Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 04 de março de 2021 - 12h23
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Dia da proteção aos animais
Dia 20 de março é o Dia da Proteção aos Animais no Japão. A data foi fixada em comemoração à abertura do jardim zoológico de Ueno, em Tóquio, no ano de 1882
 

A partir do século 17, começou a criação de animais de estimação
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Na era da caça o cão era imprescindível para a vida do Homem e, na era do cultivo agrícola, o cavalo e o boi. Em toda e qualquer época, o Homem e o animal sempre mantiveram um convívio.

Criar animais de estimação como cães, gatos, pássaros, peixes dourados, carpas, etc, foi uma opção que esteve em voga entre os populares e agricultores a partir do século 17, aproximadamente, quando estes passaram a gozar de uma vida relativamente tranqüila. Há também registros de que na segunda metade do século 18, animais eram expostos para apreciação pública em locais como casas de chá.

O governo Meiji dedicou esforços para reunir em museus, espécimes embalsamadas ou empalhadas de animais e amostras de plantas e, ao mesmo tempo, passou a criar exemplares vivos de animais. Dessa forma, em 1882, chegou-se à abertura do Jardim Zoológico de Ueno.

No imaginário

Temos inúmeros contos antigos que tratam de animais que, sendo salvos pelo homem, retribuem o ato com gratidão. O mais comum é o enredo em que o animal cuja vida foi salva, retorna assumindo a forma de um ser humano e se casa com a pessoa que a salvou. Temos como exemplo o conto “Tsuru no Ongaeshi” e outros. Há várias outras versões como o velhinho que repartiu o seu mochi (bolinho de pasta de arroz) com um rato e este retribuiu-lhe com um tesouro, ou a estória de um velhinho que ajudou um pardal cuja língua fora cortada, recebendo em troca uma imensa fortuna. Provavelmente tratam-se de contos transmitidos entre gerações para mostrar como os antigos viviam junto à natureza e também o espírito de ajuda mútua.

Na religião

Desde antigamente, existem no mundo inteiro religiões primitivas que cultuam animais com algum tipo de poder, veneno ou periculosidade que o ser humano não possui. Por exemplo, a cobra é associada ao lençol freático, sendo considerada a origem da boa safra e, por extensão, passou a ser uma divindade protetora da casa e da fortuna. Em frente aos santuários xintoístas no Japão há um par de komainu (animal parecido com leão), posicionado para guardar o templo dos maus espíritos, com uma feição pouco amistosa. Nos santuários Inari jinja, há imagens de raposas diante da imagem divina como sendo mensageiro divino. Há também o boneco maneki neko, o gato da fortuna, que atrai sorte para o comércio. No Brasil também temos, por exemplo, a “pata de coelho” que atrai a sorte.

Os preferidos

Atualmente no Japão existem cerca de 19 milhões de cães e gatos em 14,5 milhões de lares. Dizem que isso significa que em cada três lares, um possui algum animal de estimação. Dizem que em São Paulo há mais pet shops do que farmácias.

No Japão as residências são pouco espaçosas, o que acaba refletindo na escolha de cães de pequeno porte como chiuaua, shih tzu ou dachshund, ao invés de cães da raça akita, tosa ou outras de origem japonesa. Além de cães e gatos são também criados hamsters, passarinhos, mini-porcos, etc. Dizem que nos Estados Unidos há desde médicos psiquiatras para cães e gatos até cirurgiões para peixes tropicais e outros.

Como resultado da redução do número de filhos e o envelhecimento da população no Japão, os animais de estimação passaram a ser importantes parceiros, podendo ser considerados parte da família, principalmente pelos idosos que vivem só. Além disso, com a diminuição da confiança entre as pessoas, o papel dos animais de estimação está sendo cada vez mais importante.

No Brasil

Recentemente, vem ocorrendo uma série de misteriosos crimes contra os animais. Cerca de 60 espécimes do zoológico de São Paulo foram mortos por envenenamento, provocando a indignação do povo paulistano.


Arquivo NippoBrasil - Edição 249 - 3 a 9 de março de 2004
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados