Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 17h12
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 074 - 12 a 18 de outubro de 2000
 
Kazan

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Há pouco tempo, a ilha de Miyake, pertencente à província de Tóquio, entrou em erupção. Sob o estado de alerta, os moradores do local abandonaram as suas casas. É muito conhecido o fato de que o Japão é um país que sempre acontecem terremotos. O país localiza-se numa faixa de maior intensidade do terremoto do Oceano Pacifico e possui 70 vulcões, que correspondem à 10 % de todo o mundo.

Nos últimos 2 milhões de anos, mais de 200 vulcões entraram em erupção. É um fato surpreso existir tantos vulcões num país que possui apenas 1/400 da dimensão territorial do mundo. Dizem que o arquipélago também foi formado no processo da atividade vulcânica no fundo do mar, há mais de 2,5 milhões de anos.

A montanha mais alta e bonita do Japão é o Monte Fuji. Tem 3.775.6 metros de altura. Quando se olha o topo coberto pela neve, ninguém imagina que Monte Fuji é um vulcão perigoso. Na Taketori-Monogatari, considerada a novela mais antiga do Japão, o local é retratado lançando gases da cratera.

Segundo um registro histórico, quando houve a primeira grande erupção do Monte Fuji, no final do século 8, as pessoas temiam pelo pior. A fumaça cobriu o céu. As casas abalavam-se tanto que as pessoas tiveram que deixá-las às pressas. Quando a noite chegou, o vulcão começou a expelir as lavas a alturas estratosféricas. Iluminado pelas chamas, o céu da noite parecia o do dia.

Por outro lado, quando o Monte Fuji entrou em erupção em 1707, a onda sonora atingiu até a região da atual Tóquio, a 120 km de distância. Depois dessa erupção, a atividade vulcânica do local ficou inativa. Mas dizem que um dia a montanha entrará em erupção novamente.

O Monte Fuji já registrou 18 erupções no passado. As lavas expelidas da cratera esfriaram-se ao longo do tempo. Também há uma interpretação de que o nome Fuji deriva-se da palavra Deus do Fogo da língua do tribo Aino (Ainu em inglês). Os mais antigos respeitavam a montanha como um lugar sagrado.

No ponto de maior intensidade do terremoto do Oceano Pacifico, sempre acontecem terremotos. De 1973 à 1974, nas ilhas de Ogasawara, houve a atividade vulcânica e surgiu uma outra ilha. As quatro ilhas que deixa o serviço meteorológico sempre alerta são Asamayama, localizada na fronteira das províncias de Nagano e Gunma, Miharayama de Tóquio, Asozan, entre Kumamoto e Ôita, e Sakurajima de Kagoshima.

Entretanto, um fato que não deve-se deixar de ressaltar é a existência das belas naturezas estendidas em volta dos vulcões. A Parque Nacional do Japão corresponde a 14% do seu território e atrai 8 milhões de turistas anualmente.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados