Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Terça-feira, 07 de julho de 2020 - 11h58
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Óculos

Antigamente, eram usadas duas lentes, ligadas por um elo e
apoiadas no nariz: guardado no templo Daitoku
 

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

 

A imagem que muitos estrangeiros tinham dos japoneses até recentemente era, primeiramente, de pessoa de baixa estatura, olhos puxados, com dentes saltados e que usa óculos. Ultimamente, as coisas não têm sido bem assim, graças à difusão de lentes de contato e de cirurgias corretivas a laser. Estão em voga os óculos comuns ou de sol como acessórios de moda.

A história dos óculos

Pelo fato de ter possuído uma avançada técnica de fabricação de vidros, Veneza, cidade situada no norte da Itália, é tida como o local onde surgiram os primeiros óculos, no final do século 13. Entretanto, seu formato mais se assemelhava a uma lupa. Em seguida, ganhava lentes para ambos os olhos que eram seguradas por uma haste, e logo depois surgiu a versão apoiada sobre o nariz. Posteriormente, surge o aro. Inicialmente eram utilizados apenas pela nobreza e camada culta da população. Foi a partir do século 17 que se difundiram entre a população, por ganharem preço acessível. O formato atual originou-se por volta do ano 1730, após a venda do modelo com haste, pelo comerciante de óculos Edward Skarlet.

A difusão dos óculos no Japão

O mais antigo par de óculos existente no Japão encontra-se guardado no Templo Daitoku, Quioto. É feito de marfim, com as duas lentes presas por um elo e é utilizado sobre o nariz. É desconhecida a sua origem por não haver materiais comprobatórios, mas suspeita-se que tenha sido um presente do jesuíta da Companhia de Jesus, Francisco Xavier, ao Daimiô Ouchi Yoshitaka. Assim como a arma de fogo e o Cristianismo, os óculos também representavam a civilização européia da época.

Dizem que ao ver os jesuítas usando óculos, os japoneses se mostravam assustados, dizendo que “os padres têm quatro olhos”. No Período Edo, os óculos passaram a ser fabricados em Nagasaki, tendo como modelo os óculos importados da Holanda e de Portugal. Exceto nos produtos importados, as lentes eram de cristais polidos produzidos no Japão. Os aros eram fabricados a partir de metais, cascos de tartarugas ou chifres de búfalos. Em meados do século 17 haviam seis ópticas em Osaka, cidade comerciária da época, e no início do século 20 já chegavam ao número de 80 lojas.

Atualmente, o domínio de 61% do mercado dos óculos e 93,7% do mercado dos aros pertence à Província de Fukui. A província possui prestígio mundial na fabricação de lentes de plástico e aros de metal de alta qualidade.

Óculos para japoneses, que têm nariz baixo

Por volta do século 16 até o século 17 surgem os óculos com fios de seda para colocar nas orelhas. Como os japoneses possuem, por natureza, nariz baixo, os cílios tocavam nas lentes causando desconforto. Dizem que, talvez por esse motivo, tenham sido inventadas as pequenas peças de suporte para apoiar os óculos sobre o nariz.

Os preços

Antigamente, no Período Edo, seu preço era altíssimo, segundo dizem, equivalendo a aproximadamente 100 mil ienes nos valores atuais (cerca de R$ 2,9 mil). Tudo indica que não eram de grande utilidade. Atualmente encontram-se óculos com preços bem acessíveis e variados. Assim como o relógio, os óculos são apreciados nos variados formatos e cores, dos aros e das lentes, como um dos acessórios de moda.


Tecnologia: modelo da coleção Náutica pesa 2 gramas

Tecnologia

Os óculos chegaram a tal grau de sofisticação e tecnologia que, hoje, há peças que pesam 2 gramas, como é o caso da coleção Náutica, produzida pela empresa americana Marchon Eyewear, resultado de pesquisas no Japão.


Arquivo NippoBrasil - Edição 161 - 26 de junho a 2 de julho de 2002
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados