Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 24 de fevereiro de 2024 - 3h50
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 011 - 23 a 29 de julho de 1999
 
Desde quando os japoneses gostam de bebida alcóolica?
Foi durante o Período Edo (1600-1868) que a
produção comercial do saquê ganhou destaque.
 

Primeiramente o gostinho de saquê. Aos poucos, diversos tipos de destilados ocidentais foram introduzidos no país, até que finalmente a cerveja chegou para conquistar o paladar dos japoneses. Mas tudo isso ocorreu num processo um pouco diferente e bem mais lento, segundo os primeiros registros.

A mais antiga referência escrita sobre bebidas alcóolicas relacionadas ao Japão estaria num trabalho histórico chinês chamado Wei Zhi. O relatório referiu-se aos habitantes de Yamatai (no Japão antigo), nos primórdios do século 3 (AD), que teriam gostado muito de uma bebida parecida com licor, consumindo-a em funerais enquanto cantavam e dançavam durante a cerimônia. Outras fontes antigas que mencionaram o uso do álcool como bebida registraram a existência de estabelecimentos chamados sakadono e sakaya, onde se produzia o saquê.

Várias práticas e costumes pré-modernos registram que a bebida alcoólica desempenha há muito tempo um papel cultural importante, existindo até divindades da bebida alcóolica feita de arroz (saquê). No tempo em que o sistema ritsuryoo foi instituído, no final do século 7, a côrte tinha estabelecido o Sakê no Tsukasa, ou o local de produção de saquê, que era então consumida pela própria côrte. No período Nara (710-794), a produção do saquê mudou-se para os templos budistas. Diversos deles, principalmente no Kongooji, em Kawachi (onde fica agora a província de Osaka), obtiveram a reputação de bons produtores dessa tradicional bebida japonesa.

Em áreas rurais, a população local costumava ter sua própria produção especialmente para o Ano Novo e, nos festivais de destaque, esse mesmo saquê também era oferecido às divindades.

Num banquete chamado naoarai, os convidados desgustavam a bebida após ter sido oferecida aos deuses. Foi durante o Período Edo (1600-1868) que a produção comercial do saquê ganhou destaque, e a bebida tornou-se um ingrediente para socialização e entretenimento.

Embora antigamente os japoneses não costumavam ficar bêbados como é mais freqüuente nos dias atuais, joogo era o termo utilizado para designar os admiradores do saquê, enquanto que geko referia-se aos mais moderados. Atualmente, costuma-se dizer que hashigozake é o grupo que pára em diversos bares para beber durante a noite. O saquê espalhou-se tanto pelos costumes do povo japonês, que até mesmo nos casamentos os noivos trocam goles da bebida.

Atualmente, em todo o Japão, há diversos tipos de destilados. Seishu é um tipo de saquê mais representativo, mas outras bebidas nativas incluem o shoochu, doburoku, shirozake e awamori.

Os produtos alcoólicos ocidentais chegaram ao país durante o Período Muromachi (1333-1568) quando os vinhos vieram de Portugal. Já a produção da cerveja destacou-se no bairro de Ginza, Tóquio, em 1899, quando tornou-se um rival do saquê. Antes da Segunda Guerra Mundial, havia aproximadamente 60% do consumo de seishu, enquanto que a cerveja atingia 20%. Com o passar do tempo, houve o inverso, já que no final dos anos 80, a cerveja chegava a ser consumida em 70%, enquanto que o seishu havia caído para apenas 20%.

 
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados