Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 2h57
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 097 - 29 de março a 4 de abril de 2001
 
História do quimono - Parte Final
 

Pessoas envolvidas com o mundo da tradição japonesa, como aquelas que apresentam danças típicas ou que trabalham em restaurantes em estilo japonês, vestem o quimono muito mais vezes do que a maioria da população.

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Os japoneses estão sempre atentos às quatro estações do ano e suas roupas também diferem conforme essas mudanças climáticas. Estando em sintonia com as fases de suas vidas, os japoneses dão bastante importância, por exemplo, aos eventos que marcam o crescimento da criança; além disso, as pessoas trocam seus quimonos para que combinem com as estações do ano e com as ocasiões de momentos especiais.

Entre 30 e 100 dias após o nascimento de um bebê, os pais, parentes e avós o levam a um santuário para anunciar seu nascimento.

Outro evento importante na vida de uma criança é o festival chamado Shichi-go-san (“sete-cinco-três”). Neste festival, realizado em novembro, os pais de meninos de cinco anos e de meninas de sete e três anos levam seus filhos a um santuário para agradecer aos deuses por manter as crianças fortes e saudáveis, permitindo o seu crescimento. Elas vestem quimonos nessa ocasião.

Aos 20 anos, os jovens comemoram o dia visitando um templo no Dia da Passagem para a Idade Adulta, realizado na segunda segunda-feira de janeiro. Nesse dia, as moças vestem o furisode (quimonos com longas mangas esvoaçantes) e os rapazes vestem o hatori (uma espécie de sobretudo, porém mais curto, na altura do joelho) decorado com o símbolo da família e o hakama, uma calça bem larga.

O furisode é usado apenas por mulheres solteiras, já que conta-se que certa vez, uma jovem declarou seu amor por um homem agitando a longa aba da manga de seu quimono.

No casamento, a noiva veste um belo quimono branco conhecido como shiromuku. A cor branca significa o início de uma nova fase, de uma nova trajetória. Uma vez que a mulher é casada, a mesma deixa de usar o furisode e passa a usar o tomesode, um quimono com mangas mais curtas. O tomesode pode ser tanto preto como colorido. Os pretos, com o símbolo da família, são reservados para ocasiões formais como o casamento de um parente. Os coloridos podem também ser usados em situações que pedem certa formalidade, mas nem sempre apresentam aquele símbolo. O que caracteriza o tomesode tanto o preto como o colorido, é que somente a parte de baixo do quimono é estampado.

 

Como vestir o quimono

Geralmente veste-se primeiro o tabi (meias), as roupas de baixo e a saia que envolve a pessoa de um lado a outro e então o quimono de baixo (nagajuban), que é firmemente amarrado com uma espécie de “cinto” largo (datemaki). O nagajuban possui uma longa gola (han’ eri), normalmente branca que mostra 2 centímetros, acima da gola do quimono, vestido por cima do nagajuban envolto pelo obi. O lado esquerdo do quimono fica por cima do direito; o oposto, ou seja, quando o lado direto fica sobre o lado esquerdo, só é feito quando há um funeral.

Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados