Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Terça-feira, 29 de setembro de 2020 - 0h16
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
O Monte Fuji

Cartão-postal do Japão: natureza exuberante e inspiração para artistas plásticos
 

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

 

O Monte Fuji é a famosa montanha que representa o Japão, sendo que sua imagem desde antigamente foi apreciada por todos como tema para cantos, poemas, pinturas e artesanatos. Entretanto, o monte começou, recentemente, a manifestar atividades vulcânicas, tornando intenso o acompanhamento por parte do governo que, no mês passado, apresentou o resultado de seus estudos de simulação sobre o escoamento de magma, distância a ser atingida pelas cinzas vulcânicas, e a avaliação do prejuízo causado (um valor astronômico que ultrapassa 3 trilhões de ienes).

 
TEMPORADA DE ESCALADAS
Todo ano, no dia 1º de julho é autorizada a abertura da temporada de escaladas ao topo do monte ao público em geral. Antigamente, as pessoas escalavam o Monte Fuji vestindo-se como um monge asceta, com vestes brancas, fazendo soar um sino e entoando palavras que acreditava-se possuírem poderes especiais. No século 16 há registros de escaladas por pessoas que as faziam não por fé religiosa, mas por pura adoração ao monte. Dizem que a escalada ao topo do Monte Fuji antecedeu em 2 séculos a escalada do topo de Mont Blanc, na Europa. Atualmente, com a construção da rodovia até a metade do trajeto, a escalada durante o verão pode ser feita com trajes mais leves. Todo ano, cerca de mais de 2,2 milhões de pessoas praticam a escalada.

FUJIKOO
Desde antigamente, havia entre os populares uma veneração às mais altas e sublimes montanhas, especialmente pelo Monte Fuji. Mesmo no Man’yooshuu (coletânea de poemas antigos do Japão) o monte é tratado como o tesouro do país de Yamato (grande harmonia), ou como o monte protetor da nação. Os mais antigos viram na imagem misteriosa do Monte Fuji em erupção a imagem de uma divindade irada. Motivo pelo qual já na segunda metade do século 9 foi construído, a mando do Imperador, o santuário de Sengen.

Especialmente na segunda metado do Período Edo foram fundados em várias localidades grupos chamados Fujikoo, constituídos de comerciantes, artesãos e agricultores. No auge dessa fase, em 1841, havia mais de 400 grupos similares, sendo que o número de pessoas que escalavam o monte ultrapassava 15 mil por ano. Diante da proibição da escalada às mulheres até a metade do Período Edo, foram construídas em cada região uma miniatura do Monte Fuji (10 a 20m, aproximadamente), chamadas de Fujizuka, onde subiam as mulheres, crianças e velhos. Só em Tóquio ainda estão conservadas 64 delas. Esses grupos tiveram suas atividades proibidas pelo governo feudal em 1849, mas tiveram continuidade até o Período Meiji e ainda hoje existem os grupos como Fusookyoo e Fujikoo.

 

Artistas se inspiram no monte


O Monte Fuji é fonte de inspiração para vários artistas. “A Grande Onda”, de Hokusai (1760-1849), é uma das obras mais famosas

A ORIGEM DO NOME
Há um conto escrito na segunda metade do século 9 chamado “Kaguyahime”, no qual um casal de idosos que trabalhava cortando bambus encontrou uma minúscula menina dentro de um bambu. Por ser uma menina muito bonita, que até parecia reluzir, foi chamada de Kaguyahime (princesa reluzente). Ela encantou nobres do país inteiro e até o imperador, mas é um ser que veio da lua e para lá retornou numa noite de lua cheia. Na ocasião, ela deixou nas mãos do imperador o remédio da juventude e vida eterna. O imperador mandou queimá-lo no monte mais alto do Japão. Dizem que por esse motivo o topo do Monte Fuji está sempre envolto por fumaça. Seu nome passou a ser “imortal” e, aos poucos, mudou para “nobre e rico”. Os nobres também espelharam no fogo vigorosamente expelido pela sua erupção o ardor do amor sempre aceso.

Dados sobre o Monte Fuji

Localizado entre as Províncias de Shizuoka e Yamanashi, é um monte com formato cônico e 3.776 metros de altitude, sendo formado por volta de 700 a 200 mil anos atrás. Possui em sua volta cinco lagos formados pela erupção. Sua escalada, por motivos religiosos, não é mais praticada. No entanto, muitos apreciam a atividade como uma forma de amar a natureza ou de lazer e esporte. Situa-se no centro do Parque Nacional de Fuji Hakone Izu. Aos que tiverem oportunidade, recomendamos escalar o Monte Fuji. Com certeza poderão desfrutar de uma belíssima paisagem. Poderão apreciar a imagem do Monte Fuji que muda a cada instante.


Arquivo NippoBrasil - Edição 163 - 10 a 16 de julho de 2002
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados