Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 3h22
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 096 - 15 a 21 de março de 2001
 
Escrita japonesa

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

A língua portuguesa utiliza-se somente do alfabeto romano. Entretanto, no Japão temos três tipos de alfabeto: o kanji (ideogramas), o hiragana e o katakana. Isso sem contar o uso do alfabeto romano.

Sem dúvida o primeiro tipo de alfabeto a ser utilizado foi o kanji. O kanji originou-se há cerca de 3,5 mil anos na China. Em escavações foram descobertos inkan (selos para carimbo) feitos de ouro e kasen (moeda utilizada numa região da China, há 2.000 anos), pois na Era Yayoi vários objetos foram trazidos da China.

Nos túmulos antigos da Era Kofun foram descobertos alguns artefatos de bronze, metal e pedra que tinham gravações em kanji. Na China há registros de presentes enviados do país e da Coréia ao Imperador japonês como espelhos e espadas contendo inscrições em kanji.

O Japão, onde não havia a escrita, tinha os documentos oficiais da corte imperial escrito em kanji, por imigrantes chineses, que acabaram trazendo-o ao país. No século VI, quando o budismo entrou oficialmente no país, a nobreza já dominava a leitura e a escrita do kanji.

Nas escrituras antigas como kojiki e nihonshoki, do começo do século VIII, temos a representação fonética do japonês através da fonética chinesa. Para ca­da fonema japonês foi escolhido um ideograma chinês.

No livro de poesias mais antigo do Japão (manyôshû), temos a representação fonética chamada de manyô­gana, para cada um dos 88 fonemas usados no japonês antigo foram atribuídos alguns ideogramas. Na segunda metade do século VIII, já na Era Heian, o kanji foi classificado em dois tipos: o mana (significado real) e o kana (significado improvisado). O primeiro por sua vez pode ser dividido em tipos diferentes conforme a escrita. kaisho, gyosho e sôsho. Para escrever rapidamente o kanji era necessário que houvesse uma simplificação do mesmo. No kaisho o kanji é escrito da forma correta. Já no gyosho e sôsho há uma simplificação, apesar de manter-se a forma original.

O hiragana da forma como conhecemos hoje, originou-se do onnade, que é uma simplificação do sôsho mas de tal forma que não há mais a forma do kanji original. As mulheres da nobreza daquela época usavam alguns poucos kanji e escreviam todo o resto em hiragana. O katakana foi criado retirando-se uma parte dos ideogramas usados no manyô­gana. Dizem que era utilizada pelo clero (sôryo) para poder ler as escrituras sagradas mais facilmente, usando-se o kata­kana nas entrelinhas.

Com o passar do tempo foram surgindo vários outros estilos de escrita. O hiragana e o katakana atuais foram oficializados pelo Ministério da Educação em 1900 (ano 33 da Era Meiji). Alguns dizem que há mais de 40 mil ideogramas outros mais de 50 mil.

Para conviver na sociedade são precisos apenas 2 mil ideogramas. Diferentemente do que se imagina, a popularização do computador tem aumentado o número de ideogramas utilizados. No mundo inteiro pesquisa-se a possibilidade de se ler japonês, chinês e coreano através do alfabeto romano. A tradução automa­tizada também é muito promissora.

 
Kanji


*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados