Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 18h08
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 035 - 14 a 20 de janeiro de 2000
 
Hashi

(Fotos: Reprodução/Divulgação)

É sabido que o hashi é usados pelos povos desde a antigüidade, por volta do século 3 ou 4. Historicamente, a palavra “Hashi” está na mitologia de Susanounomikoto, no livro Kojiki, escrito no século 8. No início, o hashi era dobrado como se fosse uma pinça, representando um bico de um pássaro, e eram feitos apontando-se o bambu.

O hashi pode ser feitos com vários tipos de materiais, sendo que os principais são o bambu, chorão-salgueiro, cipreste e cipreste japonês. Utilizam-se também o trevo arborescente japonês, o castanheiro e a amora. Alguns hashis podem ser confeccionados com metais como ouro, prata, cobre e ferro, ou de osso de animais como o marfim. Ultimamente são observados hashi sfeitos de plástico.

Os comprimentos são variáveis, medindo de 21cm a 36cm. As formas também. Podem ser encontrados hashis cilíndricos, retangulares, grossos e finos. O acabamento pode ser feito com cores variáveis, em madeira lisa, pintados com charão ou plásticos coloridos. No dia de festa, as pessoas costumam utilizar hashis diferentes dos usados no dia-a-dia. No Ano Novo, por exemplo, usam-se os hashis de madeira lisa, feitos de chorão-salgueiro.

Atualmente, os waribashi japonês (tipo de hashi descartável feito de madeira) são, mundialmente, alvo de crítica pelos ambientalistas. Antigamente, os waribashi eram usados para evitar que o mau espírito existente neles passasse de uma pessoa para outra. Ultimamente, está surgindo uma tendência de cada um portar o seu próprio hashi. Naturalmente os waribashi eram para servir às visitas e também para as pessoas pegarem os alimentos nos recipientes (Toribashi).

No Japão, existem os hashis exclusivos do pai, mãe e dos filhos. Talvez este costume esteja relacionado com a história dos maus-espíritos. Já na China e na Coréia do sul, os membros da família não possuem o seus próprios hashis.

Mas é preciso cuidado para manejar os hashis. Apesar do sushi e sashimi estarem virando moda no mundo inteiro, ainda é difícil, para as pessoas, saberem o modo correto de usá-los. As pessoas devem evitar o hasamibashi (cruzar os hashi de duas pessoas). Além disso, os hashis nunca devem ser introduzidos verticalmente na tigela de arroz, pois essa é a maneira de oferecer os alimentos aos espíritos dos mortos.

Existem vários tipos de hashioki (suporte para descansar os hashis) para se usar quando as pessoas vão se servir do hashiyasumi (porções de alimentos que podem ser pegos com a própria mão, portanto, não havendo necessidade da utilização dos hashis) e são apreciados também como um acessório na refeição.

 
 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados