Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 17h12
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 082 - 7 a 13 de dezembro de 2000
 
Motitsuki (Pilagem do arroz)

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Antigamente no Japão, no ano novo, em qualquer lugar, observaram-se os japoneses que pilavam o motigome, o arroz próprio para fazer moti. Mas hoje, devido a urbanização, as pessoas tendem comprar o moti no supermercado ou fazê-lo em casa com maquina especializada. Mesmo assim, os japoneses nunca deixam de comemorar o ano novo.

Tempos atrás, o processo de fazer moti era mais trabalhoso. As pessoas deixavam o motigome dentro da água durante uma noite e depois o coziam em banho-maria. Normalmente, a partir do dia 28 de dezembro, elas começavam pilar esse motigome e continuava-o triturando até a madrugada do dia seguinte. Dizem que para fazer um moti gostoso, precisac da força de cinco homens.

Há duas maneiras indispensáveis para a pilagem do arroz: kine (pilão) e usu (almofariz). O motigome é triturado na almofariz enfeitado de shimekazari, uma decoração através da qual pessoas agradeciam para Deus e lhe pedia boa colheita no ano. As pessoas rodeavam o almofariz e pilavam o motigome com pilão, cantando e bebendo. Quando o arroz é quase transformado em moti, a família participava da pilagem. Normalmente o filho e o pai pegavam o pilão e mãe virava o moti, com água na mão. Tudo isso para que moti não grudasse no almofariz.

Os japoneses respeitam o moti como uma comida sagrada. Um artigo que representa essa idéia japonesa é kagamimoti, uma oferenda aos deuses no ano novo. Nela, dois motis, um sobre o outro e decolado com frutos do mar e da montanha, representam a característica japonesa. O moti utilizado no kagamimoti representa a forma de espelho sagrado. Ao colocá-lo nas suas casas, os japoneses acreditavam que puoderiam guiar Deus nos seus lares. Dizem que arroz foi trazido do oeste da Ásia. A palavra kagamimoti pode ser observado nos livros do século 8.

O moti é um artigo indispensável não apenas no ano novo mas também no casamento e nos eventos anuais. Existe, entre japoneses, uma interpretação de que na lua tem os coelhos que socam o moti. Também durante a época feudal, o arroz se tratava como dinheiro. Os samurais sustentavam-se vendendo o arroz.

Além de kagamimoti, o moti é utilizado no ano novo também para fazer o ozouni, uma sopa com moti e legumes, comida típica do oshougatsu. Normalmente, o moti utilizado nesse prato é redondo na região Kansai e quadrado na região Kantou. Além disso, há várias maneiras para comer um moti gostoso como isobemaki, moti com shoyu enrolado com alga marinha e kinakomoti, o moti com pó de feijão-soja.

Também no dia 15 de janeiro, um monte de bolinho de moti, com o tamanho aproximado de uma bolinha de tênis de mesa, é colocado no galho de uma árvore para pedir a boa colheita. Essa cerimônia é conhecida como Motibana,e era especialmente realizada numa região produtora de sericultura.

Por outro lado, Fukumoti é uma cerimônia realizada antigamente na China, na qual as meninas cantam e dançam desejando a longevidade do palácio.

No Japão, hoje essa cerimônia permanece apenas no templo Atsuta de Nagóia e no templo Sumiyoshi da Osaka. Nessa ocasião, o moti também é considerado como o símbolo de prosperidade. Depois da cerimônia, o moti é distribuído para os visitantes do templo.

Na família, os pais, quando seu filho completa um ano, pilam o moti para fazer com que a criança carregue-o e pise sobre ele. Essas cerimônias são conhecidas, respectivamente, como Motioi e Motifumi e ambas são realizadas pela família que deseja o crescimento saudável do seu filho.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados