Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 18 de setembro de 2021 - 18h56
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Cataratas no Japão

Por ser a água fonte de vida, no Japão, as cachoeiras também foram objetos de culto religioso


A Catarata de Nachi pode ser vista
até do Oceano Pacífico


Em cada estação, uma nova paisagem

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

No Japão, que é um país de relevo predominantemente montanhoso, somente 30% do território é constituído por terras planas. Devido a esse fato, os rios possuem correntezas fortes e a diferença de altitude propicia a existência de quedas d’água em todo lugar. Por ser a água fonte de vida, essas cachoeiras são também objetos de culto religioso, como divindades.

AS MAIS FAMOSAS
A Catarata de Nachi se localiza no Monte Nachi, província de Wakayama. É conhecida como a maior catarata do Japão, sendo possível observá-la até mesmo do Oceano Pacífico. Uma queda única de 133 metros de altura com torrente de 1 tonelada de água por segundo rasga o verde da mata nativa de Nachi. Seu aspecto é tão magnífico que é chamada também de Catarata Divina, sendo a própria catarata cultuada pelo povo como uma divindade. Qualquer pessoa que a ela chega, sente-se invadida por uma sensação sagrada. O local também é conhecido desde antigamente como os três montes de Kumano, sendo o centro da fé dessa região.

A Catarata de Kegon é a mais famosa das 48 quedas d’água situadas no Parque Nacional de Nikko. São as águas do lago Chuzenji que caem numa queda livre de 97 metros numa vazão de 3 toneladas por segundo. É espetacular. A queda d’água provoca um ruído ensurdecedor e ao final da queda desaparece como que sugado pelo fundo. Esta catarata sempre cativou um grande número de pessoas, e justamente por isso, tornou-se um local também conhecido por grande incidência de suicídios.

CATARATA DE FUKURODA
Localiza-se em Kuji-gun, província de Ibaraki, e suas águas caem formando quatro degraus, de onde passou a ser conhecida também de Yondo no Taki (Catarata de 4 degraus). A altura da queda é de 120m e largura de 73m. Dizem que o monge Saigyo, mestre em poemas, disse que esta catarata possui belezas distintas nas quatro estações, e que por isso só seria possível apreciar a sua beleza verdadeira visitando-a quatro vezes. Ela foi eleita como a preferida em todo o Japão.


LENDAS POPULARES
As cataratas têm uma relação estreita com a vida do homem da era do cultivo das terras. Daí surgiram várias crenças, histórias, literatura e lendas populares. Especialmente a crença à Catarata e o Ryuuou (Rei Dragão) que é muito conhecida. Ryuuou é um ser imaginário e acreditava-se que morava na água e possuía poderes mágicos para fazer chover. Consta nos registros que quando do nascimento de Buda, Ryuuou derramou água pura e límpida. Podemos ter idéia dessa crença ao verificarmos a existência de resquícios de lápides com desenho de Ryuuou nos pequenos santuários xintoístas das cataratas.

A Catarata de Yasu, situada em Kita-Akita-gun, província de Akita, possui uma lenda de um trágico amor. Havia, há cerca de 280 anos, nessa região montanhosa, uma bela e meiga jovem chamada Yasu, filha de um caçador. Yasu passou a amar um jovem chamado Kyutaro, mas isso foi descoberto e os dois foram separados. Desiludida, Yasu jogou-se nessa catarata, chamando pelo seu amado. Seu corpo nunca veio à tona. Dizem que na noite do meado de outono em que a lua se apresenta mais bela, Yasu aparece sentada na rocha penteando seus cabelos negros. Atualmente, o local é utilizado pelos jovens para a prática de rapel.

 
AS QUATRO ESTAÇÕES
As cachoeiras mudam de aspecto conforme a estação do ano. Na primavera, devido ao degelo das neves, o volume da torrente bem como a velocidade da correnteza aumenta; no verão, o verde intenso da vegetação e o borrifo da água em queda traz o frescor; em outono, as folhas avermelhadas acrescentam o colorido e no inverno a queda d’água transforma-se em um pilar de gelo. A beleza plástica que a natureza cria e nos proporciona é maravilhosa. Ela traz tranqüilidade aos corações dos viajantes. Ao adentrar nas montanhas, as pessoas naturalmente absorvem a energia natural da mata. Isso ocorre especialmente nas proximidades de cataratas, onde há uma maior formação de íons negativos, o que dizem ser revigorante para corpo e alma. Andar pela montanha e descansar nas cataratas é o tratamento mental ideal para o homem moderno que sofre de estresse.

Arquivo NippoBrasil - Edição 227 - 8 a 14 de outubro de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados