Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 03 de julho de 2022 - 6h39
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 095 - 15 a 21 de março de 2001
 
História do quimono - Parte 1
Durante o Período Kamakura (1192-1338) e o Período Muromachi (1338-1573),
homens e mulheres vestiam quimonos de cores bem alegres

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Originalmente, quimono era a palavra japonesa que indicava aquilo que se veste. Recentemente a palavra tem sido usada para designar especificamente a vestimenta tradicional japonesa.

O quimono que hoje conhecemos vem do Período Heian (794-1192). A partir do Período Nara (710-794), os japoneses usavam trajes que consistiam em duas peças (parte de cima e de baixo) ou de apenas uma peça. Porém, no Período Heian, uma nova técnica de fazer quimono foi desenvolvida. Conhecida como método de corte reto, o mesmo envolvia peças com um corte e uma costura. Com essa técnica, as pessoas que estavam envolvidas com a manufatura do quimono não precisavam se preocupar com a forma do corpo daquele que o vestiria.

Os quimonos de corte reto ofereciam muitas vantagens. Eram fáceis de se dobrar. Também eram confortáveis em qualquer tipo de clima. Podiam ser vestidos em camadas para esquentar no inverno e feitos com tecidos leves, como o linho, no verão. Essas vantagens ajudaram o quimono a se tornar parte do dia-a-dia do povo japonês.

Com o passar do tempo, o hábito de usar quimono em camadas virou moda. Os japoneses começaram a prestar atenção nos mais variados quimonos, das mais diversas cores e combinações; desenvolveram então, uma alta “sensibilidade” para a harmonia delas. Tipicamente, a combinação de cores representavam as cores das estações do ano ou a classe social a qual pertencia a pessoa que vestia o quimono. Foi durante esse período que a combinação tradicional de cores japonesas foi desenvolvida.

Durante o Período Kamakura (1192-1338) e o Período Muromachi (1338-1573), homens e mulheres vestiam quimonos de cores bem alegres. A cultura aristocrática do Período Heinen decaiu e o samurai tomou o poder. As roupas ficaram simples e fáceis de se tirar devido ao estilo de vida dos samurais.

No Período Edo (1600-1868), o clã do guerreiro Tokugawa governava o Japão. O país foi dividido em domínios feudais, ou seja, cada feudo tinha sua própria regra e seu senhor feudal. Os samurais desses feudos eram identificados pelas cores e estampas de seus “uniformes”. Este consistia em três partes: o quimono; uma peça de roupa sem manga chamada kamishimo usado por cima do quimono e um hakama, uma calça lisa semelhante a uma saia.

O kamishiro era feito de linho, engomado para que o ombro ficasse levantado. Com muitas roupas de samurai para se fazer, os manufatureiros de quimono foram se aperfeiçoando cada vez mais em seu ofício e o vestuário tornou-se uma forma de arte. O quimono tornou-se valioso e os pais passavam aos seus filhos como objeto de herança familiar.

Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi
Arquivo Nippo - Edição 261
Dia de Prevenção da Cárie Dentária
Arquivo Nippo - Edição 259
Dia Mundial de Combate ao Fumo
Arquivo Nippo - Edição 257
Superstições
Arquivo Nippo - Edição 255
Bushido


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados