Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Segunda-feira, 28 de setembro de 2020 - 3h02
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Provas garantem bom empregos desde o período Edo

Sistema seletivo para ingresso no funcionalismo público japonês começou nos anos 1.700


Aos 15 anos, os alunos faziam um exame que durava quatro dias

 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

No Período Edo, a educação de acordo com o sistema de castas sociais foi implantada em todo o Japão. A classe dos “bushi” (samurais) tinham em cada feudo uma escola. Para os populares havia as escolas particulares chamadas de “shijuku” e para os filhos dos populares havia os “tera-oya”, ou aulas ministradas em templos. O governo feudal de Tokugawa construiu em 1690 o “Shoheizaka Gakumonjo”, um centro onde estudavam os filhos dos samurais com mais de sete anos de idade. Posteriormente, também os filhos dos senhores feudais se matricularam. Esta entidade funcionava como instituição para o ensino do confucionismo e também para educação dos filhos dos funcionários públicos.

O programa de educação desta instituição consistia inicialmente na leitura das quatro escrituras e cinco sutras do confucionismo e, em seguida, história e ideologia, Mais adiante eram realizadas discussões em mesa redonda juntamente com os professores, pesquisas em grupo e apresentações de textos escritos em estilo chinês. As provas ordinárias eram realizadas nos dias três e oito de cada mês, sendo as grandes provas realizadas em primavera e outono.

Ao completar 15 anos, os alunos passavam por um exame que durava quatro dias para poderem prosseguir seus estudos em estágios superiores, sendo que os resultados eram representados em três níveis de conceitos: Koo, Otsu e Hei (conceitos similares a A, B e C).

Este método foi o modelo para todas as escolas feudais e para escolas particulares. Houve feudos que estipularam a redução de pagamentos caso o rendimento escolar dos filhos fossem insatisfatórios, como ocorria no feudo de Saga.

Concurso Público

De acordo com o professor Goromaru Tadashi do curso de pensamentos japoneses da Universidade de Shotoku, por ter sido o Período Edo um mundo no qual imperava o sistema hereditário, tem-se a impressão de que bastaria nascer num bom berço para assegurar a ascenção, mesmo sem capacidade, o que é um engano, pois, a partir dos anos 1.700 aproximadamente, o sistema seletivo passou a ser aplicado.


A seleção rigorosa foi a chave do sustento do sistema feudal durante 260 anos

No primeiro concurso para funcionários públicos houve a avaliação de nível de conhecimento acadêmico e avaliação de habilidades. Os conceitos eram Koo, Otsu e Hei, sendo que aquele que obtivesse o conceito Koo era admitido incondicionalmente por excelência em conhecimento acadêmico. Os que obtiverem o conceito Otsu eram ou não aprovados conforme suas habilidades e também levando em consideração os longos anos de aplicação de seu pai na função. O conceito Hei significava reprovação.

De acordo com os registros dos exames de promoção realizados entre os funcionários de nível inferior em 1794, primeiramente seis pessoas recebiam o comunicado para prestarem o exame. No dia definido, dirigiam-se ao Shoheizaka Gakumonjo levando consigo as apostilas básicas do Confucionismo “Shogaku” e “Rongo”. Havia seis folhas para responder as questões, sendo proibido o uso de livros comentados ou dicionários.

Dizem que a seleção realizada desta forma rigorosa é que foi a chave do sustento do sistema feudal durante 260 anos. A continuidade deste sistema de seleção através de concursos, sem se prender a linhagens familiares e linhas de pensamentos mesmo após a revolução de Meiji contribuiu enormemente para a modernização do Japão.

Noryoko shiken - Prova de conhecimento do japonês


O exame é realizado desde 84

No dia 7 de dezembro, será realizado como de costume o “Exame de Proficiência em Língua Japonesa” no mundo todo, numa realização conjunta entre Fundação Japão e Zaidan-Hojin Nihon Kokusai Kyoiku Kyokai. Este exame é realizado desde 1984 e visa avaliar e reconhecer dentro e fora do Japão o nível de proficiência em língua japonesa, tendo como alvo os estudantes do idioma japonês não nativos desse idioma.

Na sua primeira realização, o exame foi aplicado em 15 países, tendo 7.998 participantes. Já no ano passado, o exame foi realizado em 38 países num total de 286.169 participantes. No Brasil, o mesmo é realizado em São Paulo, Londrina, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre e Belém. O número total de participantes deste ano é de 3.364 pessoas. No Brasil, há 10 anos o número de participantes chegou a ser superior a 5 mil pessoas.


Arquivo NippoBrasil - Edição 233 - 19 a 25 de novembro de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados