Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 17h26
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 062 - 20 a 26 de julho de 2000
 
Shashin-ki - Camera

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Até pouco tempo, os japoneses e a câmera tinham uma relação tão estreita que surgiu entre os estrangeiros um estereótipo que ligava o japonês como o turista com a câmera pendurada no pescoço.

Depois da guerra, o Japão se tornou um dos países com maior número per capita de câmeras fotográficas. Esse fato refere-se ao desmoronamento do poderio militar japonês. A fusão entre a técnica avançada na produção da lente criada pelos militares, a tecnologia moderna de produção e a diminuição na dimensão da máquina fotográfica acelerou a difusão desse tipo de produto entre povos japoneses.

Hoje, cada membro da família possui sua máquina própria e tira a foto do qualquer acontecimento da vida cotidiana. Também se tornou possível, com o surgimento da videocâmera, reproduzir imagens gravadas pela máquina fotográfica na TV e no computador. Existe também lojas que revelam em uma hora.

A história do retrato remonta a antigüidade. No Manyoushû, (coleção da poemas mais antigo do Japão) há um poema de um soldado na batalha lamentando não ter tempo para ver o retrato de sua esposa.

Já na Idade Média, o retrato entrou na moda. A aristocracia e os senhores feudais pediam trabalhos para retratistas. A partir da Idade Moderna, na era Edo (1603-1867), o Ukiyo-ê (retratos de atores populares, de beldades) tornouse tão popular, que as pessoas corriam para comprar os últimos retratos.

A máquina fotográfica chegou ao Japão em meados do século 19. Dizem que, Yoshinobu Tokugawa, o ultimo Shôgun (general) da família Tokugawa, que subiu ao poder na era Edo (1603-1867), também era aficionado pela máquina fotográfica. Depois da era Meiji (1868-1912), as pessoas tiravam muitas fotos de paisagem, dos costumes e do povo, e as deixaram para posteridade como registros históricos.

No Japão, destaca-se não apenas a atividade de fotógrafos profissionais, mas também de amadores. Eles chegam a realizar exposições particulares de suas fotos e também as mandam para editores a fim de colocá-las na revista.

O papel da foto não se restringe apenas ao registro do momento de diversão. As fotos, às vezes, tornam-se testemunhas de acidentes e de calamidades. Por exemplo, a foto da nuvem do cogumelo da bomba atômica que caiu em Hiroshima seria um meio de transmitir o terror da arma nuclear para as próximas gerações.

Acompanhando a difusão da máquina fotográfica, a imprensa utilizou cada vez mais as fotos como meio de comunicação, com grande influência em nossa vida cotidiana.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados