é reconhecida mundialmente como uma forma de arte corporal, também chamada de estética da desintegração, pois, por mais qualidade que tenha, desaparece com a morte da pessoa tatuada.


Em registros coreanos do século IV, consta que tanto homens quanto mulheres utilizavam tatuagens no rosto e no corpo, costume que persistiu entre os ainus, povo da região de Hokkaido

A história da tatuagem
Partiu do Egito e expandiu-se para todos os países a prática de pintar rosto e corpo utilizando cores variadas. A prática tinha um significado ligado a magias e a rituais como comemorações de maioridade, casamentos ou funerais. A palavra tatoo teria sua origem no idioma polinésio (ta-tau). Supõe-se que todos os povos circunvizinhos ao Oceano Pacífico possuíam a tradição da tatuagem. Em 787, ela foi proibida pelo Papa, sendo considerada um ato de selvageria. Por volta do século XVI, os holandeses tiveram contato com esquimós, que tinham o costume de se tatuarem, e os levaram até seu país, para expô-los ao público. A Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos em 1879. Depois disso, a tatuagem ganhou uma conotação fora-da-lei no Ocidente. Em 1891, Samuel O’Reilly desenvolveu um aparelho elétrico para fazer tatuagem. Durante a Segunda Guerra Mundial, a tatuagem foi muito utilizada por soldados, que gravavam o nome da pessoa amada em tamanho pequeno em seus corpos. A primeira convenção sobre tatuagem foi realizada em Houston, Texas, em 1976.

E no Japão?
Em registros coreanos do século IV, consta que tanto homens quanto mulheres japoneses utilizavam tatuagens no rosto e no corpo, costume tal que persistiu entre os ainus (tribo indígena habitante da região de Hokkaido) até pouco antes da Segunda Guerra Mundial. Em registros do século VIII, a prática da tatuagem é chamada de bunshin e também era utilizada para identificar criminosos.

No início do século XVIII, devido à popularização das gravuras de heróis de ukiyo-ê (arte gráfica japonesa), a tatuagem alcançou o seu auge, sendo chamada também de horimono ou wabori (entalhes japoneses). O governo feudal expediu por várias vezes a ordem de proibição das tatuagens, mas a prática obteve grande aceitação entre marinheiros, puxadores de liteira, bombeiros, operários de construção civil, ou seja, profissões que deixam o corpo à mostra. O governo Meiji também expediu uma ordem de proibição da tatuagem, por considerá-la uma prática selvagem. Entretanto, ironicamente, os nobres da Rússia e da Inglaterra foram atraídos pela beleza dessa arte corporal e fizeram uma visita especialmente para conhecê-la. Na ocasião, o governo teria realizado um evento reunido os mais renomados tatuadores.

Por que se tatuar?
Os motivos para as tatuagens são tirados da história, da cultura, da religião, dos costumes, etc. As figuras mais populares foram as heróicas, da história, ou animais fortes, como o tigre, o dragão, o leão, etc., ou ainda motivos religiosos como o Fudo Myoo (divindade budista), beldades celestiais, deuses, entre outros. Dizem que a tatuagem manual provoca dores como as de cortes feitos com lâminas cegas, além de febre. O que leva as pessoas a passar por tudo isso para ter uma tatuagem? Especialistas analisam o ato como uma forma de ligar-se a heróis, preenchendo-lhes o desejo de se unirem a seus objetos de adoração. O fato de tatuar o nome da pessoa amada também está ligado ao desejo de que ela seja uma pessoa eterna. Há algum tempo, a tatuagem era sinônimo de yakuza (mafiosos), significado hoje superado.

Quanto tempo leva para se fazer uma tatuagem?
Depende da habilidade do tatuador, mas uma tatuagem manual leva de seis meses a um ano. Perfura-se a pele, introduzindo tinta-da-china e cores como vermelho, verde, azul, etc. Demora semanas ou até meses para que essas cores se fixem. Uma tatuagem manual que abrange o corpo todo levaria de dois a três anos para ser realizada. O preço varia conforme o tatuador, podendo ultrapassar 15 mil ienes por hora. No Japão, foi lançada, recentemente, a revista Tatoo Burst, especializada em tatuagens. Quem quiser apreciar mais tatuagens, pode acessar o site www.irezumi.us.


Arquivo NippoBrasil • Edição 263 • 23 a 29 de junho de 2004
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados