Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 17h45
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 067 - 24 a 30 de agosto de 2000
 
Torasan

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Se perguntarem quem é Kiyoshi Atsumi, alguns japoneses talvez não saberão responder. Mas não existe quem não conheça Torasan, o famoso personagem interpretado por Atsumi. Torasan é o protagonista do filme Otoko wa Tsuraiyo.

Kiyoshi Atsumi morreu no dia 4 de agosto de 1996, aos 68 anos, vítima de câncer pulmonar. O ator era querido não só no Japão, mas também em vários países asiáticos. O primeiro lançamento de Otoko wa Tsuraiyo, em 1969, foi uma adaptação da novela de mesmo nome que era transmitida no Fuji Television desde o ano anterior.

Entre 1969 e 1996, o filme foi lançado duas vezes por ano, no verão e no ano novo, concebido pelo diretor Youji Yamada, com enredos diferentes. No total, produziram-se 48 filmes e todos fizeram grande sucesso gerando um grande retorno financeiro para a empresa cinematográfica Shouchiku. O filme foi incluído no Guinness Book como um dos que mais perduraram ao longo dos tempos.

A popularidade de Torasan é creditada a várias razões. Uma delas está ligada aos temas retratados no filme, entre eles terra natal, família, povo, solidariedade e honestidade. Torasan, um homem vagabundo, comporta-se impertinentemente vestindo um paletó sobre uma camisa folgada. Uma pessoa muito despreocupada e profundamente boa. Ele sobrevive percorrendo o Japão com apenas uma mala mascateando incenso. Apesar de não ser muito inteligente, é uma pessoa com consciência, acreditando que as mulheres sempre estejam precisando da ajuda dele. Por isso sempre se apaixona por uma mulher bonita, mas não raro é abandonado. Quando vê alguém sofrendo, Torasan nunca deixa de prestar auxílio.

O enredo geralmente se passa em Shibamata, um bairro de Tóquio, onde ainda existe um bom relacionamento entre os vizinhos e o respeito pela natureza, principalmente com o rio Edogawa. Nesse local, Torasan vive com sua irmã Sakura e seus companheiros.

O filme é uma maneira de chamar a atenção para as mudanças ocorridas no Japão com relação ao relacionamento humano. Atualmente milhares de pessoas deixaram suas origens para viver em Tóquio. Mesmo com o retorno delas à terra natal no período das férias, não sentem mais o calor humano antes existente. O relacionamento antes amável nesses locais tornou-se distante como nas grandes cidades a exemplo de Tóquio.

Ao assistir o filme, os espectadores buscam exatamente o resgate desse lado sentimental das pessoas com sua antiga terra natal, a família e aspectos como honestidade e solidariedade, em meio a uma época em que se expandem a frieza e desconfiança.

O período de lançamento do primeiro filme coincide também com o auge do movimento estudantil contra o regime autoritário. Torasan era popular também entre esses estudantes, que encontravam na figura do viajante, uma dose de tranqüilidade após os choques violentos contra as autoridades.

O segredo da esplêndida interpretação do ator Kiyoshi Atsumi está relacionado com sua trajetória de vida. O pai dele era um jornalista político de uma empresa jornalística regional. A mãe era professora. O irmão, seis anos mais velho, morreu aos 25 anos.

Atsumi cresceu em meio a um ambiente no qual imperavam as dificuldades econômicas. Isso fez com que ele se tornasse revoltado na época de sua juventude, sempre se metendo em brigas. Numa época de pobreza em virtude da derrota na Segunda Guerra Mundial, as pessoas enfrentavam dificuldades para sobreviver. Nesse período, o ator transportava arroz de forma ilegal entre as províncias de Miyagi e Tóquio.

Depois de se formar no curso ginasial, ele ingressa num grupo de teatro de comédia. A sua função era puxar a cortina do palco. Esse foi o início da carreira como ator. Posteriormente, Atsumi trabalha como comediante na casa de striptease do bairro de Asakusa, em Tóquio. Em 1954, ele faz uma operação em conseqüência de uma tuberculose pulmonar. A partir disso, ele começa a mudar de hábitos, tentando corrigir a vida negligente e desregrada que levava.

Em 1961, ele ganha fama num programa de variedades exibido pelo canal NHK. A partir disso, tem a oportunidade de desempenhar sua atividade também na área cinematográfica. Depois de 1968, além de atuar no Otoko wa Tsuraiyo, também participa de outros filmes paralelamente. Mas jamais apareceu uma obra que superou Torasan. Nos últimos anos, a venda dos ingressos para assistir ao filme vinha decaindo devido ao envelhecimento dos atores e à alteração da faixa etária dos espectadores. Mesmo assim, o ator Kiyoshi Atsumi tinha grande apego ao personagem Torasan, que foi muito amado pelo povo japonês.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados