Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 17h27
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 070 - 14 a 20 de setembro de 2000
 
Kamikazari (Ornamento no cabelo)

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Desde a antigüidade, o kushi (pente) é o artigo de primeira necessidade na vida das pessoas. Desde o Egito antigo, quase todos povos do mundo possuem o pente. O surgimento de ornamentos no cabelo no Japão remonta à era Joumon (de 10 mil anos a.C a 4 ou 5 séculos a.C). Eles são observados também nas cabeças de Haniwa (uma boneca feito de barro com a figura da pessoa), escavadas do mausoléu do imperador, construído na era Kofun (do final do sec. 3 ao 7).

Independentemente do período, as mulheres sempre desejam ser bonitas. Mas depois da era Heian, um período marcado pela cultura nobre, elas começaram a deixar os cabelos soltos ao invés de amarrá-los. A partir dessa tendência, os ornamentos, principalmente kanzashi (grampo ornamental) desapareceram.

O ressurgimento do kanzashi ocorreu na era Edo (1603~1867), quando os vários estilos de cabelos amarrados voltaram a ficar na moda. Nessa época apareceu até a bela kanzashi que emitia sons.

Os materiais utilizados para produção de kanzashi também eram variáveis. Podiam ser de ouro, prata, casca de tartaruga, cristal e presa de elefante. No final da era Edo, a técnica de produção de ornamentos no cabelo tornou-se mais refinada.

Nos tempos passados, as pessoas não costumavam tomar banho todos os dias. Portanto, também existiam muitos tipos de pente. O tokigushi servia para pentear o cabelo. O mizugushi era utilizado quando se arrumava o cabelo com a água. O sukigushi era para desembaraçar o cabelo e o sashigushi para enfeitá-lo. As pessoas conservavam com carinho todos os pentes numa caixa especial.

Dizia a lenda que um pente jogado fora significava o fim de um matrimônio. Com ele na cabeça, a mulher deixava bem claro que era casada. Também, desde a antigüidade, o pente é encarado como um artigo que afasta os maus espíritos. Deixá-lo na varanda era considerado um perigo. Se o demônio pegasse o pente, instalar-se-ia na casa a calamidade.

Hoje, no Japão, quando uma pessoa morre, os parentes oferecem, para o espírito do falecido, uma xícara de arroz com o hashi (pauzinhos para comer) verticalmente enfiado nela. Antigamente o pente era utilizado também nessa ocasião. Ao exibí-lo para Deus, diziam que afastavam os maus espíritos.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados