Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 08 de agosto de 2020 - 9h21
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 139 - 23 de janeiro a 5 de fevereiro de 2002
 
Saquê, bebida milenar

Masuzakê, saquê em copo quadrado que pode acompanhar sushi e sashimi

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Em cerimônias e festividades, o consumo do saquê é uma constante. Quanto à história dessa bebida, temos na mitologia japonesa registros que fazem das divindades Ookuninushi no mikoto e Sukunahikona no mikoto deuses do saquê. Conta a história que, na segunda metade do século 8, foram admitidos em Heiankyo (atual Quioto) os encarregados de produzir saquê para o Palácio Imperial. O saquê era uma importante oferenda nas atividades religiosas e, com isso, surgiu o costume de saboreá-lo após a oferenda. Foi muito utilizado em festividades ligadas à agricultura, em casamentos e despedidas. Nessa época ainda se usava saquê fermentado, que tinha um aspecto leitoso, diferente do saquê refinado que conhecemos.

Tipos de Saquê

Há dois tipos de saquê refinado: o Karakuchizakê (saquê seco com teor alcoólico acima de 2 graus) e o Amakuchizakê (saquê doce). Dizem que em épocas de prosperidade, proporcionalmente à estabilidade do momento, a preferência recai sobre o Karakuchi, cujo paladar não enjoa o consumidor, e em épocas de recessão passa a ser maior a procura por Amakuchi, que traz saciedade com uma quantidade menor.

O saquê refinado tornou-se popular na Era Edo, segunda metade do século 18, e seu consumo anual foi de 1,8 milhão de tonéis, sendo que a população de Edo era de 1 milhão de pessoas. Isto equivale a um consumo diário de 541 ml por habitante, o que é uma quantidade consideravelmente grande. Para produzir saquê refinado de bom sabor, é necessário um arroz de qualidade, boa água, tonel de boa qualidade como o fabricado com pinheiro de Yoshino, um competente especialista em produção, temperatura propícia para a fermentação, entre outras condições. Por isso, desde a Era Edo já eram famosos o Kikumasamune de Nada (atual província de Hyogo) e Gekkeikan de Fushimi (Quioto).


O saquê é indispensável em cerimônias, festividades e nas horas de lazer

Momentos de prazer e alegria

O saquê é indispensável nas festividades, atividades anuais e nas horas de lazer. Mesmo hoje em dia, os assalariados gostam de aproveitar a happy hour após o expediente, parando em botequins e barracas ambulantes para beber e dissipar o estresse gerado na empresa. Dizem que também tem crescido vertiginosamente o número de mulheres apreciadoras de saquê.

As embalagens

As embalagens como tonéis e cabaças também foram sendo substituídas por garrafas de vidro, latas, kappuzakê em copos que podem ser reutilizados após o consumo, tendo atualmente os mais variados tipos como a embalagem “slim” de 500 ml que cabe na porta da geladeira.

Consumo

A porcentagem de consumo de cada tipo de bebida alcoólica no Japão é: cerveja 57%, saquê refinado 10,4%, shoochuu (aguardente de arroz) 7,3% e uísque 1,6%. As vendas chegam a 2.425 bilhões de ienes para a cerveja e 919,4 bilhões de ienes para o saquê refinado (dados de 1988).

No Brasil, com a difusão da culinária japonesa, tem aumentado o número de brasileiros que degustam o Masuzakê (sakê em copo quadrado) para acompanhar sushi ou sashimi.

O consumo moderado de bebida alcoólica para o homem moderno que não há como fugir de estresse é um ótimo remédio para relaxar a mente. No entanto, o excesso traz problemas tanto física quanto mentalmente. O ideal é apreciar o saquê com moderação.

Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 253
Orange Day
Arquivo Nippo - Edição 251
O Aniversário de Buda
Arquivo Nippo - Edição 249
Dia da proteção aos animais
Arquivo Nippo - Edição 247
Hina Ningyoo (Bonecos do Dia das Meninas)
Arquivo Nippo - Edição 245
Oyatsu: O lanche da tarde japonês
Arquivo Nippo - Edição 243
Setsubun - Omen
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados