Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 4h20
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 012 - 30 de julho a 5 de agosto de 1999
 
Uma infinidade de objetos feitos de bambu
Os japoneses souberam aproveitar a qualidade desta planta
resistente e flexível, criando utilitários domésticos e decorativos.
 

(Fotos: Reprodução)

As primeiras técnicas da confecção de objetos utilizando o bambu foram introduzidas no Japão através dos chineses e coreanos no século primeiro (d.C.). De acordo com estudos, os trabalhos mais antigos existentes no país datam a partir do século 8, na região de Nara.

É graças à rica vegetação japonesa que as criações em bambu foram aprimoradas ao longo dos séculos. Afinal, os japoneses contam com cerca de 400 a 500 espécies da planta encontradas nas zonas temperada e subtropical do arquipélago.

Popularmente, os bambus são chamados de take, e os de tamanho pequeno denominados sasa. Ambos, no entanto, podem ser vistos freqüentemente decorando jardins. Sua beleza é tão apreciada que um velho conto japonês entitulado Taketori Monogatari fala sobre uma princesa encontrada dentro de um galho de bambu e que, no final da história, retorna à lua em meados do mês de agosto. O conto foi escrito por volta do século 10.

Assim como a lenda, muitos rituais incluem o bambu, que simboliza prosperidade. No Ano Novo, o kado-matsu são as decorações de bambu penduradas para atrair sorte e reverenciar divindades. Ao longo do ano, eventos e festividades regionais empregam o bambu como sinônimo de harmonia. No dia 7 de julho, no Tanabata Matsuri – festival das estrelas- escreve-se os desejos num papel que é então pendurado em sassa-dake - os galhos de bambu.

Uma vez que o clima do Japão favorece o cultivo da planta, não faltam objetos e criações dos mais diversos tipos a partir do bambu. Cestas, pratinhos, recipientes e peças decorativas integram o dia a dia dos japoneses, juntamente com inúmeros trabalhos artesanais mantidos desde os tempos antigos.

 
Mais sobre o bambu
• A espécie moosoochiku forma um dos maiores bosques de bambu no Japão, em Nishiyama, na região oeste de Quioto

• Folhas da espécie pequena chamada de kumazasa são geralmente utilizadas em pratos decorativos

• As espécies chishimazasa são encontradas nas áreas montanhosas

 

Variedade de artigos

As criações em bambu incluem objetos de uso diário, mas também de função decorativa, como os guarda-chuvas feitos de papel e aro de bambu. Embora sejam mais raros hoje em dia, eles eram comuns antes das sombrinhas modernas serem introduzidas e comercializadas.

O mi era uma espécie de peneira utilizado para debulhar e selecionar os cereais, enquanto o biku, uma cesta em formato de bolsa, servia para fisgar o peixe, deixando a água sair através de suas arestas. Já o uke era o mesmo objeto com formato mais longo e comprido, utilizado principalmente para pesca de enguia. Como uma espécie de armadilha, o peixe invadia o recipiente e ficava preso em sua outra extremidade, bem mais estreita.

Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados