Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024 - 18h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 019 - 17 a 23 de setembro de 1999
 
Biidoro, assim era chamado o vidro no Japão
Do português vidro, a palavra biidoro refletiu o encontro dos japoneses com os objetos
do gênero importados da China e da Europa durante o período Edo (1603-1868)

(Fotos: Reprodução/Divulgação)

Amplamente utilizado sob formas e funções variadas, o material é conhecido entre os japoneses desde a época Yayoi, por volta de 300 AC. Além de biidoro, a palavra gyaman (do alemão diamant) também referia-se às qualidades do vidro. Nos dias de hoje, outra palavra estrangeira está relacionada ao produto: garassu, do inglês, glass.

No Japão, Kyushu e Quioto foram as regiões de maior concentração de objetos do gênero encontrados em épocas antigas. Além delas, Osaka destaca-se pela descoberta de uma cumbuca em vidro no túmulo do imperador Ankan (531-535), confirmando ainda mais a utilização do material.

Em Shôsô-in, tesouro dos objetos artesanais do Período Nara (710-794), seis peças de vidro mantiveram seu estado de conservação. Entre eles, uma cumbuca e uma pequena mesa, ambas de tonalidade branca. O curioso é que, para os pesquisadores, as características dessas peças são semelhantes a um grande número de outras encontradas na região de Gilan, ao norte do Irã. A conclusão, segundo estudiosos, leva a suposição de que os objetos encontrados no Japão antigo entraram no país como resultado de uma troca de mercadorias entre o Oriente e o Ocidente.

Depois disso, o vidro quase desaparece do cenário japonês, com exceção de alguns produtos vindos da China. Foi preciso muito tempo para que técnicas de fabricação se implantassem no Japão. Para alguns, não há traços evidentes da introdução de utensílios feitos de vidro no cotidiano nipônico - o que se explicaria pela característica de “natureza fria” do vidro,- não correspondendo à preferência dos japoneses pelos materiais macios e agradáveis ao toque.

Já no Período Edo (1603-1868), o Japão adota finalmente os objetos de vidro importados da China e da Europa e, ao assimiliar a técnica de fabricação, torna-se capaz de produzir. Nessa época o vidro era chamado de biidoro ( do português), ou ainda, gyaman (do alemão). A partir daí, ele é considerado como um elemento representativo da cultura ocidental.

A produção de vidro iniciou-se em Nagasaki por volta de 1676. Expandiu-se para Osaka, Quioto e Edo (atual Tóquio) e aos poucos, sua utilização encorporou-se ao cotidiano.

As primeiras fabricações de vidro cotinham uma considerável proporção de chumbo, tinham espessura fina e eram delicados. Só na primeira metade do século XIX, em Edo, houve o surgimento de algumas gravuras.

Na Era Moderna, graças aos progressos da industrialização incentivados pelo governo de Meiji (1868-1912), o vidro é fabricado para ser utilizado em arquitetura. A composição das matérias-primas também se transforma, passando para o silício, seguindo os moldes europeus. Daí em diante, diversas técnicas são importadas, inclusive às dos vitrais. Através das inovações, a fabricação atinge um progresso espetacular e as bases técnicas do artesanato moderno começam a se impor.

Simultamente, os objetos em vidro (mesmo os mais comuns e utilizados no dia-a-dia), começam a ser reconhecidos como obras de arte. Logo na Era Showa (1926-1989), os artesãos especializados em obras de vidro ganham importância e respeito. Os pioneiros são Tohichi Iwata (1893-1980) e Kozo Kagami (1896-1985).

Atualmente, os vidros produzidos no Japão são realizados pelas segunda e terceira gerações dos primeiros mestres na arte. Suas obras continuam sendo fabricadas artesanalmente e apreciadas no mundo inteiro.

Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados