Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 3h26
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 098 - 5 a 11 de abril de 2001
 
Geta: Simbolismo aos seus pés

Jovens usam o Zori no dia da passagem para a Idade Adulta
 

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

De acordo com uma crônica chinesa wei zhi, no século III, todos os japoneses andavam descalços. Evidências arqueológicas, no entanto, indicam vestígios de algum tipo de calçado naquela época, pelo menos no Período Kofun. O tageta está registrado como pertencente ao Período Yayoi. O geta foi chamado ashida no Período Heian e bakuri, no período Muromachi. A palavra geta começou a ser usada na Era Edo (1600-1868). Usado do lado de fora de casa, o geta possui uma tira em sua plataforma de madeira e apoia-se em duas transversais.

Ao mesmo tempo simbólico e prático, o calçado no Japão é útil para se saber quem é quem. Grande parte dos calçados, em meados de 1800, eram feitos de madeira com uma tira, o chamado geta. Um belo geta normalmente é feito com base de madeira de paulóvnia ou criptoméria; nela encontram-se delicadas linhas para identificar o lado esquerdo do direito. A plataforma do geta fica sobre dois suportes chamados “há” (dentes) que podem ser de magnólia ou de carvalho e a tira, de pano ou de couro. Também através da forma, peso e da qualidade das tiras do geta, é possível identificar a classe social ou profissão daquele que o usa. Um olhar mais atento pode ainda, identificar entre a forma mais pontuda, o kaku geta, normalmente usado por homens, e aquele com a forma mais arredondada, usado por homens mais velhos e por sacerdotes religiosos. Um dos getas é conhecido como nomeri geta, preferido por atores e gângsteres como os yakuza.

Através do geta feminino pode-se identificar até mesmo a idade da pessoa que o usa, embora atualmente, em ocasiões formais, grande parte das mulheres prefiram o zori, que é uma espécie de chinelo mais macio e acolchoado. O calçado não tem a finalidade de ser usado como indicador de classe social ou profissão, mas a dona de uma hospedaria japonesa certamente irá, ainda hoje, examinar o calçado de seus hóspedes para certificar-se qual quarto é o mais apropriado para cada cliente. O zori ainda hoje é usado em situações formais junto com o quimono e o geta é usado quase exclusivamente com roupas bem tradicionais como o yukata (quimono de verão).

Em nenhum lugar do mundo troca-se tanto de calçado como no Japão. Desde sapatos que se usam nas ruas (ou geta ou zori) a chinelos usados dentro de casa. Desde chinelos usados dentro de casa a calçados especiais para uso em banheiros. Portanto, considere o estilo e o local onde houver poucos calçados: no Japão, estes “poucos” podem nos dizer muitas coisas.

 
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados