Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 3h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 075 - 19 a 25 de outubro de 2000
 
Take (bambu)

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Taketori-Monogatari, a obra de ficção mais antiga do Japão, conta a história de Kaguyahime, uma princesa que nasceu do bambu. Com o passar do tempo, ela torna-se uma mulher muito bonita. O fascínio exercido por ela era tão grande que o imperador e os nobres lhe pediam em casamento. Mas ela nunca aceita. Um dia decide ir embora para a lua. Dizem que essa história teve grande influência da ideologia budista.

Como observado nessa história, desde a antigüidade, o bambu está relacionado estreitamente com o cotidiano dos japoneses. Graças à facilidade de cultivo e manuseio, o bambu era utilizado para a produção de remédios, alimentos, material de construção, utensílios domésticos, instrumentos agrícola e musical e artesanato. Mas com a substituição do bambu por materiais industrializados, o consumo diminuiu 75% em relação à década de 70.

A espécie de bambu encontrada no Brasil é originária de uma região localizada nos arredores da Índia. Por outro lado, Madake, Hachiku e Mousouchiku, as principais espécies de bambu encontradas no arquipélago japonês, são características de regiões de zonas temperadas. Dizem que apenas o Mousouchiku foi importado da China. Os outros são bambus originários do próprio Japão. Na era Azuchi-Momoyama (1573-1598), o general Hideyoshi Toyotomi incentivou a plantação de bambu nas margens dos rios a fim de proteger a cidade da inundação.

Duas características inerentes ao bambu são a sua flexibilidade e rigidez. Esses dois pontos são freqüentemente comparados ao pensamento sólido e flexível do povo japonês que, por exemplo, recuperou-se rapidamente da devastação provocada pela guerra.

A rapidez do crescimento do bambu é assustadora. Dizem que ele cresce 1,80m por semana. A palavra Take, que siginifica bambu, é composta pelos ideogramas Ta e Ke, representando Alto e Árvore, respectivamente, nos tempos passados. Grande parte da quantidade de bambus está presente em regiões sob influência de monções. Existem cerca de 600 espécies.

Hoje, o bambu voltou a ser revalorizado como um material de alta tecnologia. Por exemplo, o carvão feito de bambu, assim como o carvão vegetal, possui grande quantidade de poros com a estrutura adequada para os microorganismos habitarem. Estes microorganismos funcionam como decompositores de matérias orgânicas e das impurezas causadoras do mau cheiro do ar. Também o carvão feito de bambu possui grande quantidade de mineral como sílica e potássio que têm o poder para curar algumas doenças. Ainda o mesmo é utilizado para purificar a água, serve como base para a produção de remédios que fortificam a saúde dos gados e também como adubo na produção agrícola.

No Japão o bambu é utilizado também na ocasião comemorativa do ano novo, assim como o pinheiro e ameixa.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados