Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 4h05
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 016 - 27 de agosto a 2 de setembro de 1999
 
Acompanhe a história têxtil do Japão
Usados principalmente em quimonos, os tecidos japoneses
apresentam estampas desenvolvidas a partir de técnicas seculares
 

(Fotos: Reprodução)

Uma variedade espetacular de tecidos tem acompanhado os japoneses desde que viram as primeiras tramas em seda, originárias da China.

Por volta do século 4º até a metade do século 7º, os artigos têxteis ganharam importância no Japão, que foi receptivo às técnicas aprimoradas também pelos coreanos, além dos chineses, através de estilos como nishiki, aya, ro e sha. A partir daí, várias estampas foram surgindo, principalmente no Período Nara (710-794).

Nessa época, como inicialmente a seda ostentou um valor importante na história têxtil do país, a estética delineava certos padrões específicos para as vestimentas cerimoniais das mulheres da côrte, chamadas de junihitoe.

Mais para frente, no século 16, o Japão começou a ampliar sua visão de mercado para adquirir maior variedade. Importou tecidos como donsu, kanto, kinran e ginran, além de sarasa. Só no final do mesmo século é que os japoneses decidiram imitar os estilos vistos no exterior, através dos primeiros tecelões. Nishijin, em Quioto, tornou-se um centro de tecelagem de alta qualidade. Enquanto isso, o kosode, precurssor do quimono, mantinha-se como a vestimenta comum da época.

No Período Edo (1600-1868), o shogunato de Tokugawa proibiu que mercadores urbanos se vestissem com determinados tecidos como donsu e brocados. Dessa forma, a classe recorreu a artesãos que desenvolveram panos que pudessem ser usados sem restrição.

O resultado foi a criação de produtos diferentes em estilo, composição e detalhes. O kosode de seda feito a partir de tintura (kanoko e yuzen) revelou-se como uma técnica de pintura tipicamente da metade do Período Edo. Algumas práticas atuais na confecção de tecidos são resquícios técnicos empregados durante os séculos 18 e início do 19.

Mais tarde, ao contrário dos mercadores, pescadores e fazendeiros decidiram mudar os artigos têxteis utilizados para suas roupas de trabalho, reforçando-os com camadas e designs complexos – os chamados sashiko.

Com o tempo, populações de regiões diferentes do arquipélago japonês desenvolveram seus próprios modelos e estilos de tecido. Os Ainu, por exemplo, criaram suas próprias vestimentas, enquanto os originários das ilhas Ryukyu (Okinawa) desenvolveram formas têxteis inspiradas na natureza, preferindo principalmente as colorações azul e amarela forte. Na atualidade, a referência ocidental se mescla, por exemplo, com os tecidos tradicionais das épocas antigas através dos quimonos.

 
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados