Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 08 de março de 2021 - 20h20
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
História e origem do banho de ofurô

Para economizar água e evitar incêndios, boa parte dos habitantes do Japão antigo era adepta dos banhos públicos que, no início, eram uma espécie de sauna


BANHOS PÚBLICOS - Proibição do governo separou banhos de homens e de mulheres

 

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

O ofurô, banho em estilo japonês, vem se tornando uma mania no Brasil. Dizem que o banho com pétalas de flores são muito procurados para fins terapêuticos e qualquer pessoa se sente leve de corpo e alma depois de um banho como esse. Mas qual é a história do ofurô e como ele era usado na Antiguidade?

O que significava o ato de se lavar?
O misogi, ato de purificar o corpo, era indispensável em cerimônias religiosas. Ainda nos dias de hoje, as pessoas têm o costume de enxagüarem a boca e lavarem as mãos antes de fazerem visitas aos santuários xintoístas. Nos templos budistas, era comum a prática de uso gratuito do banheiro dos templos para banhos como parte do treinamento. A maior e mais antiga sala de banho do Japão encontra-se no Templo Todaiji e possui nada menos que 100 tsubo – uma área equivalente a 330 m2. Construída em 784 e reconstruída por iniciativa do monge Chogen no ano de 1197, hoje a construção ainda existe no local, porém não é permitida a visitação pública.

A origem do ofurô
Inicialmente chamado de ishiburo ou iwaburo, o ofurô era um tipo rudimentar de sauna. Utilizava-se uma concavidade natural, ou buracos escavados nas montanhas de pedras, onde eram queimadas folhas secas de shida (samambaia), ou de pinheiro para aquecer o lugar. Depois, as cinzas eram retiradas e colocava-se no local uma esteira sobre a qual jogavam a água do mar para criar vapor. Dizem que esse processo é peculiar no Japão, praticado em regiões litorâneas somente no verão. Os homens tinham o costume de banharem-se usando fundoshi (faixa utilizada como roupa íntima); e as mulheres, koshimaki (roupas íntimas), compartilhando o mesmo espaço. Mais tarde, surgiu o chamado kamaburô, um grande caldeirão onde se queimavam folhas frescas seguindo o mesmo processo do iwaburo. Foi a partir da Era Edo que passou a ser utilizada a atual forma de banho de imersão com água quente em abundância.

A consolidação da cultura de Machiyu (banho público)
A Grande Edo (atual Tóquio) do século XVII era uma grande metrópole com 1 milhão de habitantes. Lá, o banho público era muito utilizado por várias razões: à exceção da classe dos nobres e dos daimiôs (senhores feudais), as demais famílias eram proibidas de ter o banho em suas próprias casas, por medida de controle de água e prevenção de incêndios. O banho público era uma espécie de sauna, mas não conseguia atender um grande número de pessoas simultaneamente. Assim, passou-se a utilizar o nível de 30 cm de água quente para o aquecimento a partir dos pés e, depois, banheiras cheias de água quente. Supõe-se que essa adaptação foi, em parte, influenciada pelo costume de banhar-se nas termas de todas as regiões japonesas.

Nos banhos públicos, surgiu a figura de yuna, as mulheres que lavavam as costas, penteavam os cabelos e ajudavam as pessoas a se vestirem ou, ainda, serviam chá. Estima-se que a origem das yuna esteja no fato de os guerreiros vindos de batalhas terem recebido os cuidados dessas mulheres para tratar de seus corpos e espíritos. Em conseqüência disso, houve a degradação dos bons costumes entre homens e mulheres, com a expedição de várias ordens de controle por parte do governo feudal, porém sem sucesso. Dizem que a moda da época era ditada pelas prostitutas e pelas yuna, e que os banhos públicos onde havia belas mulheres eram os que mais prosperavam.

O piso superior do banho público era um local reservado aos homens e servia como vestiário, local para o exercício de jogos como go ou shogi e onde se conversava sobre os mais variados assuntos, inclusive os profissionais. Os banhos mistos desapareceram rapidamente, sendo proibidos pelo governo Meiji, em resposta às críticas de países ocidentais.

Os vários tipos de ofurô
A proliferação do ofurô levou à construção de banhos simples espalhados por toda a região. Os habitantes de Edo gostavam muito do ofurô, prova disso são os mais variados tipos inventados por eles, além do banho público. Um deles era o ninaiburô, uma banheira portátil de tamanho reduzido para o banho individual. Havia até as banheiras instaladas sobre os barcos, as chamadas yubune. Atualmente, as pessoas apreciam não somente o ofurô, mas também as termas e se divertem com centros de jogos e spa, tudo conjugado em um único local.


Arquivo NippoBrasil - Edição 271 - 18 a 24 de agosto de 2004
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados